Mulheres-visitadoras, mulheres voluntárias, mulheres da comunidade: o conhecimento como estratégia de diferenciação de sujeitos de gênero*

  • Carin Klein Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Dagmar Estermann Meyer Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: Conhecimento. Gênero. Políticas públicas

Resumo

O artigo desdobra-se de uma tese de doutorado (Klein, 2010) que analisou uma política pública voltada para a promoção de uma Primeira Infância Melhor (PIM/RS, Brasil), tomando-a como uma instância pedagógica que pretende educar e regular mulheres e homens como mães e pais de determinados tipos. De forma específica, focalizam-se, aqui, na perspectiva dos estudos de gênero e dos estudos foucaultianos, os sentidos articulados ao uso do termo conhecimento e seus efeitos sobre a produção de três posições de sujeito (mulheres-visitadoras, mulheres-voluntárias, mulheres da comunidade) que tal política promove.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carin Klein, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos); Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professora do Curso de Pedagogia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), em São Leopoldo/RS. Integrante do Grupo Técnico Municipal (GTM) do Primeira Infância Melhor (PIM), em Canoas/RS, e do Grupo de Estudos de Educação e Relações de Gênero (GEERGE), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.
Dagmar Estermann Meyer, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Professora colaboradora convidada no Programa de Pós-graduação em Educação, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Referências

ANDRADE, Sandra. Juventudes e processos de escolarização: uma abordagem cultural. Tese de doutorado, Educação, UFRGS, 2008.

EWALD, François. Foucault, a norma e o direito. Lisboa, Vega, 1993.

FLEISCHER, Soraya. Bolsas, livros, camisetas e certificados. Ou o que as parteiras de Melgaço têm a dizer sobre os cursos de treinamentos. In: Simpósio Temático – Parto e Maternidade: profissionalização, assistência, políticas públicas. Anais do VII Seminário Fazendo Gênero, Florianópolis, 2006 [http://www.fazendogenero.ufsc.br/7/artigos/S/Soraya_Fleischer_26.pd f].

FONSECA, Claudia. Quando cada caso não é um caso: Pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação (10), Rio de Janeiro, Anped, 1999, pp.58-78.

KLAUS, Viviane. A família na escola: uma aliança produtiva. Dissertação de mestrado, Educação, UFRGS, 2004.

KLEIN, Carin e MEYER, Dagmar. Paternidades e maternidades nas propostas do Primeira Infância Melhor. In: STREY, Marlene Neves et al. (org.). Encenando o gênero: cultura, arte e comunicação. Porto Alegre, EDIPUCRS, 2008, pp.93-132.

KLEIN, Carin. Biopolíticas de inclusão social e produção de maternidades e paternidades para uma “infância melhor”. Tese de doutorado, Educação, UFRGS, 2010.

MACHADO, Roberto. Introdução: por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1993, pp.VII-XXIII. MEYER, Dagmar et al. A educação “da família” como estratégia governamental de inclusão social: um estudo situado na interface dos estudos culturais, de gênero e de vulnerabilidade. Relatório de pesquisa, Educação, UFRGS, 2008.

MEYER, Dagmar. Corpo, saúde e gênero: fragmentos de histórias sobre corpos e vidas maternas. In: TORNQUIST, Carmen et al. (org.). Leituras de resistência: corpo, violência e poder. vol. II. Florianópolis, Ed. Mulheres, 2009, pp.81-103.

PARAÍSO, Marlucy. Raciocínios genereficados no currículo escolar e possibilidades de aprender. In: LEITE, Carlinda et al. (org.). Políticas, fundamentos e práticas do currículo. Porto, Porto Editora, 2011, pp.147-160.

PEREIRA NETO, Francisco. Assistência social e caridade em Porto Alegre. In: FONSECA, Claudia e BRITES, Jurema (org.). Etnografias da participação. Santa Cruz do Sul, Edunisc, 2006, pp.109-135.

RIO Grande do Sul. Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Programa Primeira Infância Melhor. Guia da família. Porto Alegre, Relâmpago, 2007a.

______. Secretaria da Saúde do Estado do Rio Grande do Sul. Programa Primeira Infância Melhor. Guia de orientação para GTM, monitor e visitador. Contribuições para políticas na área do desenvolvimento infantil. Porto Alegre, Relâmpago, 2007b.

______. Lei estadual n. 12.544, de 3 de julho de 2006. Institui o Programa Primeira Infância Melhor – PIM. Porto Alegre, RS, Ministério Público.

[http://www.mp.rs.gov.br/infancia/legislacao/id3192.htm – acesso em: 5 out. 2012].

SCHUCH, Patrice. Amor, paz e harmonia em assuntos de justiça: o Brasil e os princípios internacionais dos direitos da criança e do adolescente. In: FONSECA, Claudia e SCHUCH, Patrice (org.). Políticas de proteção à infância: um olhar antropológico. Porto Alegre, Editora da UFRGS, 2009, pp.253-272.

WALKERDINE, Valerie. O raciocínio em tempos pós-modernos. Educação & Realidade 20 (2), Porto Alegre, 1995, pp.207-226.

Publicado
2016-04-27
Como Citar
Klein, C., & Meyer, D. E. (2016). Mulheres-visitadoras, mulheres voluntárias, mulheres da comunidade: o conhecimento como estratégia de diferenciação de sujeitos de gênero*. Cadernos Pagu, (45), 427-455. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8645278