Banner Portal
Cartografias [des]veladas
PDF

Palavras-chave

Cidade
Espaço residual
Estigma
Estado de exceção

Como Citar

ESPÓSITO GALARCE, Fernando; LINARES, Federica. Cartografias [des]veladas: situações de residualidade urbana. O caso do Morro do Castelo. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 1, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i1.8660216. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8660216. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

A existência de “espaços residuais” internos à cidade mostra que a narrativa urbana não considera todas as situações em seus mapeamentos. O trabalho busca refletir sobre essa categoria de espaço, produto não da memória, mas da ausência desta. Entende-se que o conceito de residualidade manifesta uma interferência física e espacial das relações “não recomendadas” entre normais e estranhos no espaço. A intenção é analisar como tais posturas reproduzem na cidade “territórios ausentes”. A partir destas relações, conclui-se que essas não-presenças, mantidas inconformadamente nos interstícios urbanos, representam estados de exceção da própria cidade e, portanto, apesar de reprimidos, são parte integrante do funcionamento sócio-político dela. Este fenômeno é observado na área do antigo Morro do Castelo, Rio de Janeiro.

https://doi.org/10.20396/rua.v26i1.8660216
PDF

Referências

AGACHE, A. Cidade do Rio de Janeiro: Extensão- Remodelação-Embellezamento. Paris: Foyer Brésilien, 1930. Disponível em: http://planourbano.rio.rj.gov.br.

ANTUNES, Paranhos. Coleção cidade do Rio de Janeiro: Estudos de história carioca. Rio de Janeiro, Prefeitura do Distrito Federal Secretaria-Geral de Educação e Cultura, [19--?].

AGAMBEN, Giorgio. Estado de Exceção. Tradução de Iraci D.Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004, p.1-49.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor Ltda, 2001.

BLOG MITOLOGIA. O Leito de Procusto. Disponível em: https://mitologica.blogs.sapo.pt/o-leito-de-procusto-304.

FREUD, Sigmund. O inquietante. In: FREUD, Sigmund. Obras completas v. 14, p. 1917-1920.Tradução de Paulo C. de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2010.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. Formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. Pernambuco: Global Editora, 2003.

HAESBAERT, Rogério. Viver no-limite. Território e multi/transterritorialidade em tempos de in-segurança e contenção. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HAESBAERT, Rogério. O Mito da desterritorialização. Do “Fim dos Territórios” à Multiterritorialidade.Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2016.

LEYVA, Nicolás. ”Estado de excepción” el barrio de Santa Fe de la ciudad de Bogotá. Conferencia internacional Santiago Chile: MUEY proyecto, 2017.

MENEZ, Alexsandro. Civilização versus barbárie: a destruição do morro do Castelo no Rio de Janeiro (1905-1922). Revista Historiador, v. 6, n. 6, 2014. Disponível em: http://www.historialivre.com/revistahistoriador.

SIQUEIRA, R; CARDOSO, H. O conceito de estigma como processo social: uma aproximação teórica a partir da literatura norte-americana. São Paulo: FAPESP, 2011.

ROSSI, Aldo. A arquitetura da cidade. São Paulo: Ed. Martins Fontes, 2001.

ROSSO, Giovanna. O Rio de Janeiro de Pereira Passos: uma cidade em questão ll, 1985. 347p.

SOLÀ-MORALES, Ignasi. Territórios. Barcelona: Ed. Gustavo Gili, 2002.

VIDLER, Anthony. Uma teoria sobre o estranhamente familiar. In: NESBITT, Kate. Uma nova agenda para arquitetura. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

VIDLER, Anthony. The architectural uncanny: essays in the modern unhomely. Cambridge: MIT Press, 1992.

O periódico RUA utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.