Vista parcial (das ruas) de São Paulo em Eles eram muitos cavalos de Luiz Ruffato

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27i2.8667741

Palavras-chave:

Metrópole, Rua, Degradação, Fragmentação

Resumo

A partir dos deslocamentos de personagens pela metrópole de São Paulo no dia 9 de maio de 2000 nos episódios de Eles eram muitos cavalos, de Ruffato, publicado em 2001 e reeditado, após doze anos, pela Companhia das Letras, o artigo objetiva analisar a representação da capital paulista sob o viés da rua. De acordo com a perspectiva de Carlos (2007) e de DaMatta (1997), a rua será considerada não mais como lugar do estar e sim enquanto lugar de passagem e de encontro, de fluidez e de movimento, mas que também admite outros usos, até mesmo no transcurso de um único dia. Dessa forma, percebe-se que há uma fusão entre a degradação urbana presente nas labirínticas ruas de São Paulo, a caracterização de personagens ruffatianos e a estrutura fragmentada das narrativas e do livro como um todo.    

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Galvão de Souza, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Letras – Estudos Literários da Universidade Federal de Juiz de Fora pela Universidade Federal de Juiz de Fora.

Humberto Fois-Braga, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutor em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Letras daUniversidade Federal de Juiz de Fora. Professor do Departamento de Turismo e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. 

Referências

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. Trad. Ivan Junqueira. Ed. especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito da História”. In.: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987. p. 222-232. (Obras escolhidas, 1)

BENJAMIN, Walter . Charles Baudelaire: um lírico no auge do capitalismo. 2. ed. Trad. José Carlos Martins Barbosa; Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1994. (Obras escolhidas, 3).

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: Crime, segregação e cidadania em São Paulo. 2 ed. São Paulo: 34: Edusp, 2003.

CARLOS, Ana Fani Alessandri. O lugar no/do mundo. São Paulo: FFLCH, 2007.

CERQUEIRA, Rodrigo da Silva. Um escritor excepcional, uma obra de exceção: o Inferno provisório e as movimentações de Luiz Ruffato no campo literário brasileiro. 2016. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/3111. Acesso em: 28 set. 2019.

DALCASTAGNÈ, Regina. Pelas margens da cidade: exclusão e silenciamento em Samuel Rawet e Luiz Ruffato. Itinerários, Araraquara, n. 32, p.15-25, jan./jun. 2011. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/view/4573 Acesso em: 01 set. 2019.

DALCASTAGNÈ, Regina. Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. Vinhedo: Horizonte, 2012.

DAMATTA, Roberto. Espaço – casa, rua e outro mundo: o caso do Brasil. In: DAMATTA, Roberto. A casa & a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 5-45.

GOMES, Renato Cordeiro. O livro de registro da cidade. In: GOMES, Renato Cordeiro. Todas as Cidades, a Cidade: Literatura e Experiência Urbana. Prefácio de Eneida Maria de Souza. Ed. ampl. Rio de Janeiro: Rocco, 2008. p. 23-40.

HOSSNE, Andrea Saad. Acumulação e desestabilização da forma na narrativa brasileira atual. Teresa, São Paulo, n. 10-11, p. 164-171, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/ teresa/article/view/116856/114396. Acesso em: 08 jan. 2020.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. 34. ed. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

LUKÁCS, Georg. “Narrar ou descrever”. Trad. Giseh Vianna Konder. In.: LUKÁCS, Georg. Ensaios sobre a literatura. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1965. p. 43-94.

RUFFATO, Luiz. Para Ruffato, “busca pela felicidade apodrece tudo”. Entrevista concedida a Cassiano Elek Machado. Folha de São Paulo - ilustrada, São Paulo, mar. 2005. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ fsp/ilustrad/fq1903200507.htm. Acesso em: 10 jan. 2020.

RUFFATO, Luiz. Eles eram muitos cavalos. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

SCHOLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2009.

SÜSSEKIND, Flora. “Objetos verbais não identificados: um ensaio de Flora Süssekind”. O Globo, 2013. Disponível em: https://blogs.oglobo.globo.com/prosa/post/objetos-verbais-nao-identificados-um-ensaio-de-flora-sussekind-510390.html. Acesso em: 13 jan. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

SOUZA, C. G. de .; FOIS-BRAGA, H. Vista parcial (das ruas) de São Paulo em Eles eram muitos cavalos de Luiz Ruffato. RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 375–386, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27i2.8667741. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8667741. Acesso em: 28 jan. 2023.

Edição

Seção

Estudos