As maravilhas do sexo que ri de si mesmo

Autores

  • Larissa Pelúcio Universidade Federal de São Carlos

Resumo

“Não foi a minha maneira de pensar que me desgraçou, foi a dos outros”, escreveu Sade a certa altura de sua vida polêmica e emblemática. Corria o século XVIII, época em que o poder exercia-se explicitamente sobre a carne e os suplícios públicos, impostos às pessoas infratoras, era da ordem do espetacular. O Marquês, com sua “desgraçada” maneira de pensar, tecia críticas a esse poder que se realizava pela submissão completa do outro até seu esgotamento, e que assim podia ser, pois a nobreza tinha tanta certeza de sua superioridade quanto de sua impunidade

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Pelúcio, Universidade Federal de São Carlos

Professora da UNESP/Bauru e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais de Marília, também é pesquisadora-colaboradora do Núcleo de Estudos de Gênero Pagu (Unicamp), Larissa Pelúcio é doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de São Carlos e pós-doutora pelo Pagu-UNICAMP com experiência nas áreas de Antropologia e Sociologia. Suas pesquisas abordam temas como sexualidade, saúde, corporalidade, travestilidades e gênero. É autora do livro Abjeção e Desejo – uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo de aids (São Paulo: Annablume, 2009), resultado da tese de doutorado. Vice-coordenadora do Quereres – Núcleo de pesquisa em Diferenças, Gênero e Sexualidade desde 2007, trabalhou na organização de diversos eventos. 

Referências

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade, A Vontade de Saber. Vol. 1.

ª ed. São Paulo, Graal, 2003.

MACEDO, José Rivair. Riso, Cultura e Sociedade na Idade Média. Porto Alegre/São Paulo, Ed. UFRGS/Editora Unesp, 2000.

RUBIN, Gayle. Thinking Sex: Notes for a Radical Theory of the Politics of Sexuality. In ABELOVE, BARALE, HALPERIN et alii. (eds.) The Lesbian and Gay Studies Reader. London/New York, Routledge, 1992.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Pelúcio, L. (2016). As maravilhas do sexo que ri de si mesmo. Cadernos Pagu, (29), 481–488. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644841