Homem com homem, mulher com mulher: paródias sertanejas no interior de Goiás

Autores

  • Silvana de Souza Nascimento Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Gênero. Sociabilidade. Mundo Rural

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão etnográfica a respeito da relação entre gênero e sociabilidade no sudoeste de Goiás, em pequenos municípios rurais. A proposta é ampliar o olhar sobre as relações de gênero no meio rural e descrever e compreender um processo social – um universo de festividades – que privilegia sociabilidades entre pessoas do mesmo sexo. O texto pretende mostrar que, para além da divisão sexual do trabalho e da complementaridade entre os sexos, as relações do tipo “mesmo sexo” põem em xeque a ideia de antagonismo entre homens e mulheres dentro da matriz da heterossexualidade e, além disso, problematizam a reprodução mecânica da família patriarcal nas relações de gênero no campo.

Abstract

This article will present a brief ethnographic study of the relationship between gender and sociability in the southwest of Goiás, in small rural villages. The proposal is to expand the view on gender relations in rural areas and provide a social process - a universe of festivities - which emphasizes sociability between the same sex without subtracting the hegemony of heterosexual relationships and sexual division of labor. This article aims to show that same-sex relationships are challenging the idea of antagonism between men and women within the matrix of heterosexuality and, moreover, critique the mechanical reproduction of the patriarchal family in gender relations in the rural world.

Key Words: Gender, Sociability, Rural World

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana de Souza Nascimento, Universidade de São Paulo

Professora do Departamento de Antropologia da USP e pesquisadora do Laboratório do Núcleo de Antropologia Urbana (NAU-USP). É editora-executiva da Revista Ponto.Urbe e vice-chefe do Departamento de Antropologia. Atuou, de 2007 a 2012 como docente do departamento de Ciências Sociais (área de Antropologia) na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), campus Litoral Norte. Atualmente, é pesquisadora colaboradora do Grupo de Pesquisa em Etnografias Urbanas (Guetu), da UFPB e membro do Núcleo de Direitos Humanos e da Cidadania da UFPB. Faz parte do corpo editorial da coleção Sexta Feira - Antropologia, Artes e Humanidades. Atua nos seguintes temas: antropologia urbana, relações entre campo e cidade, fronteiras urbanas, transexualidades e socialidades. 

Referências

ABRAMOVAY, M. e SILVA, R., As relações de gênero na Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais (CONTAG). In: ROCHA, Maria Isabel Baltar. (org.) Trabalho e gênero: mudanças, permanências, desafios, Campinas, Unicamp/Nepo, 1998, pp.347-366.

ABRAMOVAY, M. e RUA, M.G. Companheiras de luta ou “coordenadoras de panelas”? As relações de gênero nos assentamentos rurais.

Brasília, Unesco, 2000.

ALVES, M.F. P. Sexualidade e prevenção de DST/AIDS: representações sociais de homens rurais de um município da zona da mata pernambucana, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, vol.19, supl. 2, Rio de Janeiro, 2003, pp.429-439. Disponível em www.scielo.br/pdf/csp/v19s2/a24v19s2.pdf BITTENCOURT, L. Spinning Lives. Tese de doutorado em Antropologia, Cornell University, 1993.

BLAY, E. Trabalho feminino remunerado e não remunerado: uma falsa fonte de desigualdade. Cadernos CERU, nº 9, São Paulo, 1976.

BONI, V. Poder e igualdade: as relações de gênero entre sindicalistas rurais de Chapecó, Santa Catarina. Revista Estudos Feministas, vol.12, nº 1, 2004, pp.289-302. Disponível em www.scielo.br/pdf/ref/v12n1/21703.pdf BRUMER, A. Previdência social rural e gênero. Sociologias nº 7, ano 4, Porto Alegre, 2002, pp.50-81. Disponível em ww.scielo.br/pdf/soc/n7/a03n7.pdf BUTLER, J. Problemas de gênero. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2003 [1990].

__________. Défaire le genre. Editions Amsterdam, Paris, 2006.

BUTO, A. e HORA, K. Mulheres e reforma agrária no Brasil. In: LOPES e ZARZAR. (orgs.) A experiência recente no Brasil. Brasília, MDA, 2008, pp.19-38.

CANDIDO, A. Os Parceiros do Rio Bonito. SP, Duas Cidades, 1987 [1964].

CORALINA, C. Estórias da Casa Velha da Ponte. Global, SP, 1985.

