Completude e oscilações do olhar

performance de Iemanjá à beira mar do Rio Vermelho, Salvador-Ba

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v27i2.8667742

Palavras-chave:

Arte, Cidade, Iemanjá, Performance, Rio Vermelho-SSA

Resumo

O presente artigo tem como objetivo trazer considerações sobre a arte na cidade, tendo como recorte de estudo o território afetivo à beira mar do Rio Vermelho, bairro de Salvador, onde ocorrem diversos encontros culturais, considerando a relação sagrada e profana presentes no dia 2 de fevereiro, dia de Iemanjá, e a sua representação imaginária e simbólica no inconsciente coletivo para o povo baiano. Busca-se, através de uma pesquisa qualitativa e estudo de campo realizado através da performance, analisar como a arte se manifesta sendo um “caminho do meio”, assim como perceber as relações entre a cidade, a arte e o sujeito. A arte à beira mar do Rio Vermelho revela as relações do indivíduo que se interpela pela arte, e se influencia pela identidade territorial do espaço e suas narrativas que configuram uma representação para o bairro em épocas festivas. É diante dessa perspectiva que a performance é entendida aqui como uma obra de arte capaz de apreender o olhar do que é ver e ser visto. Nota-se, assim, que através da performance podemos afirmar que a arte é o caminho do meio entre o território e as territorialidades, e ainda elemento oxigenador da realidade através de diferentes perspectivas de olhares que se constituem de maneiras diferentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jurema Castro Couto Caldas, Prefeitura Municipal de Salvador

Mestre em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social pela Universidade Católica do Salvador (UCSAL). Integrante do grupo de pesquisa Temporalidades Urbanas da Universidade Católica do Salvador (UCSAL). Professora de Artes da Prefeitura Municipal de Salvador.

Liliane Vasconcelos, Universidade Católica do Salvador

Doutora em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia. Professora/orientadora pela Universidade Católica do Salvador.

Referências

ARTAUD, Antonin. In: MÈREDIEU. Florence. Eis Antonin Artaud. São Paulo: Perspectiva, 2011

BIRIBA, Ricardo Barreto. Termo recorrente na sua Pedagogia da Performance.

CANCLINI, Garcia Nestor. Imaginários Urbanos. 1. ed. – Buenos Aires: Editorial Universitária de Buenos Aires,1997

CARLSON, Marvin. Performance uma introdução crítica. Tradução de Thaís Flores Nogueira Diniz e Maria Antonieta Pereira. Editora UFMG, Belo Horizonte:, 2010.

DAMASCENO, Tatiana Maria. Nas águas de iemanjá: um estudo das práticas performativas no candomblé e na festa à beira-mar. Tese de doutorado (Artes cênicas). Rio de Janeiro:UFRJ, 2015.

DERRIDA, Jacques. A escritura e a diferença. 4ª ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2019.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos e o que nos olha. Tradução Paulo Neves. São Paulo, Editora 34, 2010.

SALVADOR (Município) Fundação Gregório de Matos. Dossiê de registro especial do patrimônio imaterial: festa de Iemanjá. Salvador: FGV, 2019. Disponível em: http://www.cultura.salvador.ba.gov.br/images/stories/Iemanja/fgm-pms-2019-dossie.festa.iemanja.pdf. Acesso em: 16 jul. 2020.

DURKHEIM, ÉMILE. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. São Paulo: Martins Fontes, 1996

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano. tradução Rogério Fernandes. – São Paulo: Martins Fontes, 1992. – (Tópicos)

FUINI, Lucas Labigalini. Território e territórios na leitura geográfica de Milton Santos. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, Ituiutaba, v. 6, n. 1, p. 253-271, jan./jun. 2015.

HOBSBAWN, Eric e RANGER Terence. A invenção da tradição. 6. ed. – São Paulo: Editora Paz e Terra S.A.,2008

HAROCHEL, Claudine. A vida mental nas grandes cidades contemporâneas diante da aceleração e do lilmitado. In: PECHMAN, Robert. A pretexto de Simmel; cultura e subjetividade na metrópole contemporânea. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2014.

