Banner Portal
“Mande uma mensagem quando chegar”
Imagem de uma escultura de um corpo de uma mulher com braços e cabeça para baixo
PDF

Palavras-chave

Mulheres
Aspectos sociais
Gênero e espaço
História urbana

Como Citar

CERASOLI, Josianne Francia. “Mande uma mensagem quando chegar”: corpos tesos e cariátides nuas na cidade. RUA, Campinas, SP, v. 29, n. 1, p. 323–341, 2023. DOI: 10.20396/rua.v29i1.8673717. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8673717. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

As reflexões propostas neste ensaio são atravessadas pelos estudos históricos sobre o urbano e pela vivência em cidades, cujos espaços moldados majoritariamente a partir de um olhar masculino universalizante parecem tensionar constantemente o transitar de corpos femininos. A partir de indagações pautadas pela cine-escrita de Agnès Varda, pela errância literária de Lauren Elkin e pela geografia feminista de Leslie Kern, são exploradas dimensões da vida urbana nas quais a tensão e o silêncio associados à presença feminina figuram como se fossem naturais. Uma contrapartida propositiva se explicita a contrapelo: a aposta em cidades que sejam acolhedoras e acessíveis, capazes de abrir possibilidades para sustentar relacionamentos que sustentem respeito e solidariedade. No ensaio, espaços públicos e atitudes que aparentemente favorecem a camaradagem masculina e/ou a invisibilidade da mulher são contrapostos a táticas femininas que forjam certa percepção de invulnerabilidade no apoio mútuo (“mande uma mensagem quando chegar”). Por fim, propõe-se desembaraçar paradigmas que ao mesmo tempo constroem nossas
cidades e alimentam sexismos, racismos, preconceitos, desrespeitos e iolências naturalizados na experiência urbana para podermos imaginar e abrir espaços para outros futuros urbanos.

https://doi.org/10.20396/rua.v29i1.8673717
PDF

Referências

AZEVEDO, A. F. Sentidos do corpo: metáfora e interdiscurso. Linguagem em (dis)curso, v.14, n. 2, p. 321-335, 2014.

BARTHES, Roland. A Câmara Clara. Notas sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BUARQUE, Chico. Pedaço de mim (1977). Letras de Chico Buarque. Disponível em: http://www.chicobuarque.com.br/letras/pedacode_77.htm. Acesso em: 08 mar. 2023.

COURTINE, J. J. O Chapéu de Clémentis. Observações sobre a memória e o esquecimento na enunciação do discurso político. In: INDURKY, Freda. (org.). Os múltiplos territórios da análise do discurso. Porto Alegre: Editora Sagra Luzzato, 1999.

CRUZ, Mônica Lachman da. Poesia do luto através da imagem: uma visita aos campos da memória. Tuiuti: Ciência e Cultura, Curitiba, v. 6, n. 61, p. 122-147, 2020. DOI: https://doi.org/10.35168/2176- 896X.UTP.Tuiuti.2020.Vol6.N61.pp122-147. Disponível em: https://seer.utp.br/index.php/h/article/view/2509. Acesso em: 11 mar. 2023.

FELIPE, Leandra. Mães de Soacha lutam pela verdade sobre filhos mortos pelo Exército colombiano. Agência Brasil/EBC. Local, 12 mai. 2013. Disponível em: ttps://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-05-12/maes-de-soacha-lutam-pela-verdade-sobre-filhos-mortos-pelo-exercito-colombiano. Acesso em: 08 mar. 2023.

FUNO, Ludmila Belotti Andreu. Memória discursiva e esquecimento: revisitando o chapéu de Clementis. Revista Palimpsesto, nº 15, ano 11, 2012.

KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2009.

KEHL, Maria Rita. “Talvez seja infindável o luto dos familiares”, diz Maria Rita Kehl. [Entrevista concedida a] Luiz Fernando Vianna. O Globo Época, Rio de Janeiro, 19 abr. 2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/epoca/talvez-seja-infindavel-luto-dos-familiares-dizmaria-rita-kehl-1-24382274. Acesso em: 6 mar. 2023.

MANNONI, Maud. O nomeável e o inominável: a última palavra da vida. Tradução: Dulce Estrada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

MARIANI, Bethania. Testemunhos de resistência e revolta: um estudo em Análise do Discurso. Campinas, SP: Pontes Editores, 2021.

NASIO, Juan David. O livro da dor e do amor. Tradução: Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. Campinas, Ed. da Unicamp, 1997.

PÊCHEUX, Michel. Delimitações, inversões, deslocamentos. Tradução: José Horta Nunes. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 19, p. 7-24, jul./dez. 1990. DOI https://doi.org/10.20396/cel.v19i0.8636823. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cel/article/view/8636823/4544. Acesso em: 30 mar. 2021.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução: Eni Orlandi e outros. Campinas: Editora da Unicamp, 1988.

PENNA, Carla. Investigações psicanalíticas sobre o luto coletivo. Cadernos de Psicanálise, Rio de Janeiro, v. 37, n. 33, p. 9-30, jul./dez. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413- 62952015000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 26 mar. 2020.

RIVIÈRE, Claude. Os ritos profanos. Tradução de Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes, 1997.

SANTOS, Ricardo Sant’Ana Feliz dos. Antígonas tribunal de mulheres: arte como estratégia política de memória histórica. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Florianópolis, 2015.

SATIZÁBAL, Carlos Eduardo. 2015. “Memoria Poética y Conflicto en Colombia – A Propósito de Antígonas Tribunal de Mujeres, de Tramaluna Teatro”. Revista Colombiana de las Artes Escénicas 9, 250-268. http://vip.ucaldas.edu.co/artescenicas/downloads/artesescenicas9_22.pdf.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Fotografia como arte do trauma e imagem-ação: jogo de espectros na fotografia de desaparecidos das ditaduras na América Latina. Revista Resgate - Vol. XVIII, No. 19 - jan./jul. 2010, p.46-66.

SOUTO, Ana Sofia. 2021. “Antígona – O Palco como Tribunal Histórico.” Palimpsesto. Disponível em: www.palimpsesto.online/ensaios/antigona-o-palco-como-tribunal-historico. Acesso em: 09 mar. 2023.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 RUA

Downloads

Não há dados estatísticos.