CORDEIRO, R. e SCOTT, R.P. Mulheres em áreas rurais nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Revista Estudos Feministas, vol. 15, nº 2, Florianópolis, 2007, pp.419-423. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ref/v15n2/a08v15n2.pdf CORRÊA, M. Repensando a família patriarcal brasileira. In: CORRÊA, M. et alii. Colcha de retalhos - estudos sobre família no Brasil. Campinas, Ed. Unicamp, 1994, pp.5-16.

CUNHA, E. da Os Sertões. Ed. Crítica, São Paulo, Brasiliense, 1985.

DEERE, C. D. Os direitos da mulher à terra e os movimentos sociais rurais na reforma agrária brasileira. Revista Estudos Feministas, vol.12, nº1, 2004, pp.175-204.

DE GRANDI, A. B. Relações de Gênero em famílias agricultoras de Santa Catarina – Brasil. Cadernos de Pesquisa PPGSP/UFSC, nº 21, junho de 2000, pp.29-46.

ELIS, B. Os melhores contos. São Paulo, Global, 1994.

FERREIRA, P. R. Os afectos mal-ditos: o indizível nas sociedades camponesas. São Paulo, Hucitec/ANPOCS, 2008.

FISCHER, I. e ALBUQUERQUE, L. O assalariamento da força de trabalho feminina rural. Cadernos CEAS (Centro de Estudos da Ação Social), nº 162, Salvador-BA,1995, pp.56-65.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade, vol. I – A vontade de saber. Rio de Janeiro, Graal, 1982.

FREYRE, Gilberto. Casa Grande & Senzala. Rio de Janeiro, Editora Global, 1973. [1933] FUKUI, L. Os papéis sexuais na organização familiar de sitiantes tradicionais no Brasil. Cadernos CERU, nº 8, USP, São Paulo, 1975.

GARCIA, L. et alii. A família como armadilha: a busca de fissuras no cotidiano de mulheres rurais nos Cariris paraibanos. João Pessoa, Ed.

UFPB, 2011.

GOUVEIA, T. Muito trabalho e nenhum poder marcam as vidas das agricultoras familiares. Relatório. Observatório da Cidadania, Ibase, Rio de Janeiro, 2003, pp.44-49.

GROSSI, M. Conventos e celibato feminino entre camponesas do Sul do Brasil.

Horizontes Antropológicos, nº1, Porto Alegre-RS, 1995, pp.1-21. Disponível em http://www.miriamgrossi.cfh.prof.ufsc.br/pdf/conventos_celibato.pdf.

GUIMARÃES ROSA, J. Sagarana. Rrio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984.

LISBOA, T. K. e LUSA, M. G. Desenvolvimento sustentável com perspectiva de gênero - Brasil, México e Cuba: mulheres protagonistas no meio rural. Revista Estudos Feministas, vol.18, nº3, Florianópolis-SC, 2010, pp.871-887.

MACHADO, L. Perspectivas em confronto: relações de gênero ou patriarcado contemporâneo? Série Antropologia, UnB, Brasília, 2000.

MARTINEZ-ALIER, V. As mulheres do caminhão de turma. Debate e Crítica (5), São Paulo, Fundação Carlos Chagas, mar. 1975.

MATHIEU, N. L’anatomie politique – catégorisations et idéologies du sexe.

Paris, Coté Femmes, 1991.

MATTOS, S. M. Artefatos de Gênero na Arte do Barro. Vitória-ES, EDUFES, 2001.

MELO, R. da M. S. e DUARTE, G. B. Impacto do Programa Bolsa Família sobre a frequência escolar: o caso da agricultura familiar no Nordeste do Brasil. Revista de Economia e Sociologia Rural, vol.48, nº 3, 2010, pp.635-656.

MURARO, R. M. A sexualidade da mulher brasileira – corpo e classe social no Brasil. Petrópolis-RJ, Vozes, 1983.

NASCIMENTO, S. S. Faculdades Femininas e Saberes Rurais – uma etnografia sobre gênero e sociabilidade no interior de Goiás. Série Publicação Premiada, São Paulo, FFLCH/USP, 2008.

ORTNER, S. Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura? In: ROSALDO, M. Z. e LAMPHERE, L. (coords.) A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro, Editora Paz e Terra, 1979, pp.93-120.

PAULA ANDRADE, M. de. Conflitos agrários e memória de mulheres camponesas. Revista Estudos Feministas, vol.15, nº 2, FlorianópolisSC, 2007, pp.445-451.

