A emergência das heterogeneidades enunciativas no discurso indigenista oficial brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8655728

Palavras-chave:

Interdiscurso, Heterogeneidade(s) enunciativa(s), Discurso indigenista.

Resumo

Este trabalho objetiva problematizar emergências de heterogeneidade(s) enunciativa(s) (AUTHIER-RÉVUZ, 1990, 1998, 2004) no Documento Base, elaborado para embasar a 1ª Conferência Nacional de Política Indigenista. Alicerça-se nos estudos da AD de origem francesa e no método arquegenealógico (FOUCAULT, 2015), em sua perspectiva dicursivo-desconstrutiva (CORACINI, 2007, GUERRA, 2011). Os resultados obtidos indicam que a utilização das aspas na materialidade discursiva analisada se deu, primeiro, como recurso preventivo contra a apropriação da ideia alheia, depois pela necessidade de o sujeito enunciador eximir-se da responsabilidade sobre o sentido de determinados itens lexicais e, por fim, como questionamento
do efeito de sentido evocado pelas palavras aspeadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sheila da Costa Mota Bispo, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutoranda junto ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do
Sul.

Vânia Maria Lescano Guerra, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Referências

AUTHIER-RÉVUZ, J. Heterogenidade(s) Enunciativa(s). In: Cadernos de Estudos Linguísticos, nº19, Campinas, jul-dez, 1990.

AUTHIER-RÉVUZ, J. Palavras Incertas: as não-coincidências do dizer. Campinas: Editora da UNICAMP, 1998.

AUTHIER-RÉVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

BRASIL. (2014) DECRETO DE 24 DE JULHO DE 2014. Convoca a 1ª Conferência Nacional de Política Indigenista. Disponível em: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2014/doc/11-nov/decreto.pdf. Acesso em: 22/04/2018, às 11h30.

BORGES, Luiz C. A Instituição de Línguas Gerais no Brasil. In: ORLANDI, Eni P. (Org.) História das Ideias Linguísticas do Brasil: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: poderes oblíquos. In: CANCLINI, Néstor G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Heloisa Pezza Cintrão e Ana Regina Lessa. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2013, p. 283-351.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo: Contexto, 2008. 2ed.

CORACINI, Maria J. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas materna e estrangeira. Plurilinguismo e tradução. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

FLEURI, Reinaldo Matias. Intercultura e educação. In: Revista Brasileira de Educação, nº 23. 2003.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. 3 ed. Trad. Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

FOUCAULT, Michel. Método. In: FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. E ed. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO (2015) Documento Base. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/todos-presidencia/3252-documentos-1-conferencianacional-de-politica-indigenista. Acesso em 06/11/2017. Acessado em 15/08/2017 às 22h.

GUERRA, V.M.L. Entre a mídia impressa e o discurso da “integração”, a construção identitária dos indígenas. In CORACINI, Maria José R. F. (Org.) Identidades silenciadas e (in)visíveis: entre a inclusão e a exclusão (identidade, mídia, pobreza, situação de rua, mudança social, formação de professores). Campinas: Pontes, 2011, p.127-148.

GUERRA, V.M.L. Povos indígenas: identidade e exclusão social. Campo Grande: Editora da UFMS, 2015.

HALL, Stuart. A questão multicultural. In HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Org. Liv Sovik. Trad. Adelaine La Gurdia Resende et al. Belo Horizonte: Editora da UFMG. 2006, p. 51-100.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. O Brasil indígena. In: http://www.funai.gov.br/arquivos/conteudo/ascom/2013/img/12-Dez/pdf-brasilind.pdf. Acessado em: 15/07/2017 ás 18 h.

MARIANI, Bethania. A institucionalização da língua. História e cidadania no Brasil do século XVIII: O papel das academias literárias e da política do marquês de Pombal. In: ORLANDI, Eni P. (Org.) História das Ideias Linguísticas do Brasil: construção do saber metalinguístico e constituição da língua nacional. Campinas: Pontes; Cáceres, MT: Unemat Editora, 2001.

NOBRE, Wagner Carvalho de Argolo. Introdução à história das línguas gerais no Brasil: processos distintos de formação no período colonial 2011. 229 f. Dissertação. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

NOLASCO, Edgar C. O método do discurso fronteiriço: por uma aproximação do sujeito da exterioridade. In: GUERRA, V. M.L. ; ALMEIDA,W.D. (Orgs). Povos indígenas em cena: das margens ao centro da história. Campo Grande: OMEP/BR, 2016, p.52-66.

ORLANDI, Eni P. As formas do silêncio no movimento dos sentidos. 7. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: QUIJANO, Aníbal.; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 84-130.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y Modernidad/Racionalidad. 1992. Disponível em: https://problematicasculturales.files.wordpress.com/2015/04/quijano-colonialidad-ymodernidad-racionalidad.pdf. Acesso em: 29/07/2016.

SANTOS, Boaventura S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: SANTOS, Boaventura S. MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. P. 31-83.

WILL, Karhen Lola P. Um retrato do genocídio cultural no campo jurídico internacional. Revista dos Tribunais. Vol. 969. Ano 105. p. 111-130. São Paulo: Revista do Tribunais, jul. 2016.

Downloads

Publicado

2019-06-25

Como Citar

BISPO, S. da C. M. .; GUERRA, V. M. L. . A emergência das heterogeneidades enunciativas no discurso indigenista oficial brasileiro. RUA, Campinas, SP, v. 25, n. 1, p. 1–10, 2019. DOI: 10.20396/rua.v25i1.8655728. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8655728. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Estudos