A biopolítica e o espaço urbano

considerações sobre o Centro de Florianópolis

Palavras-chave: Disciplina, Controle, Espaço urbano, Florianópolis, Corpos improdutivos

Resumo

A partir de discussões sobre os conceitos de sociedades disciplinar e de controle (FOUCAULT, 1976; DELEUZE, 1990), dispositivos de vigilância, bem como questões sobre biopolítica (FOUCAULT, 2008b [1979]), o propósito deste artigo é analisar o Centro de Florianópolis, trazendo considerações sobre o espaço urbano: as ruas do centro da cidade,  seus dispositivos de vigilância, e a circulação de corpos. As referências utilizadas se alinham tanto ao pensamento foucaultiano quanto a autores do campo do urbano. No decorrer do texto, há a busca por regularidades que auxiliam na compreensão sobre o uso de determinados espaços e suas implicações nas vidas dignas de serem vividas e nas vidas indignas de existir na ordem citadina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natassia D’Agostin Alano, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda no Curso de Pós-graduação em Linguística, da Universidade Federal de Santa Catarina.

           

  

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. Henrique Burigo. 2.ed. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010a [1995].

ALANO, Natassia D’Agostin. Vivências com a cultura escrita por parte de sujeitos com Trajetória de rua: relações de tensionamento na (in)funcionalidade da leitura e da escritura. Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

AREND, Nathan Franciel. A cidade de ambulante: cartografando o centro de Porto Alegre. 2018. 116 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. de Roberto Raposo. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

BALSAS, Carlos. José Lopes. Urbanismo comercial em Portugal e a revitalização do centro das cidades. Lisboa: Ministério da Economia, 1999.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. 2.ed. Trad. Sérgio Lamarão e Arnaldo Marque da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016 [2009].

CAPONI, Sandra. A biopolítica da população e a experimentação com seres humanos. Ciência & Saúde Coletiva, v.9, n.2, 2014, p. 445-455. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v9n2/20398.pdf. Acesso em: 23 dez. 2019.

CLIC-RBS. Projeto prevê luminosidade e espaço livres para intervenções artísticas. Arquiteto projetista: Gustavo Utrabo, Folhas1/4, 2013. Disponível em: http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2013/11/prefeitura-anuncia-o-vencedor-do-concurso-para-construcao-do-vao-central-do-mercado-publico-em-florianopolis-4345649.html?pagina=2. Acesso em: 03 fev. 2019.

DUARTE, André. Michael Winterbotton encontra Giorgio Agamben: biopolítica e cinema. Temas & Matizes, n. 11, 2007. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/temasematizes/article/viewFile/2503/1877. Acesso em: 15 jan. 2019.

ESPÓSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Trad Wander Melo Miranda. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2017.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: História da violência nas prisões. Trad. de Raquel Ramalhete. 20ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2007 [1976].

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a [1977-1978].

FOUCAULT, Michel. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b [1979].

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 19.ed. Trad. Maria Thereza Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2009 [1988].

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade - curso no Collège de France. Trad. Maria Ermantina Galvão. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2010a [1975-1976].

HEART OF DOG. Direção Laurie Anderson. Estados Unidos: DVD (75 min.), son., color, 2015.

HILARIO, Leomir Cardoso. Da biopolítica À necropolítica: variações foucaultianas na periferia do capitalismo. Sapere aude, v. 7 – n. 12, p. 194-210, jan./jun. 2016.

JACOBS, Jane. Morte e Vida de Grandes Cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

JACQUES, Paola Berestein. Corpografias Urbanas. Revista Arquitextos, n.7, fev 2008. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.093/165. Acesso em: set. 2009.

LARA, Camila de Almeida; BUTTURI JUNIOR, Atílio. Biopolítica, Direitos Humanos e Resistências: uma análise comparativa das políticas públicas de saúde para a população LGBT de Florianópolis-SC. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, v 57, n.2, pp.645-674, mai./ago, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651640/18317. Acesso em: 21 dez. 2018.

LAZARATTO, Maurizzio. A Política do Império. Trad. Leonora Corsini. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEITE, Rogério Proença. A exaustão das cidades: antienobrecimento e intervenções urbanas em cidades brasileiras e portuguesas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 25, n.72, fev. 2010.

LOPES DA SILVA, M. L. Trabalho e população em situação de rua no Brasil. São Paulo: Cortez, 2009.

MARICATO, Emília. In: MEKARI, Danilo; NOGUEIRA, Pedro Ribeiro. O que os rolezinhos dizem sobre o direito à cidade? Portal Aprendiz, 2014. Disponível em: https://portal.aprendiz.uol.com.br/arquivo/2014/01/17/o-que-os-rolezinhos-dizem-sobre-o-direito-a-cidade/ . Acesso em: 03 fev. 2019.

MBEMBE. Necropolítica, una revisión crítica. In: GREGOR, Helena Chávez Mac (Org.). Estética y violencia: Necropolítica, militarización y vidas lloradas. México: UNAMMUAC, 2012, p. 130-139.

PAESE, Celma. O Campo e a arquitetura. Arqtexto (UFRGS). Porto Alegre, v. 7, n.7, p. 50-59, 2006.

PELBART, Peter Pál. A terra, a guerra, a insurreição. Revista Eco Pós: Tecnopolíticas e Vigilância. Perspectivas, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, 2015.

POZZO, Renata Rogowski. Modernidade Capitalista em Florianópolis-SC e a Dinâmica do Centro Urbano. Orientado por Prof. Dr. Marcos Aurélio da Silva. Florianópolis, 2010. 231f. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Geografia. Florianópolis, 2010.

RITTER, Vivian Fetzner. O espaço e a biopolítica. Polietica. São Paulo, v. 2, n. 1, pp. 112-137, 2014.

SIBILIA, Paula. O homem pós orgânico: a alquimia dos corpos e das almas à luz das tecnologias digitais. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Contraponto, 2015. p. 248.

TÃO PERTO, TÃO LONGE – Emília Maricato. Produção Largou as Botas e Mergulhou no Céu. BRASIL, 2016, son. color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=z75m-Z5lJU4. Acesso em: 03 fev. 2019.

XI COLÓQUIO INTERNACIONAL MICHEL FOUCAULT | MESA 9. Fala Denise Santana (51s. – 29min.). Florianópolis, 2018, son. Color. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=f50m6DQMYPE&t=3802s. Acesso em: 23 nov.

YAMAMOTO, André. Reconstruindo o Mercado Público de Florianópolis. Revista Santa Catarina em História, Florianópolis, v.1, n.1, pp. 1984- 3968, 2008. Disponível em: http://www.nexos.ufsc.br/index.php/sceh/article/viewFile/419/114. Acesso em: 1 fev. 2019.

Publicado
2019-11-20
Como Citar
Alano, N. D. (2019). A biopolítica e o espaço urbano. RUA, 25(2), 441-467. https://doi.org/10.20396/rua.v25i2.8657562
Seção
Estudos