Por uma nova flânerie

um olhar para Fortaleza a partir de viagens nos transportes públicos urbanos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i2.8663423

Palavras-chave:

Cotidiano, Flânerie, Fortaleza, Ônibus

Resumo

A pesquisa versa sobre a possibilidade de fazer flânerie a partir de viagens em transportes coletivos urbanos e, assim, obter um olhar diferente para a cidade, suas histórias e habitantes. Para tal, percorremos uma trajetória rumo ao século XIX parisiense e encontramos no flâneur do período, descrito pelas obras de Walter Benjamin (1994), um fazer semelhante ao de nossas investigações sobre a capital cearense, realizado do interior do ônibus Grande Circular I (151). Assim, para além de uma análise dos aspectos urbanísticos de Fortaleza, nos interessa uma reflexão sobre o cotidiano (CERTEAU, 2012; BLANCHOT, 2007) das localidades por onde transitamos, bem como as interações estabelecidas (CAIAFA, 2002, 2004) entre os passageiros e deles com o espaço que nos avizinha e acompanha durante toda a jornada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosana Roseo Batista, Universidade Federal do Ceará

Mestranda em Comunicação no Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará.

Sílvia Helena Belmino, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Comunicação pela Universidade de Brasília. Professora associada do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e do Curso de Publicidade e Propaganda do Instituto de Cultura e Arte (ICA) da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ANUÁRIO DO CEARÁ 2019 - 2020. Índice de Desenvolvimento Humano - Fortaleza (2010). Disponível em: http://www.anuariodoceara.com.br/indice-bairros-fortaleza/. Acesso em: 20 de fev. 2020.

BELMINO, Sílvia Helena. Sinta na pele esta magia: a propaganda turística do Ceará (1987-1994). Fortaleza: Imprensa Universitária, 2018.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. 2. ed. Trad. José Carlos Martins Barbosa; Hemerson Alves Baptista. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, 3).

BLANCHOT, Maurice. A fala cotidiana. In: BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 2: a experiência limite. São Paulo: Escuta, 2007.

CAIAFA, Janice. Jornadas urbanas. Exclusão, trabalho e subjetividade nas viagens de ônibus na cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

CAIAFA, Janice. Conversações. Contracampo (UFF), Niterói, RJ, v. 10/11, p. 169-184, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. Artes de fazer. Petropólis: Vozes, 2012.

MACIEL. Wellington Ricardo Nogueira. Tempos e Espaços da Praia do Futuro: usos e classificações de uma zona liminar. Tese (Doutorado em Sociologia) - Universidade Federal do Ceará. Fortaleza, p. 241. 2011.

PONTUAL, Virgínia; LEITE, Julieta. Da cidade real à cidade digital: a flânerie como uma experiência espacial na metrópole do século XIX e no ciberespaço do século XXI. Revista FAMECOS: mídia, cultura e tecnologia, núm. 30, agosto, 2006, pp. 99-105.

PREFEITURA DE FORTALEZA. Ônibus e vans. Disponível em: https://mobilidade.fortaleza.ce.gov.br/transporte/%C3%B4nibus-e-vans.html. Acesso em: 17 de fev. 2020.

Priori, Mary Del. História do cotidiano e da vida privada. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo. Domínios da História. Ensaios de teoria e de metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ROUANET, Sérgio Paulo. É a cidade que habita os homens ou são eles que moram nela? Revista USP. Dossiê Walter Benjamin. São Paulo, n.15, p.49-72, set-nov. 1992.

UNIFOR. Fundação Edson Queiroz. Disponível em: https://www.unifor.br/fundacao-edson-queiroz. Acesso em: 14 de fev. 2020.

UNITED NATIONS. Population. Disponível em: https://www.un.org/en/sections/issues-depth/population/index.html. Acesso em: 15 de fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

BATISTA, R. R. .; BELMINO, S. H. . Por uma nova flânerie: um olhar para Fortaleza a partir de viagens nos transportes públicos urbanos . RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 2, p. 411–428, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i2.8663423. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8663423. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Estudos