A construção de diferenças de gênero entre estudantes de medicina

Autores

  • Vera Helena Ferraz Siqueira Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Glória Walkyria de Fátima Rocha Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Cidadania. Gênero. Sexualidade. Identidades. Educação Médica

Resumo

Neste artigo, apresentamos os resultados de uma pesquisa empírica sobre a construção identitária de estudantes de medicina em espaços não formais da universidade, em uma sociedade de consumo. Fundamentaram o estudo noções do pósestruturalismo, principalmente sobre a natureza construída das identidades de gênero pelos discursos. Os resultados sinalizam a importância de se reconhecer que as experiências e subjetividades são passíveis de mudanças e de se integrar a problematização dos discursos dominantes aos currículos formais, facilitando uma maior igualdade de gênero, etnia e classe social.

Abstract

This article relates the results of an empirical research on the processes through which medical students’ identity are constructed in the university non-formal settings, in a consumer society. The study was theoretically based on some pos structuralism notions referring to the construction of gender identities by the discourses. The results point to the need for educators to reflect that the experiences and selves are subject to change, and to integrate the problematization of the dominant discourses to the formal curriculum, favoring greater gender, ethnic and social class equity.

Key Words: Citizenship, Gender, Sexuality, Identities, Medical Education

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glória Walkyria de Fátima Rocha, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro desenvolvendo atividades como Pesquisadora Associada ao Laboratório de Linguagens e Mediações (LLM) do Núcleo de Tecnologia Educacional para a Saúde (NUTES/UFRJ) . Participa de Projetos de Pesquisa Acadêmica Stricto Sensu em temas relacionados à Educação, Saúde, Tecnologia & Sociedade.Também tem experiência em Planejamento e Avaliação de Cursos de Pós-graduação Lato Sensu na área da Saúde, em Educação Permanente do Profissional de Saúde, em Avaliação de Materiais Educativos em Saúde em geral e, em Saúde da Criança, do Adolescente e do Jovem

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos Ideológicos do Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. 2ª ed. Rio de Janeiro, Graal, 1985 [Tradução: Walter J. Evangelista e M. Laura V. de Castro].

BAKHTIN, M. (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. 9a Ed. São Paulo, Hucitec, 1999.

BAUDRILLARD, J. Simulacros e simulação. Lisboa, Relógio d’água, 1981.

BAUMAN, Z. Identidade. Entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005.

CANCLINI, N. G. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da Modernidade. São Paulo, Ed. USP, 1997.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. Petrópolis, Vozes, 2007.

CONNELL, R. W. La organización social de la masculinidad. In: VALDEZ, T. & OLIVARRÍA, J. (eds.) Masculinidad/es - poder y crisis. FLACSOChile/Isis Ediciones de las mujeres, nº 24, 1997.

COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1999.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. 1a ed. Brasília, Ed. UNB, 2001.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 18ª ed. Rio de Janeiro, Graal, 2003.

__________. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro, Forense Universitária, 2002.

__________. História da Sexualidade 1: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 1988.

__________. Pourquoi etudier le pouvoir. La question du sujet. In: DREIFUS, Hubert & RABINOW, Paul. Michel Foucault. Un parcours philosophique. Au-dela de L’objectivite et de la subjectivite. Avec um entretien et deux esais de Michel Foucault. Paris, Editions Gallimard, 1984.

GIDDENS, A. A transformação da intimidade. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo, Editora da UNESP, 1993.

GILBERT, R. Cidadania, educação e pós-modernidade. In: SILVA, T.T. & MOREIRA, A F. (orgs.) Territórios contestados. O currículo e os novos mapas políticos e culturais. 3a ed. Petrópolis, Vozes, 1999.

GIROUX, H. A. Atos Impuros. A prática política dos estudos culturais.

Porto Alegre, Artmed, 2003.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro, DP&AEd., 2000a.

__________. Quem precisa da identidade? In: SILVA, T.T.; HALL, S.; WOODWARD, K. (orgs.) Identidade e diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis, Vozes, 2000b.

__________. A centralidade da cultura: Notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, vol. 22, nº 2, Porto Alegre, jul-dez 1997, pp.17-46.

JAMESON, F. Espaço e imagem: teorias do pós-moderno e outros ensaios.

Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 2004.

MACHADO, M. H. A profissão médica no contexto de mudanças.

http://www.portalmedico.org.br/biblioteca_virtual, 2006.

__________. (coord.) Os médicos no Brasil: um retrato da realidade. Rio de Janeiro, Fiocruz, 1997.

MÁRTIN-BARBERO, J. Dos meios às mediações. Comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro, Ed. UFRJ, 1997.

MÉDICI, A. C. A força de trabalho em saúde no Brasil dos anos 70: percalços e tendências. Revista de Administração Pública, 20 (3), Rio de Janeiro, FGV, jul/set 1986.

MOTT, M. L. Gênero, medicina e filantropia: Maria Rennotte e as mulheres na construção da nação. Cadernos Pagu (24), CampinasSP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2005, pp.41-67.

RODRIGUES, C. Medicina, profissão de mulheres. http://www.nominimo.

com.br (acesso em 12 de novembro de 2004).

RODRIGUES, J. C. Tabu do corpo. 7ª ed. Rio de Janeiro, Fiocruz, 2006.

SANTOS, T. S. dos. Gênero e Carreira na Medicina. Mulher e Trabalho, vol. 4, Porto Alegre, Fundação de Economia e Estatística, fev. 2004.

SARLO, B. Cenas da vida pós-moderna- intelectuais, arte e videocultura na Argentina. 3a ed. Rio de Janeiro, UFRJ, 2004.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, vol. 16, nº 2, Porto Alegre, jul/dez 1990.

SILVA, T. T. (org.) O sujeito da educação. Estudos Foucaultianos.

Petrópolis, Vozes, 1994.

SIQUEIRA, V. H. F. A subjetivação de mulheres educadoras pelo cinema.

Revista Educação & Realidade, vol. 31, Porto Alegre, jul/dez 2006.

THOMPSON, J. B. A mídia e a modernidade. Uma teoria social da mídia.

Petrópolis, Vozes, 1998.

VEIGA NETO, A. De geometrias, currículo e diferenças. Educação & Sociedade, ano XXIII, no 79, agosto 2002.

Downloads

Publicado

2016-04-07

Como Citar

Siqueira, V. H. F., & Rocha, G. W. de F. (2016). A construção de diferenças de gênero entre estudantes de medicina. Cadernos Pagu, (30), 231–268. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644855

Edição

Seção

Artigos