Experiências sociais, interpretações individuais: Histórias de vida, suas possibilidades e limites

Autores

  • Suely Kofes Universidade Estadual de Campinas - IFCH

Palavras-chave:

Mulheres. Relações pessoais

Resumo

Neste artigo a autora analisa histórias de vida como fontes de informação, como evocativas e como reflexão. Esta tripla dimensão permitiria combinar uma análise que leve em conta a objetividade e a subjetividade. Ao propor intercruzar estórias de vida é sugerido que este instrumento poderia, ao mesmo tempo, permitir o acesso a experiências e interpretações particulares e a níveis distintos de generalidade. As duas estórias de vida, de duas mulheres, falam de uma relação entre patroas e empregadas domésticas.

Abstract

In this article the author explores life stories as expression of information, as evocation and as thought. Through the analysis of the criss - crossing of two life stories the author shows how considering the three mentioned aspects of life stories its is possible to conciliate objectivity and subjectivity, social experiences and singular interpretations. The life stories of two women tell about them and about a specific social relationship: the relationship among a master and a domestic servant.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suely Kofes, Universidade Estadual de Campinas - IFCH

Antropóloga, Professora Titular no Departamento de Antropologia, IFCH, Unicamp. A antropologia é o campo de conhecimento no qual todas as minhas titulações foram obtidas, embora eu tenha me licenciado em História pela UFGo. A Universidade tem sido o lugar das minhas atividades profissionais como antropóloga, enquanto pesquisadora e professora de antropologia comprometida com a formação de antropólogos (isto é, para citar livremente Strathern, incentivando a "reprodução criativa da antropologia" Nesta axe sustenta- ‐se o movimento da minha vida acadêmica e profissional. No que concerne às minhas pesquisas antropológicas, eu tenho mantido uma preocupação com a experimentação etnográfica, com pesquisas sobre temas distintos e em campos etnográficos distintos. Eu sou licenciada em História pela UFGo, com Mestrado em Antropologia Social pela UNICAMP ("Entre nós os pobres, eles, os negros"). Iniciei o doutorado na École des Hautes Etudes, em Paris (onde obtive o D.E.A) e o finalizei na USP (onde defendi a tese "Mulher::Mulheres: Diferença e Identidade nas armadilhas da Igualdade e Desigualdade: interação e relação entre patroas e empregadas domésticas"). Obtive o título de Livre-Docência através de concurso na Unicamp, com a tese "Uma trajetória, em narrativas". As teses de Doutorado e de Livr-Docência foram publicadas. Realizei um Pós-Doutorado, entre 1999/2000, na qualidade de Visiting Professor na Universidade Autônoma de Barcelona e na Universidade de Cambridge e entre novembro e fevereiro de 2006-2007, em visita breve à University of Illinois e EHESS. Eu sou membro da Associação Brasileira de Antropologia (ABA); da Associação Européia de Antropólogos Sociais (EASA); do Claire Hall College (Cambridge) e da AAA (EUA); publiquei dois livros: (2001) "Mulher, Mulheres: Identidade, Diferença e Desigualdade na relação entre patroas e empregada", Editora da Unicamp, Campinas. (2000) "Uma trajetória, em narrativas". Editora Mercado de Letras, Campinas, SP. E estou com dois no prelo. Tenho também alguns artigos publicados. Atuo em algumas linhas de pesquisa, demarcadas pelos projetos de pesquisa que realizei ou ainda realizo, pelo ensino, pelas orientações e publicações, e que são: etnografia e a perspectiva biográfica; trajetória, experiência e narrativa; antropologia, estudos da cultura e teoria social; processos de diferenciação e reconhecimentos identitários (diferença e identidade); temas concernentes ao campo dos estudos sobre raça e gênero; ritual, cosmologia, associativismo e política: a maçonaria contemporânea (projeto de pesquisa recém finalizado e que foi financiado pela Fapesp). Considero importante o meu trabalho na formação de antropólogos e os cursos que ofereço. Entre as disciplinas que ofereci , eu citaria: Antropologia Política: noções de político e de poder e alteridade como desafio para a constituição e análise do político; História e Teoria Antropológica; Estruturalismo e pós-estruturalismo; Biografia e Trajetórias; Mito e Ritual ; Embates entre Antropologia Social e Estudos Culturais; Etnografia em Sociedades Modernas; Teoria e Hist. da Antropologia; Diferença e Identidade; Os embates teóricos sobre Relação e outros supostos relacionais; Narrativas biográficas e Etnográficas e o conceito de experiência. Oriento pesquisas de alunos em distintas fases de formação (graduação, mestrado e doutorado) e as pesquisas que oriento situam-se, direta ou indiretamente, nas minhas linhas de pesquisa e no campo da antropologia e das ciências sociais. Está revisto para 2014 da publicação do meu livros sobre a maçonaria, que explora a relação entre experiência e método na pesquisa antropológica, e a de uma coletânea sobre narrativas biográficas e etnográficas, e suas grafias , que organizei com Daniela Manica (resultado de um GT que organizamos na ABA de 2012)