IEMANJÁ: conheça a origem das homenagens a "Rainha do Mar". EBC. 27 mar. 2013. Disponível em: https://memoria.ebc.com.br/cultura/2013/12/iemanja-conheca-a-origem-das-homenagens-de-final-de-ano. Acesso em: 04 jul. 2021

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

JESUS, Liliane Vasconcelos de. Salvador entre o texto e a fala: imaginários da cidade contemporânea. Tese de doutorado (Letras). Salvador: UFBA, 2016

MARIANO, Agnes. A invenção da baianidade. São Paulo: Annablume,2009

MARTINHO, Camile. Festa de Iemanjá é reconhecida como Patrimônio Cultural de Salvador. Metro 1. Salvador, 01 fev. 2020. Metro 1. Disponível: https://www.metro1.com.br/noticias/cidade/86952,festa-de-iemanja-e-reconhecida-como-patrimonio-cultural-de-salvador. Acesso em: 25 out 2021.

MACIEL, Camila. Para além da festividade, Iemanjá é símbolo da luta negra no país. O proseador. 03 fev.2021. Disponivel : https://www.oproseador.com.br/para-alem-da-festividade-iemanja-e-simbolo-da-luta-negra-no-pais/2021 Acesso em: 26 out 2021

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens Urbanas. 3. ed. rev. e ampl. – São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2004

PONTY, Merleau. Fenomenologia da Percepção. Trad.Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo:Martins Fontes,1999

PONTY, Merleau. A arte como “ deiscência do Ser” ed. brás. in: O olho e o espírito: São Paulo: Abril, Coleção Os Pensadores, 1984.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993

RISÉRIO, Antonio. Uma história da cidade da Bahia. 2. ed. –Rio de Janeiro: Editora Versal Editores LTDA,2004

SÀLÁMI,Síríkù; RIBEIRO, Ronilda Iyakemi. Exú e a ordem do universo. São Paulo: Editora Oduduwa, 2011.

SANTOS, Valdeci R. e RIBEIRO, Wallace C. Spinoza, uma filosofia da imanência dos afetos, Kínesis, Vol. XII, n° 33, dezembro 2020, p.198-212. Disponível: https://revistas.marilia.unesp.br/index.php/kinesis/article/view/11358. Acesso em: 19 de out. de 2021

SCHECHNER, Richard.2006. “O que é performance?”, in: Performance studies: na introduccion, second edition. New York & London: Routledge, p.28-51

SCHREIBER Mariana. Iemanjá tem cor? Porque a divindade de origem africana se transformou em mulher branca no Brasil. Folha de São Paulo. 02 fev.2020. Disponível em: https://f5.folha.uol.com.br/voceviu/2020/02/iemanja-tem-cor-por-que-a-divindade-de-origem-africana-se-transformou-em-mulher-branca-no-brasil.shtml. Acesso em: 04 de jul.2021

SILVA, Armando. Imaginários Urbanos,1. ed.- São Paulo: Editora Perspectiva S.A.,2011

SANTOS, Jocélio Teles. O poder da cultura e a cultura do poder: a disputa simbólica da herança cultural negra no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2005

TRIGO, Luciano. A arte existe porque a vida não basta', diz Ferreira Gullar. G1. 26. ago. 2010. Disponível em: http://g1.globo.com/pop-arte/flip/noticia/2010/08/arte-existe-porque-vida-nao-basta-diz-ferreira-gullar.html. Acesso em: 25 de out.2021

WENDEL, Bruno. Festa de Iemanjá agora é Patrimônio Cultural de Salvador. Correio. 01 fev 2020. Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/festa-de-iemanja-agora-e-patrimonio-cultural-de-salvador/ .Acesso em: 04 de jul.2021

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

CALDAS, J. C. C.; VASCONCELOS, L. Completude e oscilações do olhar: performance de Iemanjá à beira mar do Rio Vermelho, Salvador-Ba . RUA, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 387–410, 2021. DOI: 10.20396/rua.v27i2.8667742. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8667742. Acesso em: 3 fev. 2023.

Edição

Seção

Estudos