Afetos ao trabalho – notas sobre a sedução da subjetividade em uma empresa brasileira de moda

  • Nicolas Wasser Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universität Basel
Palavras-chave: Afetos. Subjetividade. Diversity Management. Sexualidade. Trabalho

Resumo

Afetos veiculam uma intensidade de marcadores sociais e de subjetividade. Com isso, tornam-se altamente lucrativos para as indústrias que se alimentam das capacidades do corpo. Recorrendo a notas etnográficas sobre a Visibly Hot, uma empresa brasileira de óculos, este artigo foca as seguintes questões: com quais instrumentos essa marca regula desejos e aspirações para promover seus produtos e cativar seus funcionários? E, como os próprios funcionários participam e manipulam esse processo? Por um lado, o slogan de “ser diferente” promove uma pluralização de subjetividades, efetuando um controle avançado de identidades sexuais e raciais. Por outro lado, os vendedores acabam aprendendo suas próprias técnicas afetivas (identificação com a marca, incitação sexual) que, uma vez postas em movimento, simultaneamente aumentam e perturbam o fluxo normatizado pelas vendas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nicolas Wasser, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universität Basel
Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia – Núcleo de Estudos de Sexualidade e Gênero, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, e Associado ao Grupo de Pós-Graduandos em Estudos de Gênero, Universität Basel, Basileia, Suíça.

Referências

ADKINS, Lisa. Gendered Work: Sexuality, Family and the Labour Market. Bristol PA, Open University Press, 1995.

AHMED, Sara. Collective Feelings: Or, the Impressions Left by Others. Theory, Culture & Society (21), London/Thousand Oaks/New Delhi, 2004, pp.25-42.

______. On Being Included. Racism and Diversity in Institutional Life. London/Durham, Duke University Press, 2012.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu (26), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2006, pp.329-376.

BRITES, Jurema. Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu (29), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2007, pp.91-109.

CLOUGH, Patricia Ticineto (Ed.). The Affective Turn. Theorizing the Social. Durham/London, Duke University Press, 2007.

DE LAURETIS, Teresa. Technologies of Gender. Essays on Theory, Film, and Ficition. Bloomington and Indianapolis, Indiana University Press, 1987.

ENGEL, Antke. Bilder von Sexualität und Ökonomie. Queere kulturelle Politiken im Neoliberalismus. Bielefeld, Transcript, 2009.

FACCHINI, Regina. “Não faz mal pensar que não se está só”: estilo, produção cultural e feminismo entre as minas do rock em São Paulo. Cadernos Pagu (36), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de GêneroPagu/Unicamp, 2011, pp.117-153.

FRANÇA, Isadora Lins. Consumindo lugares, consumindo nos lugares: homossexualidade, consumo e subjetividade na cidade de São Paulo. Tese de doutorado, Ciências Sociais, Unicamp, 2010.

GREGORI, Maria Filomena. Erotismo, mercado e gênero. Uma etnografia dos sex shops de São Paulo. Cadernos Pagu (38), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2012, pp.53-97. HALL, Stuart. Introduction: Who Needs ‘Identity’? In: HALL, Stuart; DU GAY, Paul (orgs.). Questions of Cultural Identity. London/Thousand Oaks/New Delhi, SAGE, 1996, pp.1-17.

HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Império. Rio de Janeiro, Record, 2006.

HIRATA, Helena; GUIMARÃES, Nadya Araújo (Eds.). Cuidado e cuidadoras: as várias faces do trabalho do care. São Paulo, Atlas, 2012.

HOCHSCHILD, Arlie Russell. The Managed Heart. Commercialization of Human Feeling. Berkeley CA, University of California Press, 2003 [1984].

ISAACSON, Walter. Steve Jobs. A biografia. Rio de Janeiro, Companhia das Letras, 2011.

LORENZ, Renate; KUSTER, Brigitta. sexuell arbeiten – eine queere perspektive auf arbeit und prekäres leben. Berlin, b_books, 2007.

MASSUMI, Brian. Parables for the Virtual: Movement, Affect, Sensation. Durham, NC, Duke University Press, 2002.

MCCLINTOCK, Anne. Couro Imperial. Raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas, Editora Unicamp, 2010.

MCROBBIE, Angela. Reflections on Feminism and Immaterial labour. New Formations (70), London, Goldsmiths Research Online, 2010, pp.60- 76.

MOUTINHO, Laura. Negociando com a adversidade: reflexões sobre “raça”, (homos)sexualidade e desigualdade social no Rio de Janeiro. Revista Estudos Feministas (14), Florianópolis, 2006, pp.103-116.

PISCITELLI, Adriana. Corporalidade em confronto. Revista Brasileira de Ciências Sociais (22), 2007, pp.17-32.

______. As fronteiras da transgressão: a demanda por brasileiras na indústria do sexo na Espanha. Sexualidad, Salud y Sociedad - Revista Latinoamericana (1), CLAM-UERJ, Rio de Janeiro, 2009, pp.177- 201.

PORTAL Educação. Técnicas de rapport. Artigos Administração e Gestão. 14 de fevereiro, 2013 [http://www.portaleducacao.com.br/educacao/artigos/ 33461/tecnicasde-rapport – acesso em: 29 jun 2014]. PRECIADO, Beatriz. Testo Yonqui. Madrid, Espasa, 2008.

SARAIVA, Luiz Alex; IRIGARAY, Hélio Arthur. Políticas de diversidade nas organizações: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas (49), São Paulo, 2009, pp.337-348.

SCHMITZ, Sigrid; AHMED, Sara. Affect/Emotion: Orientation Matters. Freiburger Zeitschrift für GeschlechterStudien (20), Freiburg, 2014, pp.97-108.

SOARES, Angelo. Les émotionsdans le travail. Revue internationale de psychopathologie et de psychodynamique du travail (9), Paris, 2002, pp.9-18.

SHAMOON, Sumaira; TEHSEEN Saiqa. Brand Management: What Next? Interdisciplinary Journal Of Contemporary Research In Business 2 (12), Canterbury and Western Cape, 2011, pp.435–441.

VARGAS, Sonia Regina. Transformações da subjetividade no exercício do trabalho imaterial. Estudos e Pesquisas em Psicologia (2), Rio de Janeiro, UERJ, 2009, pp.512-524.

Publicado
2016-04-27
Como Citar
Wasser, N. (2016). Afetos ao trabalho – notas sobre a sedução da subjetividade em uma empresa brasileira de moda. Cadernos Pagu, (45), 401-426. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645267