Ativismo e performance

aspectos da aliança dos corpos nas ruas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8660002

Palavras-chave:

Ativismo urbano, Performance, Repertório, Complexo do alemão

Resumo

Estudos recentes invocam o termo performance para se referir à manifestações políticas realizadas em espaços públicos que transformam consideravelmente formas tradicionais de protestos. O objetivo deste artigo é discutir parte da literatura a esse respeito, pois consideramos a performance uma noção reveladora do caráter simbólico e cultural identificado em ciclo recente de ativismo urbano ocorrido em metrópoles brasileiras. O termo é abordado a partir de uma angulação teórico-empírica. Parte-se de estudos sobre as facetas simbólica e cultural das manifestações políticas em Charles Tilly e Judith Butler. Em seguida, tratamos de coletivos urbanos que surgiram em favelas do Rio de Janeiro entre 2011 e 2015, cujas demandas envolviam melhor compartilhamento dos benefícios da urbanização, a reafirmação do caráter público dos espaços e seu pleno usufruto. Espera-se que esta discussão ajude a compreender possíveis avanços e limitações face a potência do ativismo performático como fonte questionadora da prática urbanística.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Henrique de Lima, Universidade de Brasília

Doutor em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília.

Referências

ALONSO, Angela. As teorias dos movimentos sociais: um balanço do debate. Lua Nova, São Paulo, n. 76, p. 49-86, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452009000100003

ALONSO, Angela. Repertório segundo Charles Tilly: a história de um conceito. Sociologia & antropologia, v. 2, n. 3, p. 21-41, 2012. DOI: https://doi.org/10.1590/2238-38752012v232

BOTELHO, Maurilio. Crise urbana no Rio de Janeiro: favelização e empreendedo-rismo dos pobres. In: BRITO, F. et. al. (Org). Até o último Homem: visões cariocas da administração armada da vida social. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 169-213.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: Notas sobre uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

ESPÓSITO GALARCE, F. COUTINHO, R. Apropiación, uso y abandono de los espacios residuales provocados por el teleférico del Complexo do Alemão, Río de Janeiro. Arquitetura Revista, v. 12, n. 1, p. 11-23, jan./jun., 2016. DOI: https://doi.org/10.4013/arq.2016.121.02

FACINA, Adriana. Sobreviver e sonhar: reflexões sobre cultura e “pacificação” no Complexo do Alemão. In: Academia.edu, 2013. Disponível em: https://academia.edu/9771147. Acesso em: 30. 01. 2020.

GOHN, M. da G. Manifestações de Junho de 2013 no Brasil e praças dos indignados no mundo. Petrópolis: Vozes, 2014.

McADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Dynamics of Contention. Nova Iorque: Cambridge University Press, 2001. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511805431

SOUZA, Marcelo Lopes de; RODRIGUES, Glauco B. Planejamento urbano e ativismos sociais. São Paulo: UNESP, 2004.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. A cidade neoliberal: crise societária e caminhos da ação. In OSAL, Observatório Social de América Latina, v. 3, n. 21, p. 23-32, set./dez., 2006.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. A Homens Lentos, Opacidades e Rugosidades. In: Redobra, v. 3, n. 9. Salvador: EDUFBA, 2012.

RIBEIRO, Ana Clara Torres. A Teorias da Ação. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2014.

TILLY, Charles. Contentious performances. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511804366

Downloads

Publicado

2020-06-10

Como Citar

LIMA, C. H. de. Ativismo e performance: aspectos da aliança dos corpos nas ruas. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8660002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8660002. Acesso em: 6 jul. 2022.

Edição

Seção

Estudos