Maldonado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v26i2.8663445

Palavras-chave:

Maldonado, Foto-colagem

Resumo

O corpo de Salvador Maldonado ficou desaparecido por dois meses, depois de o jovem de 28 anos ter participado de um protesto em defesa da comunidade mapuche Pu Lof em Resistência, na comuna rural de Cushamen, a 1º de agosto de 2017. No dia 17 de outubro daquele ano, porém, o ativista foi encontrado sem vida no rio Chubut, próximo ao local onde a polícia nacional (“gendarmería”) havia repreendido, de forma truculenta, o ato mapuche, em agosto. A partir daí, o debate público, as organizações sociais e a família de Maldonado cobraram investigação do governo nesse caso, que mostra luzes/sombras do poder, frente aos direitos humanos (BARBUTO, 2017). Sustentada por peritos, a versão oficial para a morte do ativista é de afogamento, negando, portanto, a repressão violenta dos policiais e a responsabilidade do Estado.

O desaparecimento e a morte de Maldonado ressoaram em diversas mobilizações sociais no segundo semestre de 2017 na Argentina, viabilizando, entre outros, o ativismo artístico (CAPASSO, BUGNONE, 2019). Ao mesmo tempo, a “inscrição” do militante em fotografias/cartazes de  movimentos sociais no espaço urbano marca, segundo Catela (2019), o cenário violento da relação entre Estado e povos originários, como os mapuches, e, também, remete aos regimes autoritários, na história recente da América Latina e, em especial, a da Argentina.

Há três anos da desaparição/morte de Maldonado, inicio esta série de foto-colagens com a Imagem 1, sobre cartazes afixados nas paredes de Buenos Aires, capital argentina. Nela, vemos fragmentos de dois anúncios, parcialmente rasgados, nos quais lemos “aparición con vida ya de Santiago Maldonado” e “el gobierno y el Estado son responsables”. Em ambos, reproduz-se, em desdobramento, uma fotografia de um cartaz de manifestação pela vida do mapuche (no canto superior, à direita) e uma imagem contrastada dele (no canto inferior, à esquerda). A esta foto-colagem chamo, a princípio, de “abstrata”, porque mostra esse funcionamento de desdobramento do cartaz, que remete a outros cartazes/dizeres, dentro de certa memória do ativismo latino-americano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Brito, Univerisdade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BARBUTO, Valeria. Derechos humanos y democracia en Argentina: desafíos de una agenda de futuro. Salud Colect, outubro-dezembro de 2017.

CAPASSO, Verónica Cecilia; BUGNONE, Ana Liza. Activismo artístico y memoria: el caso de la desaparición de Santiago Maldonado. Cuadernos de Música, Artes Visuales y Artes Escénicas, v. 14, n. 2, 2019.

CATELA, Ludmila Da Silva. Mirar, desaparecer, morir. Reflexiones en torno al uso de la fotografía y los cuerpos como espacios de inscripción de la violencia. Clepsidra. Revista Interdisciplinaria de Estudios sobre Memoria, v. 6, n. 11, março de 2019, pp 36-51.

ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.). Cidade atravessada: os sentidos públicos no espaço urbano. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Cidade dos sentidos. Campinas: Pontes Editores, 2004.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Efeitos do verbal sobre o não-verbal. RUA, v. 1, n. 1, p. 35-47, 10 jun. 2005.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Como Citar

BRITO, V. Maldonado. RUA, Campinas, SP, v. 26, n. 2, 2020. DOI: 10.20396/rua.v26i2.8663445. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8663445. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

Artes