Conjugalidade e profissão de modelo: projetos conflitantes ou complementares?

  • Rita de Cássia Pereira Farias Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Profissão de Modelo. Pré-Adolescentes. Moral Familiar Religiosa

Resumo

Este artigo analisa um grupo de pré-adolescentes pobres do interior mineiro que frequentaram um Curso de Modelo. Face ao apelo erótico que envolve, na mídia, a imagem dessa profissão, parece paradoxal que os pais – que associam esta carreira à prostituição – matriculem as filhas em tal curso, em aparente conflito com sua moral familiar e religiosa. O curso permite a aquisição de habilidades e o domínio de códigos que não pertencem a sua condição de classe. Além disso, participar do curso e desfilar em ambientes frequentados pela elite se tornam estratégias de apresentar a filha à sociedade, ampliando o capital social familiar.

Abstract

This paper analyses a group of poor pre-adolescents in a modeling course in Minas Gerais. Facing the erotic image of the profession, presented by the media, it seems paradoxical that the parents – who associate this career with prostitution – register the daughters in such a course, in apparent conflict with the family’s religious morals. The course allows the acquisition of abilities and codes which do not belong to the family’ class condition. However, to participate in it and to model in events attended by the elite become a strategy to present the daughters to the society, enlarging the family’s social capital.

Key Words: Model Profession. Pre-Adolescents. Family’s Religious Moral

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita de Cássia Pereira Farias, Universidade Estadual de Campinas
Doutora em Antropologia pela Unicamp. Possui graduação e mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa. Atualmente é professora adjunta da Universidade Federal de Viçosa e atua principalmente com os seguintes temas: corporalidade, cultura, identidade e consumo, sob a ótica da antropologia. Autora do livro "Uniforme e trabalho no Vale do Aço: discursos, práticas e significados simbólicos", publicado pela Editora UFV.

Referências

ALMEIDA, Heloisa Buarque de. “Muitas coisas mais”: telenovela, consumo e gênero. Tese de doutorado, Antropologia, Unicamp, 2001.

BELELI, Iara. Corpo e identidade na propaganda. Revista Estudos Feministas (22), Florianópolis-SC, 2007, pp.193-215.

BONADIO, Maria Claudia. Dignidade, celibato e bom comportamento: relatos sobre a profissão de modelo e manequim no Brasil dos anos 1960. Cadernos Pagu (22), Núcleo de Estudos de Gênero – Pagu/Unicamp, 2004, pp.47-81.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2006.

BUTLER, Judith. Regulaciones de género. Revista de estudios de género La ventana (23), Guadalajara, México, 2005, pp.7-35.

DEL PRIORE, Mary Lucy Murray. História do amor no Brasil. São Paulo, Contexto, 2005.

ELIAS, Norbert e SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os Outsiders.

Sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 2000.

GOELLNER, Silvana Vilodre. A produção cultural do corpo. In: GOELLNER, S. V.; LOURO, Guacira Lopes; NECKEL, Jane Felipe. (orgs.) Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação.

Petrópolis-RJ, Vozes, 2003, pp.28-40.

GOLDENBERG, Mirian. O corpo como capital: para compreender a cultura brasileira. Arquivos em Movimento (02), Rio de Janeiro, 2006, pp.1- 9.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro, Rocco, 1994, pp.206-242.

MEYROWITZ, Joshua. No sense of place. New York, Oxford University Press, 1986.

ROCHA, Everardo. Magia e capitalismo. São Paulo, Brasiliense, 1995.

ROCHA-COUTINHO, Maria Lúcia. Tecendo por trás dos panos: a mulher brasileira nas relações familiares. Rio de Janeiro, Rocco, 1994.

SARTI, Cynthia Andersen. A família como espelho: um estudo sobre a moral dos pobres. Campinas-SP, Autores Associados, 1996.

SILVA, Alice Inês Oliveira e. Rendas, babados, bilros e crochês: a construção social da mulher de prendas domésticas. Dissertação de mestrado, Antropologia, Unicamp, 1985.

WOLF, Naomi. O mito da beleza. Rio de Janeiro, Rocco, 1991.

Publicado
2016-04-11
Como Citar
Farias, R. de C. P. (2016). Conjugalidade e profissão de modelo: projetos conflitantes ou complementares?. Cadernos Pagu, (33), 167-197. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644925
Seção
Artigos