Infância e violência

uma leitura dos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8655546

Palavras-chave:

Jornalismo, Reportagem, Infância abandonada.

Resumo

Este artigo tem como objetivo refletir sobre o jornalismo e a cobertura dada à temática da infância abandonada e ao tratamento semântico dado a essa infância, na perspectiva de Cremilda Medina, historiadores da infância, entre outros estudiosos. Para avaliar aspectos da produção jornalística, foram utilizadas reportagens publicadas nos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo. A observação acerca desse tema busca a compreensão das mudanças semânticas nas nominações de crianças em situação de rua na cobertura jornalística. Dois casos foram examinados nesta pesquisa: o do menino Italo, 10 anos, que ao furtar um carro foi morto por policiais militares; e o do menino Waldick, de 11 anos, que foi morto pela Guarda Civil Metropolitana em São Paulo. Entre as considerações, compreendeu-se uma fragmentação de informações, provocada desde as proposições das pautas, na divisão editorial dos conteúdos e no destaque dado às matérias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Maria Farah, Centro Universitário de União da Vitória

Doutora em Ciências da Comunicação da ECA-USP, Professora no Centro Universitário de União da Vitória (Uniuv).

Referências

ADORNO, Sérgio. Criança: a lei e a cidadania. In: RIZZINI, Irene (org.). A criança no Brasil hoje: desafio para o terceiro milênio. Rio de Janeiro: Editora Universitária Santa Úrsula, 1993. p.101-112.

ANDI – Comunicação e Direitos; SECRETARIA de Direitos Humanos da Presidência da República. Direitos em pauta: imprensa, agenda social e adolescentes em conflito com a lei. Como os jornais brasileiros abordam as temáticas relacionadas ao adolescente em conflito com a lei? Uma análise da cobertura de 54 diários entre 2006 e 2010. 2012. 96 p. Disponível em: https://bit.ly/2wgJOB7. Acesso em: 20 fev. 2019.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2006.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e história da cultura. 7.ed. São Paulo: Brasiliense: 1994. p.197-221.

CANCLINI, Nestor García. As culturas populares no capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 1983.

LEANDRO, Paulo Roberto; MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente. São Paulo: Média, 1973.

MARANGONI, Ana Maria. Trabalho de criança é pouco, mas quem perde é louco. In: MEDINA, Cremilda; GRECO, Milton (orgs.). Sobre vivências no mundo do trabalho. São Paulo: ECA/USP / CNPq, 1995. p.59-61.

MARCÍLIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: Hucitec, 1998.

MEDINA, Cremilda. Atravessagem: reflexos e reflexões na memória de repórter. São Paulo: Summus, 2014.

MEDINA, Cremilda. A arte de tecer o presente: narrativa e cotidiano. São Paulo: Summus, 2003.

MORAGAS, Miquel de. Cultural identity, communication spaces and democratic participation. In: Communication and cultural identity, Actes del XVI Congreso de la AIERI-IAMCR, Barcelona: UAB / AIERI-IAMCR, 1988.

MORIN, Edgar. Para além do Iluminismo. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 26, quadrimestral, p.24-28, abril 2005.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

RIZZINI, Irene. O século perdido: raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. Rio de Janeiro: Petrobrás-BR/Ministério da Cultura/ USU Ed. Universitária/Amais, 1997.

RIZZINI, Irene. Crianças e menores – do pátrio poder ao pátrio dever. Um histórico da legislação para a infância no Brasil. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco (org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 2.ed. rev. São Paulo: Cortez, 2009. p. 97-149.

RIZZINI, Irma. O elogio do científico: a construção do “menor” na prática jurídica. In: RIZZINI, Irene (Org.). A criança no Brasil hoje: desafio para o terceiro milênio. Rio de Janeiro: Editora Universitária Santa Úrsula, 1993. p. 81-99.

RIZZINI, Irene. Meninos desvalidos e menores transviados: a trajetória da política da assistência pública até a Era Vargas. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco (Org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 2.ed. rev. São Paulo: Cortez, 2009. p.225-286.

SERVA, Leão. Jornalismo e desinformação. 2.ed. rev. e atual. São Paulo: SENAC São Paulo, 2001.

SODRÉ, Muniz; FERRARI, Maria Helena técnica de reportagem: notas sobre a narrativa jornalística. São Paulo: Summus, 1986.

SOUSA, Jorge Pedro. Uma história crítica do fotojornalismo ocidental. Chapecó: Grifos; Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2000.

STEARNS, Peter N. A infância. São Paulo: Contexto, 2006.

STEINBERG, Shirley R.; KINCHELOE, Joe L. (orgs.). Cultura infantil: a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

VERONESE, Josiane Rose Petry. Entre violentados e violentadores? São Paulo: Cidade Nova, 1998.

VICCHIATTI, Carlos Alberto. Jornalismo: comunicação, literatura e compromisso social. São Paulo: Paulus, 2005.

VOGEL, Arno. Do Estado ao estatuto. Propostas e vicissitudes da política de atendimento à infância e adolescência no Brasil contemporâneo. In: RIZZINI, Irene; PILOTTI, Francisco (org.). A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. 2.ed. rev. São Paulo: Cortez, 2009. p.287-321.

Downloads

Publicado

2019-05-30

Como Citar

FARAH, A. M. Infância e violência: uma leitura dos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo. RUA, Campinas, SP, v. 25, n. 1, 2019. DOI: 10.20396/rua.v25i1.8655546. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8655546. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Estudos