“Fora haole” e “no bike”

notas etnográficas de uma pista pública de Skate no ano de 2020

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27iI.8666042

Palavras-chave:

Esporte, Skate, Notas etnográficas

Resumo

Cidades são os melhores exemplos de nossa complexa humanidade. Unir estudos sobre a cidade e a etnografia tem sido objeto de reflexão sobre como nossa sociedade se reconhece, planeja e circula através dos diferentes equipamentos públicos. O objetivo dessa pesquisa é compreender os mecanismos de socialização de praticantes de Skate em uma pista pública. Ao fazermos isso, queremos contribuir com a área dos estudos etnográficos que tratam como investigação o cotidiano de lazer das grandes cidades e do seu processo de urbanização. Como resultado apresentamos as categorias de análise que estão relacionadas à legitimidade de circulação através da capacidade do skatista em realizar manobras nesse ambiente, dos relacionamentos interpessoais que constituem a possibilidade de terem seus feitos registrados e das estratégias para a melhor utilização do ambiente e da busca de conforto ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeferson Roberto Rojo, Universidade Estadual de Maringá

Doutorando em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM/UEL). Professor Assistente da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Carlos Henrique de Vasconcellos Ribeiro, Universidade Santa Úrsula

Doutor em Educação Física pela Universidade Gama Filho. Coordenador do Curso de Bacharelado em Educação Física da Universidade Santa Úrsula.

Erik Giuseppe Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Ciências do Exercício e do Esporte pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor na Graduação e no Programa de Mestrado e Doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Líder do Grupo de Estudos em Corpo, Esporte e Sociedade, o GECOS e do Laboratório de Estudos Corpo, Esporte e Sociedade, o LAbCOESO (Brasil).

Referências

BITENCOURT, V.; AMORIM, S. Atlas do esporte no Brasil. Atlas do Esporte, Educação física e atividades físicas de saúde e lazer no Brasil. Organização de Lamartine Dacosta. Rio de Janeiro: Shape, 2005.

BOURDIEU, Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.

BRANDÃO, Leonardo. Corpos deslizantes, corpos desviantes: a prática do Skate e suas representações no espaço urbano (1972-1989). 2007. 139 f. Dissertação (Mestrado) –Faculdade de Ciências Humanas, Universidade da Grande Dourados, Dourados, 2007.

BRANDÃO, Leonardo. Esportes de ação: notas para uma pesquisa acadêmica. Rev. Bras. Cienc. Esporte, Campinas, v. 32, n. 1, p. 59-73, setembro 2010.

BRANDÃO, Leonardo. “Entre a marginalização e a esportivização: elementos para uma história da juventude skatista no Brasil”. Recorde: Revista de História de Esporte, v.1, n° 2, dezembro de 2008.

CÁSSARO, Elizandro Ricardo. Percepção dos praticantes de Skate quanto ao processo de reurbanização de um equipamento específico de lazer e suas relações com a modalidade. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação Física) – Centro Universitário em Maringá, Maringá, 2005.

COSTA, Maria Regina de Menezes. Aventura e risco no Skateboard – street: um estudo do imaginário social de jovens skatistas. 2004. 124 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Gama Filho, Rio de Janeiro, 2004.

DAMATTA, Roberto. Fé em Deus e pé na tábua: ou como e por que o trânsito enlouquece no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco. 2010. 191 p.

DAMO, Arlei Sander. Monopólio estético e diversidade configuracional no futebol brasileiro. Movimento, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 129-156, 2003.

HOBSBAWM, Eric. Tempos fraturados: cultura e sociedade no século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

LAURO, Flávio Antônio Ascânio. Skate de vilão à mocinho. In: V CONGRESSO BRASILEIRO DE ATIVIDADES DE AVENTURA (CBAA). Anais... Prefeitura Municipal de São Bernardo do Campo. São Paulo: Lexia, 2010.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro. Skate na cidade, imagens da cidade. Ponto Urbe [Online], 10 | 2012. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/305. DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.305.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro; SPAGGIARI, Enrico. Agenciamentos políticos e práticas esportivas em São Paulo: notas etnográficas. PontoUrbe [Online],14 | 2014, Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/1625; DOI: https://doi.org/10.4000/pontourbe.1625.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, no 49, 2002.

MYSKIW, Mauro; MARIANTE NETO, Flávio Py Mariante, STIGGER, Marco Paulo. Jogando com as violências no esporte: notas etnográficas sobre o ‘guri’ e o ‘nego véio da várzea’. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 4., p. 889-902, out./dez. de 2015.

ALVES NETO, Celso Sena. O Pico dos surfistas e os surfistas do Pico. Sociabilidade, territorialidade e surfe na Vila dos Peixes. 2011. 125f. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia) – Curso de Ciências Sociais, UFSC, Florianópolis, 2011.

NEVES, Thiago Zanoni; FERREIRA, Israel Manta; PINHEIRO, Ana Carolina de Lima; PINHEIRO, William Gomes da Silva. Prevalência de lesões em skatistas profissionais da modalidade Street Skate. 2008. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) – Faculdades Integradas de Ciências Humanas Saúde e Educação de Guarulhos, Guarulhos, 2008.

OLIVEIRA, Rogério Massarotto de; PIMENTEL, Giuliano Gomes de Assis. Fatores associados à prática do Skate. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte – v. 14, n. 2, 2015, p. 110-119.

OLIVEIRA, Rogério Cruz de DAÓLIO, Jocimar. Pesquisa etnográfica em Educação Física: um (re)leitura possível. Revista Brasileira Ciência e Movimento, [s.l], v. 15, n. 1, p. 137-143, 2007.

PACHECO, Ariane Corrêa; SILVEIRA, Raquel da; STIGGER, Marco Paulo. Etnografias: notas sobre percursos teóricos-metodológicos de produção de conhecimento na Educação Física. Motrivivência, Florianópolis, v. 32, n. 61, p. 01-15, janeiro/março, 2020.

POCIELLO, Christian. Os desafios da leveza: as práticas corporais em mutação. In SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. (Org.). Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Editora Estação Liberdade: p. 115 – 120, 1995

Prefeitura da Cidade de Niterói. Empresa de Turismo S/A. Disponível em: http://www.visit.niteroi.br/Skate-park-sao-francisco/. Acesso em: 05 de outubro de 2020.

RIGO, Luiz Carlos. Memórias de um futebol de fronteira. Pelotas: Editora Universitária UFPel, 2004.

STIGGER, Marco Paulo. Esporte, lazer e estilos de vida: um estudo etnográfico. Campinas: Autores Associados, 2002.

UVINHA, Ricardo Ricci. Juventude, lazer e esportes radicais. São Paulo: Manole. 2001.

VIGARELLO, G. Treinar. In: CORBAIN, Alain; COURTINE, Jean-Jacques; VIGARELLO, Georges (Coord.). História do corpo: as mutações do olhar: o século XX. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 197-250.

Downloads

Publicado

2021-06-16

Como Citar

ROJO, J. R. .; RIBEIRO, C. H. de V. .; PEREIRA, E. G. . “Fora haole” e “no bike”: notas etnográficas de uma pista pública de Skate no ano de 2020. RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 1, p. 131–148, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27iI.8666042. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8666042. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Estudos