Relações entre sujeitos em Campina do Monte Alegre após a implantação da UFSCar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8659645

Palavras-chave:

Cidade, Estabelecidos, Outsiders, Ufscar, Sociabilidade

Resumo

Apoiado na Análise de Discurso de cunho materialista na interface com autores como Freud e Derrida, este artigo contribui com os estudos sobre as relações discursivas engendradas no espaço da cidade, buscando compreender como antigos e novos moradores representam a cidade a partir da implantação da UFSCar Lagoa do Sino. Com base no pressuposto de que a cidade é um lugar material no qual processos discursivos são produzidos, formula-se a hipótese de que, de um lado, há uma divisão imaginária entre cidade e seus antigos habitantes e, de outro, universidade e novos moradores, resultando em gestos de hostilidade e repulsa entre os sujeitos. O corpus é constituído de quatro entrevistas feitas com dois moradores antigos e dois recém-moradores. Como resultado, apesar de existir uma tentativa de segregação, há brechas para possíveis mudanças de posição, o que permite um espaço de convívio e de relações entre eu-outro na cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilka de Oliveira Mota, Universidade Federal de São Carlos

Doutora em Linguística Aplicada  pela Universidade Estadual de Campinas. Pós-doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora Associada I da Universidade Federal de São Carlos, Campus Lagoa do Sino.

Referências

BOBBLIO, N. Política. In: METTEUCCI, N. PASQUINO, G. Dicionário de Política. Tradução de Carmen C. Varrialle. 6. ed. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1998.

CORACINI, M. J. A celebração do outro. Arquivo, memória e identidade: línguas materna e estrangeira. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007.

CORACINI, M. J. (Org.) Identidade e discurso: desconstruindo identidades. Campinas: Editora da UNICAMP; Chapecó: Argos Editora Universitária, 2003.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença; 3. ed. São Paulo: Ed. Perspectiva. 2002. Tradução: Maria Beatriz Marques Nizza da Silva, 249p. Coleção Debates.

DERRIDA, Jacques. O monolinguismo do outro: ou a prótese de origem. Trad. Fernanda Bernardo. Porto: Campo das Letras, 1996.

DERRIDA, J [1972]. Posições. Trad. de Maria Margarida C. C. Barahona. Lisboa: Plátano, 1975.

ELIAS, N.; SCOTSON, J. L. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Jahar, 2000.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FREUD, S. [1929] O mal-estar na civilização (Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 21). Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FREUD, S. [1919]. O estranho. Obras completas, ESB, v. XVII. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

HAROCHE. C. “Modèles de comportement et types d’aspirations dans les mouvements de jeunesse em Allemagne (1918/1933)”, in Esprit de Corps, Guglielmi et alii (Org.)., 2005. DOI: https://doi.org/10.3917/puf.gugli.2005.01.0045

KRISTEVA, Julia. Estrangeiros para nós mesmos. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

MARTINI, A. e COELHO JR., N. E. Novas notas sobre “O estranho”. In: Tempo Psicanalítico: Rio de Janeiro, v. 42, n. 2, p. 371-402, 2010.

MATTEI, J. F. A barbárie interior. Ensaio sobre o i-mundo moderno. Tradução de Isabel Maria Loureiro. São Paulo: Editora UNESP, 2002. 363p.

MOTA, I. O.; PEREIRA, A.; NIERO, L. P. Cursinho popular Carolina Maria de Jesus da UFSCar Lagoa do Sino: sujeito, sentido e imaginário . Porto Velho (RO): Revista Igarapé, v.11, n.1, p. 83-96, 2018.

ORLANDI, E. P. Discurso em Análise: sujeito, sentido e ideologia. 2. ed. Campinas, SP: Editora Pontes, 2016.

ORLANDI, E. P. A contrapelo: incursão teórica na tecnologia - discurso eletrônico, escola, cidade. RUA, v.16, n. 2, p. 6-17, 2015. DOI: https://doi.org/10.20396/rua.v16i2.8638816

ORLANDI, E. P. A casa e a rua: uma relação política e social. Revista Educação Realidade, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 693-703, set./dez. 2011.

ORLANDI, E. P. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. P. Análise de Discurso, princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. [1983]. O discurso: estrutura ou acontecimento?. Tradução de Eni P. Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 1990, 68p.

PÊCHEUX, M. “Análise Automática do Discurso.” In: GADET F.; HAK, T. (Org.) (1990). Por uma Análise Automática do Discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Trad. de Eni P. Orlandi. Campinas: Unicamp, 1969.

ROLNIK, Raquel. O que é cidade?. São Paulo: Brasiliense, 1988.

SAFATLE, V. Circuito dos Afetos: Corpos políticos, Desamparo, Fim do Indivíduo. 2 ed. rev.; 2. Reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

Downloads

Publicado

2020-05-15

Como Citar

MOTA, I. de O. . Relações entre sujeitos em Campina do Monte Alegre após a implantação da UFSCar. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8659645. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8659645. Acesso em: 26 jan. 2023.

Edição

Seção

Estudos