Ética e argumentação abolicionista

(anotações a um texto de José do Patrocínio)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v25i1.8658679

Palavras-chave:

Sentido, Argumentação, Designação, Enunciação, Ética, Liberdade, Igualdade, Escravidão

Resumo

Este texto tem como objetivo analisar alguns movimentos de designação e argumentação no Manifesto da Confederação Abolicionista do Rio de Janeiro, de José do Patrocínio, de 1883, visando criar condições para refletir sobre a consideração de valores éticos, a partir de análises semânticas específicas. A análise será feita sobre recortes do texto, sobre três pontos fundamentais: 1.o espaço urbano do Rio de Janeiro como um cenário da luta pela abolição; 2.a argumentação sobre a abolição a partir do argumento da liberdade natural. 3.a relação do modo de estabelecimento do conceito de liberdade, no texto, e a questão dos valores éticos. Estas análises buscam encontrar na enunciação do texto a constituição de sentidos a partir do argumento da liberdade como um direito natural imprescritível, e da designação de liberdade no texto. Deste modo procura-se compreender como o sentido de igualdade pode ser considerado, segundo o texto, um valor ético fundamental.  A análise conclui, entre outras coisas, que no texto a liberdade aparece menos como uma característica que descreve a sociedade da época, e mais como um valor, como do plano do deve ser, e enquanto tal um valor que projeta um ser, um é, futuro. E a consideração do valor da liberdade significa a igualdade como um valor que garante o valor da liberdade para todos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Guimarães, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Letras (Lingu´ística e Línguas Orientais) pela Universidade de São Paulo. Professor titular convidado do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas. Pesquisador e coordenador do Laboratório de Estudos Urbanos da Universidade Estadual de Campinas e pesquisador 1B do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. Professor visitante da Universidade do Estado de mato Grosso.

Referências

ANSCOMBRE, Jean-Claude; DUCROT, Oswald. L’argumentation dans la langue. Mardaga: Bruxelles, 1983.

DIAS, Luiz Francisco. Enunciação e relações linguísticas. Campinas, SP: Pontes, 2018.

DUCROT, O. “Les Échelles Argumentatives”. La Preuve et le Dire. Paris: Mame. 1973

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Miniaurélio: o dicionário da língua portuguesa; coordenação de edição Margarida dos Anjos. Marina Baird Ferreira. 6. ed. rev. atual. Curitiba: Positivo, 2006.

GUIMARÃES, EDUARDO. Modalidade e Argumentação Lingüística. Análise dos Enunciados no Passado em Língua Portuguesa. Universidade de São Paulo, 1979.

GUIMARÃES, EDUARDO. “Os Sentidos de Cidadão no Império e na República no Brasil”. In Guimarães, E. e Orlandi, E. P (Org.). Língua e Cidadania. Campinas: Pontes. 1996.

GUIMARÃES, EDUARDO. Semântica do acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas: Pontes, 2002.

GUIMARÃES, E. Domínio Semântico de Determinação. In: MOLLICA, Maria Cecília; GUIMARÃES, Eduardo. (Org.). A palavra: forma e sentido. Campinas: Pontes, 2007.

HARRIS, Sam. A paisagem moral: como a ciência pode determinar os valores humanos. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2013.

HUME, David. Uma investigação sobre os princípios da moral. Campinas: Editora da Unicamp, 1995.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006. p. 25.

Mesure, S.; Savidan, P. Le Dictionnaire des Sciences Humaines. Paris: PUF, 2006.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Terra à vista: discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez Editora, 1990.

ORLANDI, Eni Puccinelli. N/O limiar da cidade. RUA, v. 5, p. 7-19, 1999.

ORLANDI, Eni P. Tralhas e troços: o flagrante urbano. In: Cidade atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, p. 9-24, 2001.

PATROCÍNIO, José do; REBOUÇAS, André. Manifesto da Confederação abolicionista do Rio de Janeiro. Typ. da Gazeta da Tarde, 1883.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Traité de l’argumentation. Bruxelles: Éditions de l’Université libre de Bruxelles. 1970.

RANCIÈRE, Jacques. O Desentendimento. São Paulo: Editora 34, 1995.

Downloads

Publicado

2020-03-11

Como Citar

GUIMARÃES, E. Ética e argumentação abolicionista: (anotações a um texto de José do Patrocínio). RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v25i1.8658679. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8658679. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Estudos