Grandes famílias de grandes empresas: compromissos com a tradição na Lisboa moderna

Autores

  • Marta Jardim Universidade Federal de São Paulo

Resumo

No debate antropológico, entre os anos de 1980 e 90, emergem estudos sobre os diferentes signos que atualizam laços tidos como familiares, resultantes da crise que sofreram, nos anos 60, os estudos sobre família, categoria especialmente naturalizada naquelas sociedades que a tomam como resultado de processos tidos como biológicos. Olhando desde as sociedades consideradas modernas, como podem ser as capitais de cidades do oeste europeu – ainda que na periferia do que se pode entender por Europa – a família é um ícone da tradição. Lá predomina a valorização da empresa como instituição de caráter público, isenta de embaraços domésticos. A articulação entre empresa e família é vista como signo do passado (período pré-moderno). O dinamismo das empresas se opõe à estabilidade da família. Antónia Pedroso Lima enfrenta esse consenso estudando sete grandes famílias de grandes empresas modernas lisboetas. O estudo entra pela porta das empresas, examinando-as e descrevendo-as como signo das famílias, exibindo os laços que unem as histórias de ambas num projeto que atravessa diferentes gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Jardim, Universidade Federal de São Paulo

rofessora do Departamento de História da Arte da Escola de Filosofia Letras e Ciências Humanas da UNIFESP. Pesquisadora, colaboradora do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane, Moçambique. Pesquisadora do Centro de Estudos de Migrações Internacionais - Departamento de Antropologia, UNICAMP, CNPQ. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa- DGP- CNPQ: Etnografia e História das Práticas Artísticas e das Línguas das Áfricas. Concluiu mestrado em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) e doutorado em Ciências Sociais- Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (2006). Foi PÓS-DOC FAPESP- CEBRAP- CEA-UEM entre 2006 e 2009 Atua nos seguintes temas: Etnografia e História das Práticas Artísticas e das Línguas das Áfricas; reprodução da família e regulação da herança; hindus; Sul de Moçambique, (Kwa Zulu Natal) África do Sul

Referências

BESTARD, Joan. Parentesco y modernidad. Barcelona, Paidós, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Le sans pratique. Paris, Les Editions Minuit, 1980.

COHEN, Abner. The politics of Elite Culture: Explorations in the Dramaturgy of Power in a Modern African Society. Berkley, University of California Press, 1981.

COLLIER, J. S. & YANAGISAKO, S. (eds.) Gender and Kinship. Essays towards a unified analysis. Stanford, Stanford University Press, 1987.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Los Nuer. Barcelona, Editorial Anagrama, 1977.

MARCUS, George E. Lives in Trust. The fortunes of Dinastic Families in Late Twentieth- Century America. San Francisco/Oxford, Westiview Press, 1992.

PEDROSO LIMA, Antónia. Grandes Famílias, grandes empresas: ensaio antropológico sobre uma elite de Lisboa. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2003.

PINA CABRAL, João. Os Contextos da Antropologia. Lisboa, Difel, 1991.

__________ e PEDROSO LIMA, Antónia. Como fazer uma história de família: um exercício de contextualização social. Revista Etnográfica, Volume IX, Número 2, 2005.

PISCITELLI, Adriana. Jóias de Família. Gênero em histórias sobre grupos empresariais brasileiros. Tese de doutoramento, IFCH/Unicamp, 1999 [publicado pela Editora da UFRJ, 2006] STRATHERN, Marilyn. The gender of the gift. Berkeley, University of California Press, 1988.

TOREN, Cristina. Making the chief: An examination of why Fijian chiefs have to be elected. In: PEDROSO LIMA, Antónia e PINA CABRAL, João. Elites, Choice, Leadership and Succession. Oxford, Berg, 1999.

YANAGISAKO, S. Capital and Gendered interest in Italian Family Firms. In: KERTZER, David e SALLER, Richard. (eds.) The Family in Italy.

From antiquity to the present. New Haven/London, Yale University Press, 1991.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

JARDIM, M. Grandes famílias de grandes empresas: compromissos com a tradição na Lisboa moderna. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 28, p. 415–425, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644812. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Resenhas