Skate no pé e spray na mão

nexos entre o skate, graffiti e pich(x)ação nas dinâmicas culturais urbanas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rua.v28i1.8670296

Palavras-chave:

Citadinidade, Graffiti, Skate, Pichação e pixação

Resumo

O objetivo deste artigo centra-se na investigação das ligações entre as práticas de skate, do graffiti e da pichação/pixação à luz do conceito de Citadinidade. As práticas destas três dinâmicas culturais urbanas estabelecem aproximações de jovens por meio de sociabilidades, das linguagens, da corporeidade, das mobilidades e dos novos usos subversivos de equipamentos urbanos em espaços públicos e/ou novas territorialidades. Por meio de etnografia virtual (netnografia) foram coletados casos que materializam e evidenciam trocas simbólicas e imagéticas entre skatistas e artistas urbanos em cidades da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte do Estado de São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Siqueira Martins Domingos, Universidade do Vale do Paraíba

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP.

Fabiana Felix do Amaral e Silva, Universidade do Vale do Paraíba

Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP.

Valéria Regina Zanetti, Universidade do Vale do Paraíba

Mestra em HIstória pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional na Universidade do Vale do Paraíba - UNIVAP.

Referências

AGIER, Michel. Do direito à cidade ao fazer-cidade. O antropólogo, a margem e o centro. Mana [online]. v.21, n.3, 2015. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-93132015v21n3p483

AGIER, Michel. Antropologia da cidade: lugares, situações, movimentos. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

ALMEIDA, Renato Souza de. Juventude, direito à cidade e cidadania cultural na periferia de São Paulo. Rev. Inst. Estud. Bras., São Paulo, n. 56, p. 151-172, Junho de 2013. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i56p151-172

BERRY-CHIKHAOUI, Isabelle. Les notions de citadinité et d’urbanité dans l’analyse des villes du Monde arabe. Les Cahiers d’EMAM [En ligne], 18 | 2009, Disponível em: http://journals.openedition.org/emam/175. Acesso em 13 de agosto de 2020.

https://doi.org/10.4000/emam.175. DOI: https://doi.org/10.4000/emam.175

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. 16. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

DOMINGOS, Bianca Siqueira Martins; ZANETTI, Valéria Regina; AMARAL E SILVA, Fabiana Felix do. O que a cidade de Ipásia tem a nos dizer sobre pixação? Leituras possíveis de As Cidade Invisíveis, de Ítalo Calvino, e São Paulo/SP. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 25, p. 307-326, set.-dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.12957/revmar.2020.45488

FELICIANO, Luiz Antonio. Picos, gaps e manobras: etnografia de um grupo de jovens skatistas em São José dos Campos (SP). 2017. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas/SP, 2017.

FOLHA DE SÃO PAULO. Pichação na Bienal de Berlim: arte ou crime? 2012. Disponível em: http://direito.folha.uol.com.br/blog/pichao-na-bienal-de-berlim-arte-ou-crime#:~:text=Obviamente%20pichar%20uma%20igreja%20%C3%A9,ultrapassaram%20a%20autoriza%C3%A7%C3%A3o%20que%20receberam. Acesso em: 30 de julho de 2021.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HINE, Christine. Ethnography for the Internet: embedded, embodied and everyday. Londres: Bloomsbury Academic, 2015.

KOZINETS, Robert V. Netnografia: realizando pesquisa etnográfica online. Porto Alegre: Penso, 2014.

LASSALA, Gustavo. Pichação não é pixação: uma introdução à análise de expressões gráficas urbanas. 2ª ed. São Paulo: Altamira Editorial, 2017.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001 [1968].

LEFEBVRE, Henri. A revolução urbana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro. Entre a destruição e a criação: as marcas do skate na cidade. In: MAGNANI, José Guilherme Cantor; SPAGGIARI, Enrico. Lazer de perto e de dentro: uma abordagem antropológica. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018.

MACHADO, Giancarlo Marques Carraro. A cidade dos picos: a prática do skate e os desafios da citadinidade. Tese de doutorado em Antropologia Social. Universidade de São Paulo, 2017.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos [online], v. 15, n. 32 [Acessado 5 Maio 2022], 2009, pp. 129-156. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-71832009000200006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-71832009000200006

MARTINES, Elizabeth; SILVA, Ederson Fabiano. Dossiê técnico sobre fabricação de shapes de skate. Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas, Instituto de Tecnologia do Paraná, 2012. Disponível em: http://www.respostatecnica.org.br/dossietecnico/downloadsDT/NjExMg. Acesso em: 28 de julho de 2021.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. Tempos de escola: lazeres juvenis e controle disciplinar. In: MAGNANI, José Guilherme Cantor; SPAGGIARI, Enrico. Lazer de perto e de dentro: uma abordagem antropológica. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2018.

PEREIRA, Alexandre Barbosa. As Imaginações da Cidade: práticas culturais juvenis e produção imagética. Revista Iluminuras, v. 18, p. 11-37, 2017. DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.75731

PEREIRA, Alexandre Barbosa. As marcas da cidade: a dinâmica da pixação em São Paulo. Lua Nova (Impresso), 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000100007

PESCE, Renata P.; ASSIS, Simone G.; SANTOS, Nilton; OLIVEIRA, Raquel de V. Carvalhaes de. Risco e proteção: em busca de um equilíbrio promotor de resiliência. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 20 n. 2, p. 135-143, mai./ago, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-37722004000200006

PRIGGE, Walter. Metropolização. In: PALLAMIN, V. M. (Org.). Cidade e cultura: esfera pública e transformação urbana. São Paulo: Estação Liberdade, 2002.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da; ECKERT, Cornelia. Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. Iluminuras, 4 (7). Porto Alegre: BIEV/UFRGS, 2003. DOI: https://doi.org/10.22456/1984-1191.9160

SANSÃO FONTES, Adriana. Intervenções temporárias e marcas permanentes na cidade contemporânea. Arquiteturarevista (UNISINOS), v. 8, 2012. DOI: https://doi.org/10.4013/arq.2012.81.05

SILVA, Suelen de Aguiar. Desvelando a Netnografia: um guia teórico prático. Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun., São Paulo, v. 38, n. 2, p. 339-342, dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-58442015000200339&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 19 fev. 2021. https://doi.org/10.1590/1809-58442015217. DOI: https://doi.org/10.1590/1809-58442015217

SEBENELLO, Daiana Cristina; KLEBA, Maria Elisabeth; KEITEL, Liane. Práticas de lazer e espaços públicos de convivência como potência protetiva na relação entre juventude e risco. Revista Katálysis, 19(1), 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/1414-49802016.00100006

Downloads

Publicado

2022-06-30

Como Citar

DOMINGOS, B. S. M. .; SILVA, F. F. do A. e .; ZANETTI, V. R. . Skate no pé e spray na mão: nexos entre o skate, graffiti e pich(x)ação nas dinâmicas culturais urbanas. RUA, Campinas, SP, v. 28, n. 1, p. 219–235, 2022. DOI: 10.20396/rua.v28i1.8670296. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8670296. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

Estudos