Um site como ferramenta de identificação de uma agenda pública em uma pequena cidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8655520

Palavras-chave:

Agenda pública, Jornalismo hiperlocal, Engajamento, Ferramentas.

Resumo

Sem meios de comunicação locais estruturados, como uma cidade pode ser informada sobre seus principais problemas? O desafio em criar uma plataforma digital jornalística para Gonçalves (Minas Gerais), passa pela estratégia de engajar seus moradores no uso das ferramentas no intuito de discutir e apontar soluções relativas as principais questões identificadas por eles. Em uma pesquisa com dez lideranças da região – à luz de conceitos de agenda pública, engajamento e laços sociais – discutiu-se como se dá a comunicação e quais são os temas prioritários para a cidade. A partir dos resultados, de que modo a prática do jornalismo hiperlocal pode dar visibilidade a um futuro agendamento e o consequente envolvimento nos debates para melhoria daquilo que é mais urgente?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magaly Parreira do Prado, Universidade de São Paulo

Docente na ESPM-SP; Pós-doutoranda na ECA-USP.

Adrian Alexandri, Escola Superior de Propaganda e Marketing

Mestre em Produção Jornalística e Mercado na ESPM-SP.

Referências

AROSO, Inês (2003). A internet e o novo papel do jornalista. In: Biblioteca Online de Ciências da Comunicação (BOCC). Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/aroso-inesinternetjornalista.pdf. Acesso em: 22 abr. 2015.

BAACK, Stefan. Practically engaged. The entanglements between data journalism and civic tech. Published online: 13 out. 2017. Disponível em: http://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/21670811.2017.1375382. Acesso em: 27 out. 2017.

BARROS FILHO, C. Ética na comunicação. 5ed., São Paulo: Summus, 2003.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Eve. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BOWMAN, S.; WILLIS, C. We media. How audiences are shaping the future of news and information. Stanford: The Media Center at The American Press Institute, 2003. Disponível em:www.hypergene.net/wemedia. Acesso em: 20 nov. 2016.

BRAMBILLA, Ana Maria. Jornalismo colaborativo (e microjornalismo), 2011. Disponível em: http://paraentender.com/internet/jornalismo-colaborativo. Acesso em: 28 nov. 2016.

BRAMBILLA, Ana Maria. Jornalismo open source: discussão e experimentação do Oh My News International. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/8457/000576267.pdf. Acesso em: 22 nov. 2016.

BURNS, Janice. C.; BONILLA, Taicha. Hyperlocal communication. 2012. Disponível em: http://v5.healthycity.org/sites/hc.v5.live/files/amazon_s3/article_file/Hyperlocal%20Commu nications.pdf. Acesso em: 4 jun. 2017.

CANAVILHAS, João (2011). Del gatekeeping al gatewatching: el papel de las redes sociales en el nuevo ecosistema mediático. In: Periodismo digital: convergencia, redes y móviles. Fernando Irigaray, Dardo Ceballos e Matía Manna (orgs.).

CANCLINI, Néstor García. Diferentes, desiguais e desconectados. Rio de Janeiro: UFRJ, 2005.

CORRECTIV. 2016. Frequently asked questions. CORRECTIV Homepage. Disponível em: https://correctiv.org/en/correctiv/faq/. Acesso em: 26 out. 2017.

CORRECTIV. 2015. CORRECTIV-Schulung: journalistisch arbeiten–was ist ein journalist. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DnwtJyFT7JQ. Acesso em: 26 out. 2017.

GANDOUR, Ricardo. Um novo ecossistema informativo: como a fragmentação digital está moldando a forma pela qual produzimos e consumimos notícias. The Knight Center for Journalism in the Americas, 2016. Disponível em: https://knightcenter.utexas.edu/books/NewInfoEnvironmentPortugueseLink.pdf. Acesso em: 17 jun. 2017.

GARCÍA, Xosé Lopez. Ciberperiodismo em la proximidad. Sevilha, Salamanca, Zamora, ES: Comunicación Social, 2008.

GARROSSINI, Fávaro et all (eds.). Comunicación y ciudad- La mediación social en la nueva cultura urbana. 1 out. 2016. Disponível em: http://www.gedisa.com/ficha.aspx?cod=500454&titulo=Comunicaci%C3%B3n-yciudad#.V_C-kfkrJD. Acesso em: 1 out. 2016.

GILLMOR, Dan. Nós, os media. Lisboa: Presença II, 2005.

GILLMOR, Dan. Where did "Citizen Journalist" come from?, 2008. Disponível em: http://citmedia.org/blog/2008/07/14/where-did-citizen-journalist-come-from/. Acesso em: 28 nov. 2016.

HOHLFELDT, Antônio. Os estudos sobre a hipótese de agendamento. Revista Famecos, nº 7, pag. 42 - 51. Porto Alegre, nov. 1997.

JONES, Alan. Hyper-local media steps up as newspaper industry declines. Inglaterra: The Guardian, 21 jul. 2014. Disponível em: https://www.theguardian.com/public-leadersnetwork/2014/jul/21/newspaper-industry-declines-hyper-local-media. Acesso em: 17 jun. 2017.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência – o futuro do pensamento na era da informática. (1990). São Paulo: Editora 34, 2006.

LIMA JÚNIOR, Walter Teixeira. Dispositivos móveis e APIs na construção do Jornalismo Hiperlocal. 2016. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/intexto/article/view/53096. Acesso em: 22 maio 2017.

LIPPMANN, Walter. Opinião pública. São Paulo: Ed. Vozes, 2010.

LUGANO, Giuseppe (2008). Mobile social networking in theory and practice. First Monday, Vol. 13, n. 11. Disponível em: http://firstmonday.org. Acesso em: 10 abr. 2019.

MACHADO, Elias. O ciberespaço como fonte para os jornalistas. 2003. Disponível em: http://bocc.unisinos.br/pag/machado-elias-ciberespaco-jornalistas.pdf. Acesso em: 25 mar. 2016.

MARTINS, Luiz. Sociedade, esfera pública e agendamento. In: BENETTI, Márcia; LAGO, Cláudia. Metodologia de pesquisa em Jornalismo. Petrópolis: Vozes, 2007.

McCOMBS, Maxwell; SHAW, Donald L. The agenda-setting function of mass media. Public Opinion Quarterly, 1972.

MORAES, Francisco Munhoz; LEAL, Zelia Adghirni. Jornalismo e democracia: o papel do mediador. 2011. Disponível em: http://www.compos.org.br/seer/index.php/ecompos/article/viewFile/642/520. Acesso em: 29 out. 2017.

MORETZSOHN, Sylvia. O “jornalismo cidadão” e o mito da tecnologia redentora. Universidade Federal Fluminense, Brasil Comunicação e Sociedade, vol. 9-10, 2006, pp. 6381 Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/751/571. Acesso em: 28 out. 2016.

NOELLE-NEUMANN, Elisabeth. La espiral del silencio. Paidós, 1995.

O'REILLY, Tim. “What is web 2.0”? Design patterns and business models for the next generation of software. (2005). O'Reilly Publishing. Disponível em: http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/articles/pubmod.html. Acesso em: 19 ago. 2015.

PRADO, Magaly. Webjornalismo. Rio de Janeiro: LTC/GEN, 2011.

PRADO, Magaly. Ciberativismo e noticiário: da mídia torpedista às redes sociais. Rio de Janeiro. Ed. Alta Books, 2015.

PRADO, Magaly. As novas ferramentas necessárias ao exercício do jornalismo no mutante mercado impregnado pelas tecnologias digitais. 2015-2016 (no prelo).

RADCLIFFE, Damian. Here and now: UK hyperlocal media today. Nesta. Reino Unido, Londres: 2012.

ROSSITER, Ned. Organized networks: media theory, creative labour, new institutions. Amsterdam: NAi Publishers, Rotterdam and the Institute of Network Cultures, 2006.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua. Repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SANTOS, Milton et al. O papel ativo da geografia: um manifesto. XII ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS. Florianópolis, 2000.

SHAW, Donald L. and McCOMBS, Maxwell E. The emergence of american political issues: the agenda-setting function of the press. Saint Paul, Minnesotta: West Publishing Co. 1977.

SHIRKY, Clay. A cultura da participação - criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SORJ, Bernardo. Meios de comunicação edemocracia: para além doconfronto entre governos eempresas. Working Paper, n. 20, jul. 2011. Disponível em: http://www.plataformademocratica.org/Arquivos/Plataforma_Democratica_Working_Paper_ 20_Portugues.pdf. Acesso em: 17 jun. 2017.

TRAQUINA, Nelson. O paradigma da agenda-setting: redescoberta do poder do jornalismo. Revista Comunicação e Linguagens. Lisboa: 1995.

TEWKSBURY, David; RITTENBERG, Jason. News on the internet – information and citizenship in the 21st Century. Oxford University Press, 2012.

WALDMAN, Steven. The information needs of communities - the changing media landscape in a broadband age. Nonprofit News Websites. Jun 2011. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=bLulzihSxPEC&lpg=PA188&dq=Some%20significant%20national%20efforts%20to%20sustain%20journalism%20also%20have%20been%20set %20up%20as%20nonprofits&hl=pt-BR&pg=PP1#v=onepage&q&f=true. Acesso em: 17 jun. 2017.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. Lisboa: Presença,1992.

Downloads

Publicado

2019-05-30

Como Citar

PRADO, M. P. do; ALEXANDRI, A. . Um site como ferramenta de identificação de uma agenda pública em uma pequena cidade. RUA, Campinas, SP, v. 25, n. 1, 2019. DOI: 10.20396/rua.v25i1.8655520. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8655520. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos