As doses homeopáticas do jornalismo

um discurso contra as fake News

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27iI.8665840

Palavras-chave:

Fake news, Checagem de fatos, Jornalismo, Análise de discurso

Resumo

A temática sobre as fake news tem sido recorrente nos últimos anos, tanto na área de comunicação, quanto na de linguagem. Aqui, o objetivo é analisar o funcionamento discursivo que imbrica jornalismo e capitalismo na relação com as fake news, tomando como mote o artigo “Desconstruindo as fake news: o trabalho das agências de fact-checking”, de Gilberto Scofield Jr. A partir da Análise de discurso de perspectiva materialista, apresento uma discussão sobre o posicionamento do jornalismo contra as fake news, especificamente o modo como o discurso de checagem de fatos se constitui a partir da (re)tomada e de uma tentativa de afastamento do discurso jornalístico “tradicional”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Santos de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. 

Referências

BARBOSA, Mariana (Org.). Pós-verdade e fake news: reflexõse sobre a guerra de narrativas. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

BUCCI, Eugênio. News não são fake – e fake news não são news. In: Pós-verdade e fake news: reflexões sobre a guerra de narrativas. BARBOSA, Mariana (Org.). Rio de Janeiro: Cobogó, 2019, pp. 37-48.

DELA-SILVA, Silmara. “Checar fatos e desmentir boatos”: fake news e discurso jornalístico no Brasil. Fórum Linguístico, Florianópolis, no prelo.

FREGE, Gottlob. [1879]. Lógica e filosofia da linguagem. 2. ed. Tradução de Paulo Alcofarado. São Paulo: Edusp, 2009.

GADET, Françoise et al. Apresentação da conjuntura em linguística, em psicanálise e em informática aplicada ao etudo dos textos na França, em 1969. Tradução de Lourenço C. Filho e Manoel Gonçalves. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora Unicamp, 2010, p. 39-58.

HENRY, Paul. [1975]. Construções relativas e articulações discursivas. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 19, p. 43-64, jul./dez. 1990.

JAKOBSON, Roman. [1963]. Linguística e comunicação. 22. ed. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2010.

MALDIDIER, Denise. A inquietação do discurso: (re)ler Michel Pecheux hoje. Tradução de Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 2003.

MALDIDIER, Denise; NORMAND, Claudine; ROBIN, Régine. Discurso e ideologia: bases para uma pesquisa. Tradução de Bethania Mariani. In: ORLANDI, Eni (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso.

MARCONDES FILHO, Ciro. Ser jornalista: a língua como bárbarie e anotícia como mercadoria. São Paulo: Paulus, 2009. (Coleção comunicação).

MARX, Karl. [1852]. O 18 de brumário de Luís Bonaparte. Tradução e notas de Nélio Schneider. São Paulo. Boitempo, 2011.

MARX, Karl. [1867]. O capital: livro I. 2. ed. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2017.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. [1846]. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. Tradução de Rubens Enderle et. al. São Paulo: Boitempo, 2007.

OLIVEIRA, Eduardo Santos de. O guardião do dizer “verdadeiro”: jornalismo,

argumentação e fake news. Revista Linguasagem, São Carlos, v. 34, Número Temático,

jan./jun. 2020, p. 74-89.

ORLANDI, Eni. Dscurso e texto: formulação e circulação de sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 11. ed. Campinas: Pontes, 2013.

PÊCHEUX, Michel. Análise automática do discurso (AAD-69). [1969]. Tradução de Eni Orlandi. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora Unicamp, 2010, p. 59-158.

PÊCHEUX, Michel [1975]. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Pulcinelli Orlandi et. al. Campinas: Editora Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, Michel; FUCHS, Catherine [1975]. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas (1975). Tradução de Péricles Cunha. In: GADET, Françoise; HAK, Tony. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora Unicamp, 2010, p. 159-249.

PICCININ, Fabiana. A sedução das fake news em tempos de covid-19: anatomia narrativa e pós-verdade.

RASPE, Rudolf Erich. Aventuras maravilhosas do celeberrimo Barão de Munchhausen. Rio de Janeiro: Laemmert & C, 1902.

SANTAELLA, Lúcia. A pós-verdade é verdadeira ou falsa? Barueri: Estação das Letras e Cores: 2018.

SCOFIELD JR., Gilberto. Desconstruindo as fake news: o trabalho das agências de fact-checking. In: BARBOSA, Mariana (Org.). Pós-verdade e fake news: reflexõse sobre a guerra de narrativas. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019, p. 59-68.

VOGT, Carlos. Pós-verdade e pós-falsidade. ComCiência, n. 186 (Dossiê pós-verdade), mar. 2017.

ZOPPI FONTANA, Mónica Graciela. Pós-verdade: léxico, enunciação e política. In: OLIVEIRA, Rosimar R. Rodrigues; OLIVEIRA, Sheila Elias de; RODRIGUES, Marlon Leal; KARIM, Taisir Mahmudo (Org.). Linguagem e significação: práticas sociais. Campinas, SP: Pontes, 2018, p. 113-166.

Downloads

Publicado

2021-05-31

Como Citar

OLIVEIRA, E. S. de . As doses homeopáticas do jornalismo: um discurso contra as fake News. RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 57–78, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27iI.8665840. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8665840. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Estudos