Banner Portal
A língua que “une” é a mesma que divide
PDF

Palavras-chave

Análise de Discurso
Língua
Língua portuguesa
Catadores de materiais recicláveis

Como Citar

PASINATTO, R. A língua que “une” é a mesma que divide: discriminação e marginalização de catadores de materiais recicláveis a partir das suas relações com a Língua Portuguesa. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8659567. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8659567. Acesso em: 21 fev. 2024.

Resumo

Tomando o aporte teórico-metodológico da Análise de Discurso francesa (AD), o objetivo deste artigo é observar como, ao se colocarem enquanto falantes da língua Portuguesa, um grupo de catadores de materiais recicláveis de Cruz Alta- RS se relaciona com a língua. Acredita-se que, ao tratarem acerca das suas relações com a língua, eles também estarão discusivizando sobre sua identidade e, isso, permitirá uma reflexão sobre suas formas de subjetivação. De maneira geral, as sequências discursivas analisadas vieram ratificar a ideia de que a língua atua como um divisor que hierarquiza os falantes, numa conjuntura em que os desaparelhados linguisticamente são fadados a processos de discriminação e a posições marginalizadas na sociedade.

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8659567
PDF

Referências

ALTHUSSER, L. (1918). Aparelhos Ideológicos de Estado. In: ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos de Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado (AIE). 6. ed. Tradução de Walter José Evangelista e Maria Laura Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1992.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil S. A., 1989.

COURTINE, Jean-J. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. Tradução Cristina de Campos Velho, Didier Martin, Maria Lúcia Meregalli, et al. São Carlos, SP: EdUFSCar, 2014.

DORNELES, E. Discurso sobre a língua e a constituição da língua da escola. In: SCHONS, C. R.; CAZARIN, E. A. Língua, escola e mídia: en(tre)laçando teorias, conceitos e metodologias (Org.). Passo Fundo-RS: Universidade de Passo Fundo, 2011, p. 34-47.

GNERRE, Maurizio. Linguagem, escrita e poder. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento: um estudo enunciativo da designação. Campinas, SP: Pontes, 2002.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomás Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.

HENRY, Paul. Construções relativas e articulações discursivas. Cadernos de estudos linguísticos. In: ORLANDI, E. P.; GERALDI, João Wanderley. (Org.). 19. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1990. p. 43-64.

ORLANDI, E. Terra à vista: o discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Unicamp, 1990.

ORLANDI, E. A Desorganização cotidiana. In: ORLANDI, E. Escritos: percursos sociais e sentidos nas cidades. Campinas, SP: Labeurb, 2001, p. 3-10. Disponível em: https://www.labeurb.unicamp.br/portal/pages/pdf/escritos/Escritos1.pdf. Acesso em: 01 abr. 2020.

ORLANDI, E. Identidade lingüística escolar. In: SIGNORINI, Inês (Org.). Lingua(gem) e identidade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2002.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. 2. ed. Campinas: Pontes, 2005.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas, SP: Unicamp, 2007.

ORLANDI, E. Lexicografia discursiva. In: ORLANDI, E. P. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013, p. 101-119.

PASINATTO, R. Relações de trabalho e imaginário de língua na constituição dos sujeitos catadores de materiais recicláveis. Orientação Ana Zandwais. 2019. 299f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da Análise Automática do Discurso: atualização e perspectivas (1975). In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso: uma Introdução à obra de Michel Pêcheux. 2. ed. Tradução Bethânia S. Mariani et al. Campinas, SP: Unicamp, 1990, p.163-179.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni P. Orlandi et al. 2. ed. Campinas, SP: Unicamp, 1995.

PÊCHEUX, M.O discurso: estrutura ou acontecimento? Tradução Eni P. Orlandi. São Paulo: Pontes, 2008.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

ZANDWAIS, A. Subjetividade, sentido e linguagem: desconstruindo o mito da homogeneidade da língua. In: ZANDWAIS, A. (Org.). História das ideias: diálogos entre linguagem, cultura e história. Passo Fundo, RS: UPF, 2012a, p. 175-191.

ZANDWAIS, A. Reconfigurando a Noção de Formação Discursiva: deslocamentos produzidos a partir de um contraponto. Revista Leitura - Programa de Pós Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas, n. 50, v. 2, p. 41-59, 2012b

ZANDWAIS, A. Como caracterizar uma nação: entre domínios históricos e discursivos. In: PETRI, Verli; DIAS, Cristiane (Org.). Análise de Discurso em Perspectiva. Teoria, método e análise. Santa Maria, RS: Editora UFSM, 2013.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.