A “língua da mineração”

produção de sentidos na comunicação midiática da empresa Braskem S.A. em Maceió-AL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v28i1.8670291

Palavras-chave:

Mineração, Crime socioambiental, Efeitos de sentido, Análise de discurso

Resumo

Partindo dos dispositivos teórico-analíticos da Análise de Discurso (AD), o presente artigo aborda o discurso da Braskem S.A. sobre os eventos relacionados ao crime socioambiental praticado por esta empresa de mineração na cidade de Maceió-AL. Por meio da análise de algumas sequências discursivas de natureza verbal e não verbal extraídas de dois folhetos produzidos pela Braskem S.A. e hospedados em sua página na internet, intenta-se compreender os sentidos atribuídos por esta empresa aos acontecimentos em questão, assim como os sentidos produzidos acerca de sua participação nestes eventos. A análise aqui empreendida evidencia que o sujeito-enunciador Braskem S.A., por meio de sua estrutura de comunicação social, faz circular sentidos que a posicionam no lugar de “parceira das comunidades atingidas” e de “parceira do Estado” em suas ações de “assistência” aos afetados pelo crime ambiental. Esses sentidos ainda atribuem uma causalidade “natural” ao afundamento do solo dos bairros de Maceió, o que desresponsabiliza a referida empresa pelas consequências socioambientais da prática de mineração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo dos Santos Nascimento, Universidade Federal de Alagoas

Doutorando em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas.

Helson Flávio da Silva Sobrinho, Universidade Federal de Alagoas

Pós-doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Docente do Programa de Pós-graduação em Linguística e Literatura da Universidade Federal de Alagoas (PPGLL-Ufal).

Referências

ARÁOZ, Horacio. Mineração, genealogia do desastre: o extrativismo na América como origem da modernidade. Tradução de João Pontes. São Paulo: Elefante, 2020.

ARAÚJO, Nailsa; SILVA, Maria das Graças. Economia verde: a nova ofensiva ideológica do ecocapitalismo. Temporalis, Brasília (DF), ano 12, n. 24, p. 127-143, jul.-dez. 2012. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/temporalis/article/view/3128 DOI: https://doi.org/10.22422/2238-1856.2012v12n24p127-143

BRASIL. SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (CPRM). Estudos sobre a instabilidade do terreno nos bairros Pinheiro, Mutange e Bebedouro, Maceió-AL: relatório síntese dos resultados nº 1. Brasília, 2019, vol. 1

CARVALHO, Cícero. Formação histórica de Alagoas. 3ª edição, Maceió: Edufal, 2015.

CAVALCANTE, Joaldo. Salgema: do erro à tragédia. Maceió: Cesmac, 2020.

GALINDO, Abel. Comunicação oral [palestra]. Maceió, 2021.

HARVEY, David. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. Tradução de Jeferson Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. Tradução de Rubens Eduardo Frias, São Paulo: Centauro, 2001.

FERNANDES, Francisco; ARAUJO, Eliane. Mineração no Brasil: crescimento econômico e conflitos ambientais. In: Conflitos ambientais na indústria mineira e metalúrgica. Rio de Janeiro: CETEM/CICP, 2016, p. 65-88. Disponível em: http://mineralis.cetem.gov.br/handle/cetem/1909

LIMA, Fábia. A mineração se reinventa: um estudo sobre o ethos discursivo das mineradoras brasileiras. In: Media & Jornalismo, n. 7, p. 249-261, jan.-jun. 2018. Disponível em: https://impactum-journals.uc.pt/mj/article/view/2183-5462_33_16 DOI: https://doi.org/10.14195/2183-5462_33_16

LIRA, Fernando. Formação da riqueza e da pobreza de Alagoas. Maceió: Edufal, 2007.

LÖWY, Michael. O que é ecossocialismo? 2ª edição, São Paulo: Cortez, 2014.

MARQUES, Welisson. Além dos limiares do texto verbal: imagem e cor em A agonia de um partido. Línguas & Letras, n. 43, v. 19, p. 127-147, 2018. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/linguaseletras/article/view/16275 DOI: https://doi.org/10.5935/1981-4755.20180020

ORLANDI, Eni. Efeitos do verbal sobre o não-verbal. Rua, Campinas, v. 1, p. 35-47, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8638914 DOI: https://doi.org/10.20396/rua.v1i1.8638914

ORLANDI, Eni. Discurso e texto. Campinas-SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso. In: ORLANDI, Eni & LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy (Orgs.). Discurso e textualidade. Campinas-SP: Pontes, 2006.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6ª edição, Campinas-SP: Editora Unicamp, 2007. DOI: https://doi.org/10.7476/9788526814707

ORLANDI, Eni. Terra à vista. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2008.

ORLANDI, Eni. Nota introdutória à tradução brasileira. In: CONEIN, Bernard et al. (Orgs.). Materialidades discursivas. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2016.

ORLANDI, Eni. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 13ª edição, Campinas-SP: Pontes Editores, 2020.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. (Org.). Papel da memória. 2ª edição. Tradução de José Horta Nunes. Campinas-SP: Pontes Editores, 2007

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5ª edição, tradução de Eni Orlandi. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2014.

SAITO, Kohei. O ecossocialismo de Karl Marx: capitalismo, natureza e a crítica inacabada à economia política. Tradução de Pedro Davoglio, São Paulo: Boitempo, 2021.

SERVULO, Albertino. Dialética da natureza em Marx: a crítica ambiental do ecossocialismo. Curitiba: CRV, 2019. DOI: https://doi.org/10.24824/978854444086.5

SILVA SOBRINHO, Helson. O analista de discurso e a práxis sócio-histórica: um gesto de interpretação materialista e dialético. Conexão Letras. Porto Alegre (RS), v. 9, p. 37-50, 2014. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/conexaoletras/article/view/55120 DOI: https://doi.org/10.22456/2594-8962.55120

ZOPPI-FONTANA, Mónica. Lugares de enunciação e discurso. Leitura, Maceió, v. 1, n. 23, p. 15-24. 2019. Disponível em: https://www.seer.ufal.br/index.php/revistaleitura/article/view/7592 DOI: https://doi.org/10.28998/0103-6858.1999n23p15-24

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

NASCIMENTO, P. dos S. .; SILVA SOBRINHO, H. F. da. A “língua da mineração”: produção de sentidos na comunicação midiática da empresa Braskem S.A. em Maceió-AL. RUA, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 5–25, 2022. DOI: 10.20396/rua.v28i1.8670291. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8670291. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos