Epidemias e as cidades como síntese do progresso e das desigualdades

o conhecimento técnico-científico e a morfologia urbana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27iI.8665678

Palavras-chave:

Urbanismo higienista, História da ciência, Isolamento, Saúde pública, Epidemias, Covid-19

Resumo

O artigo propõe elaborar uma análise da história do enfrentamento técnico-científico de epidemias do final do século XIX até as duas primeiras décadas do XX. O espaço urbano, território de expansão do capitalismo, de investimentos dos detentores de excedentes de capital, apresenta assimetrias socioeconômicas que potencializam epidemias e escancaravam desigualdades sociais. A partir da sistematização de fontes documentais e bibliográficas apresentaremos o cenário urbano em que se deram as principais epidemias de febre amarela, varíola e, atualmente, o Covid-19. A morfologia urbana, o desenho da cidade e as desigualdades sociais e de acesso à terra urbanizada são as pedras angulares de nossas análises no presente artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Alberto Toledo, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Pesquisador de pós-doutorado pela Universidade Estadual de Campinas. Professor visitante vinculado ao Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas.

Rafael de Brito Dias, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Política Científica e Tecnológica pela Universidade Estadual de Campinas. Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas pela Universidade Estadual de Campinas. 

Oswaldo Gonçalves Junior, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Administração Pública e Governo pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo. Professor da Faculdade de Ciências Aplicadas pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

BENEVOLO, Leonardo. História da cidade. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BIJKER, Wiebe. The Social Construction of Bakelite. Toward a Theory of Innovation. In: BIJKER, Wiebe; HUGHES, Thomas & PINCH, Trevor (Eds.) The Social Construction of Sociotechnical Systems. New Directions in the Sociology and History of Technology. Cambridge, EUA: The MIT Press, 1987.

CALMON, Pedro. História social do Brasil. Espírito da sociedade imperial. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

CODES, FRANÇAIS. Annotés de la doctrine, de la jurisprudence et de la legislation. Journal du Palais. Tome Primier. Paris, 1843. Art. 2134-2145. Liv.III.Tit.XVIII – Des priviléges et Hypotheques, p. 1171.

CAMPOS, Cristina de. São Paulo pela lente da higiene: as propostas de Geraldo Horácio de Paula Souza para a cidade (1925-1945). São Carlos-SP: Rima, 2002.

DEAN, Warren. A industrialização de São Paulo (1880-1925). São Paulo: Bertrand Brasil, 1991.

DÉCRETS DU 1¬er février 1850 – Origene dans les différens Conseil d’hygiene publique et de salubrité. Codes Français, Journal du Palais. Tome Primier. Paris, 1843.

ENGELS, Friedrich. Do socialismo utópico ao socialismo científico. Fonte Digital Rocket Editon, 1999 [1877]. Disponível em: http://www.jahr.org. Acesso em: set de 2019.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 2008.

FERNANDES, Florestan. A Revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981

FOLLIS, Fransérgio. Mito e história de um posseiro do Brasil Colonial nos Sertões de Araraquara. In: Revista de História Regional, Vol. 21, N.1, pp.148-169, 2016.

FRÚGOLI JÚNIOR, Heitor. Centralidade em São Paulo. São Paulo: Cortez Edusp, 2000.

HOBSBAWM, Eric. A era do capital. 1848-1875. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HUGHES, Thomas. The Evolution of Large Technological Systems. In: BIJKER, Wiebe; HUGHES, Thomas & PINCH, Trevor (Eds.) The Social Construction of Sociotechnical Systems. New Directions in the Sociology and History of Technology. Cambridge, EUA: The MIT Press. 1989.

INOUE, Luciana Massami. Fim da linha? Vilas ferroviárias da Companhia Paulista (1868-1961): uma investigação sobre história e preservação. Tese (Doutorado - Área de Concentração: História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo) – FAUUSP. São Paulo, 2016.

LOBATO, Monteiro. Cidades mortas (contos e impressões). São Paulo. In: Revista do Brasil, 1919.

MASTROMAURO, Giovana Carla. Alguns casos da saúde públia e do urbanismo higienista no final do século XIX. In: Caderno de História da Ciência. Vol.6, N.2. São Paulo, Jul/Dez, 2010.

MUNFORD, Louis. A condição de Homem. Uma análise dos propósitos e fins do desenvolvimento humano. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1958.

PINTO, Adolpho Augusto. História da viação pública de São Paulo. São Paulo [sem editora], 1903.

TEIXEIRA, Roseane Siqueira. Imigrantes italianos e a Società Italiani Uniti: algumas considerações preliminares. In: Revista História Unisinos, v. 11, n. 1. p. 58-71, 2007.

TELLAROLLI, Rodolfo. Poder local na República Velha. São Paulo: Editora Nacional, 1977.

TOLEDO, Rodrigo Alberto. Políticas públicas e gestão cidadã. São Carlos-SP: Rima, 2012.

TOLEDO, Rodrigo Alberto. Trajetórias do planejamento urbano. São Carlos-SP: Rima, 2014.

TOLEDO, Rodrigo Alberto. [TEXTO elaborado para aula ministrada da Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Ciênias Aplicadas – Limeira - SP]. Os caminhos e descaminhos da democratização das políticas urbanas: o que há de novo no Brasil contemporâneo. Limeira, São Paulo, 2020.

VASQUEZ, Pedro Karp. Ferrovia e fotografia no Brasil da Primeira República. São Paulo: Metalivros, 2008.

Downloads

Publicado

2021-05-18

Como Citar

TOLEDO, R. A. .; DIAS, R. de B. .; GONÇALVES JUNIOR, O. Epidemias e as cidades como síntese do progresso e das desigualdades: o conhecimento técnico-científico e a morfologia urbana. RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 5–32, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27iI.8665678. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8665678. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Estudos