Migração, trabalho doméstico e afeto

  • Joaze Bernardino-Costa Universidade de Brasília

Resumo

Partindo de um fenômeno cada vez mais comum na União Europeia – a presença de trabalhadoras domésticas migrantes não-legalizadas nas afluentes casas europeias –, Encarnación Gutiérrez-Rodríguez, professora de Estudos Transculturais da Universidade de Manchester, explora a interface entre trabalho doméstico, política migratória, feminização do trabalho, colonialidade do poder, trabalho afetivo e ética decolonial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joaze Bernardino-Costa, Universidade de Brasília
Possui graduação em Ciências Sociais (1995), mestrado em Sociologia (1999) e doutorado em Sociologia (2007) pela Universidade de Brasília, durante os anos de doutorado, teve a experiência de fazer parte dos seus estudos no Departamento de Estudos Étnicos da Univesidade da Califórnia (Berkeley). Atualmente é professor adjunto da Universidade de Brasília. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em relações raciais, atuando principalmente nos seguintes temas: teorias decoloniais, pós-colonialismo, intelectuais negros, ação afirmativa, trabalho doméstico

Referências

BALIBAR, Étienne. Is There a Neo-Racism?. In: BALIBAR, Étienne & WALLERSTEIN, Immanuel. (eds.) Race, Nation, Class Ambiguous Identities. London, Verso, 1991, pp.17-28.

DUSSEL, Enrique. Filosofia de La Liberación. Bogotá, Editorial Nueva America, 1996.

FANON, Franz. Os Condenados da Terra. Juiz de Fora-MG, Editora UFJF, 2006. [1961] GROSFOGUEL, Ramón; CERVANTES-RODRIGUES, Ana Margarida. (eds.) The Modern/Colonial/Capitalist World-System in the Twentieth Century: Global Processes, Antisystemic Movements, and the Geopolitics of Knowledge. Connecticut, Praeger, 2002.

HSIAO-HUNG, Pai. An Ethnography of Global Labour Migration. Feminist Review (77), London, 2004, pp.129-131.

KOFES, Suely. Mulher Mulheres: identidade, diferença e desigualdade na relação entre empregadas domésticas e patroas. Campinas-SP, Ed.

Unicamp, 2001.

MARX, Karl. O Capital: crítica da economia política (vol. 1). São Paulo, Nova Cultural, 1988. [1857] MIGNOLO, Walter. Os esplendores e as misérias da ciência: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. (org.) Conhecimento Prudente para uma Vida Decente: ‘um discurso sobre as ciências’ revisitado. São Paulo, Editora Cortez, 2006, pp.667-771.

MOHANTY, Chandra Talpade; RUSSO, Anne; TORRES, Lourdes. Third World Women and the Politics of Feminism. Bloomington and Indianapolis, Indiana University Press, 1991.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e America Latina. In: LANDER, Edgardo. (org.) A Colonialidade do Saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas Latino-americanas.

Clacso, Consejo Latinoamericano de Ciências Socialies, Ciudad Autônoma de Buenos Aires, Argentina, 2005, pp.105-127.

WALLERSTEIN, Immanuel. Impensar a Ciência Social: os limites dos paradigmas do século XIX. São Paulo, Ideias e Letras, 2006.

Publicado
2016-04-14
Como Citar
Bernardino-Costa, J. (2016). Migração, trabalho doméstico e afeto. Cadernos Pagu, (39), 447-459. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645064
Seção
Resenhas