Referências

ARENDT, H.: "Public Rights and Private Interests; in reponse to Charles Frankel". IN MOONEY, M. e STUBER, F.(ed.): Small conforts for hard times: humanists on public policy. New York and Columbia, University Press, 1977.

BALDUS, H.: Ensaios de etnologia brasileira. 2ª ed. São Paulo, Companhia Editora Nacional; Brasília, INL/MEC, 1979 (Coleção Brasiliana; v. 101)

BENDER, D. R .: "A refinement of the concept of household: The analysis of Domestic Groups". IN American Anthropologist, 69. 1967, pp. 493-504.

BERTAUX, D.: L'approache biografique. Sa validité methodologique, ses potentialités", IN Cahiers Internautionaux e Sociologie, LXIX, nº 2, Juil.- Déc. 1980, pp. 198-225.

BOBBIO, N.: "A Grande Dicotomia: público e privado", IN BOBBIO, N.: Estado, Governo e Sociedade. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

CRAPANZANO, V.: Tuhami: Portrait of a Marocain. Chicago and London, the University of Chicago Press, 1980.

DUMONT, L.(1978): "La Communauté anthropologique et l'idéologie", IN L'Homme, tome XVIII, numéro 3-4 (Juil. - Dec.). Paris, Revue Française d'Anthropologie 1978.

DURKHEIM, E. e MAUSS, M.: "De quelques formes primitives de classification", IN MAUSS, M.: Oeuvres. vol.2. Paris, Minuit.

FORTES, M: "The Developmental Cycle in Domestic groups", IN GOODY, J. (ed.): Kinship. London, Penguin Books. 1971

LAFER, C.: A Reconstrução dos direitos Humanos. Um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo, Companhia das Letras. 1988, pag. 243.

LEDRUT, R.: "La reciprocité du public et du privé", IN Espaces et Sociétès, Juil.- Déc.. 1981, pp. 147-53.

MINTZ, S.: Worker in the Kane. A Puerto Rican life History. New York, W.W. Norton & Company Inc. 1974

Novo Dicionário Aurélio. Ed. Nova Fronteira

SENNET, R.: O declínio do Homem público. As tiranias da intimidade. 1989

SMITH, M.: Baba de Karo. Paris, Terre Humain, Plon. 1969

Tese intitulada Mulher: Mulheres:Diferença e Identidade nas armadilhas da igualdade e desigualdade:interação e relação entre patroas e empregadas domesticas, foi defendida no Departamento de Antropologia, FFLCH-USP, SP, em 1991.

YANAGISAKO, S. J.: "Family and household: the analysis of Domestic Groups", IN American Rev. Anthropological, 8. 1979, pp. 165-205

Downloads

Publicado

2007-01-01

Como Citar

Kofes, S. (2007). Experiências sociais, interpretações individuais: Histórias de vida, suas possibilidades e limites. Cadernos Pagu, (3), 117–141. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1725