PAULILO, M. S. Movimento de mulheres agricultoras: terra e matrimônio.

Cadernos de Pesquisa PPGSP/UFSC, nº 21, junho de 2000, pp.01-15.

__________. A mulher e a terra no Brejo Paraibano. In: BRUSCHINI, M. C.

e ROSEMBERG, F. (orgs.) Trabalhadoras do Brasil, São Paulo, Brasiliense, 1980.

PAULILO, M., DE GRANDI, A., SILVA, M. M. Mulher e atividade leiteira: a dupla face da exclusão. Cadernos de Pesquisa PPGSP/UFSC, nº 21, junho de 2000.

PIRES, F., SANTOS, P. O. e SILVA, J. Elas decidem? Analisando o papel familiar da mulher a partir do Programa Bolsa Família. CAOS – Revista Eletrônica de Ciências Sociais. João Pessoa, UFPB, nº 17, 2011. Disponível em www.cchla.ufpb.br/caos/numero17.html PORTELLA, A. P. e SILVA, C. F. Mulher e trabalho na agricultura familiar.

Recife-PE, SOS Corpo, 2004.

QUEIROZ, M. I. P. O Campesinato Brasileiro. Rio de Janeiro, Vozes, 1973.

RODRIGUES, L. L. O avesso do casamento uma leitura antropológica do celibato entre camponeses ítalo e teuto-capixabas. Dissertação de Mestrado em Antropologia, Unb, Brasília, 1991.

SAFFIOTTI, H. e FERRANTE, V. Famílias rurais no estado de São Paulo: algumas dimensões da vida feminina. In: BRUSCHINI, M. C. e ROSEMBERG, F. (orgs.) Trabalhadoras do Brasil, SP, Brasiliense, 1980.

SALES, C. de M. V. Mulheres rurais: tecendo novas relações e reconhecendo direitos. Revista Estudos Feministas, vol.15, nº 2, Florianópolis-SC, 2007, pp.437-443.

SALVARO, G. I. J. Jornadas de trabalho de mulheres e homens em um assentamento do MST. Revista Estudos Feministas, vol.12, nº 1, Florianópolis-SC, 2004, pp.321-330.

SCOTT, R. P. Ruralidade e mulheres responsáveis por domicílios no Norte e no Nordeste. Revista Estudos Feministas, vol.15, nº 2, Florianópolis-SC, 2007, pp.425-436.

SILVA, M. A. de M.. Mulheres bóias-frias a caminho do eito. In: COSTA, A.

O. e BRUSCHINI, M. M. Entre a virtude e o pecado. Campinas-SP, Rosa dos Tempos/FCC, 1992.

SILVA, O. R. da. Status e papéis sócio-econômicos da mulher no bairro rural de Palmeirinhas, do sertão de Itapecerica. In: Cadernos CERU, nº1, 1968.

SIMMEL, G. Sociabilidade – um exemplo de sociologia pura ou forma. In: FILHO, E. de M. (org.) George Simmel – Sociologia. São Paulo, Ática, 1983, pp.165-181.

STRATHERN, M. O gênero da dádiva. Problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas-SP, Editora Unicamp, 2006.

STROPASOLAS, V. L. O valor (do) casamento na agricultura familiar.

Revista de Estudos Feministas, vol.12, nº 1, Florianópolis-SC, 2004, pp.253-267.

VAN DER SCHAAF, A. Jeito de mulher rural: a busca de direitos sociais e da igualdade de gênero no Rio Grande do Sul. Sociologias, nº 10, Porto Alegre, 2003, pp. 412-442.

VINCENT, J. A sociedade agrária como fluxo organizado: processos de desenvolvimento passados e presentes. In: FELDMAN-BIANCO, B. (org.) A antropologia das sociedades contemporâneas – métodos. São Paulo, Global, 1987, pp.375-397.

WITTIG, M. La Pensée Straight. Paris, Balland, 2001.

WOORTMANN, E. Herdeiros, parentes e compadres. São Paulo, Hucitec, 1995.

WOORTMANN, K. Com parente não se neguceia. Anuário Antropológico/87, Unb/ Tempo Brasileiro, 1990, pp.11-73.

Downloads

Publicado

2016-04-14

Como Citar

Nascimento, S. de S. (2016). Homem com homem, mulher com mulher: paródias sertanejas no interior de Goiás. Cadernos Pagu, (39), 367–402. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645061