Desvendando sexos, produzindo gêneros e medicamentos: a promoção das descobertas científicas em torno da ocitocina

Autores

  • Fabíola Rohden Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Fernanda Vecchi Alzuguir Universidade Federal do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Sexualidade. Gênero. Medicamentos. Ocitocina. Hormônios

Resumo

Considerando a interconexão entre gênero e ciência no quadro mais geral de medicalização das sexualidades feminina e masculina, este artigo discute a promoção da ocitocina como novo artefato tecnológico, capaz de capitanear, ao mesmo tempo, as explicações acerca das supostas diferenças biológicas entre os sexos e as expectativas de aprimoramento individual. O foco de investigação é a divulgação de descobertas científicas em torno da ocitocina em diferentes veículos de comunicação no Brasil. Trata-se de apresentar de que maneira a celebrização da ocitocina como componente central de uma bioquímica do amor se inscreve dentro do processo mais amplo de fabricação de dois corpos hormonais distintos e complementares a serviço da reprodução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabíola Rohden, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS Brasil.

Fernanda Vecchi Alzuguir, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Adjunta do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Referências

PERGUNTAS curiosas sobre desejo. Superinteressante, edição 307a, agosto 2012 [http://super.abril.com.br/comportamento/8-perguntascuriosas-sobre-desejo – acesso em 12 fev 2016].

PERGUNTAS curiosas sobre o orgasmo: A conspiração física e emocional que leva multidões ao delírio. Superinteressante, edição 307a, agosto 2012 [http://super.abril.com.br/comportamento/10-perguntas-curiosas-sobre-orgasm – acesso em 15 fev 2016].

A AÇÃO do hormônio bioidêntico oxitocina e o sistema nervoso central. Clinica Higashi, março 2013 [http://www.estimulacaoneurologica.com.br/noticias/73/a-acao-dohormonio-bioidentico-oxitocina-e-o-sistema-nervoso-central.html– acesso em 16 fev 2016].

A CIÊNCIA do namoro. Veja, edição 2325, junho 2013, p. 8 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx –acesso em 16 fev 2016].

A FUSÃO dos corpos, sexo: O ato sexual é o momento decisivo para a sobrevivência da espécie. E um dos mais maravilhosos, também. Superinteressante, edição 145, outubro 1999

[http://super.abril.com.br/ciencia/a-fusao-dos-corpos-sexo – acesso em 15 fev 2016].

ABORDAGEM para as dificuldades de ejaculação, chamada de "Ejaculação Retardada". Uroblogay, maio 2014 [http://uroblogay.blogspot.com.br/2014/05/abordagem-para-asdificuldades-de.html– acesso em 16 fev 2016].

ALQUIMIA corporal - A oxitocina e seus efeitos na saúde. Portugal Mundial, junho 2013 [http://portugalmundial.com/2013/06/alquimiacorporal-a-oxitocina-e-os-seus-efeitos-na-saude/#- acesso em 16 fev 2016].

AMOR em cápsulas... ou spray nasal, gota sublingual, perfume. Glamour, fevereiro, 2013 [http://revistaglamour.globo.com/AmorSexo/noticia/2013/02/amor-em-capsulas-ou-spray-nasal-gotasublingual-perfume.html– acesso 20 fev 2016].

BAIXOS níveis de oxitocina no pós-parto podem estar ligados a um vínculo fraco de mãe com filha. O Globo, outubro 2014 [http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/baixos-niveis-de-oxitocinano-pos-parto-podem-estar-ligados-um-vinculo-fraco-de-mae-comfilha-14125626#ixzz3FBV4M61q– acesso em 16 fev 2016].

BALLANTYNE, Coco. Hormônio do amor. Scientific American Brasil, s/d [http://www2.uol.com.br/sciam/noticias/hormonio_do_amor.html – acesso em 16 fev 2016].

BIOMEDICINA estética. Spray nasal de ocitocina reduz o consumo de calorias em homens. Fontanive, março 2015 [http://tia427.wix.com/tiagofontanive#!Spray-nasal-de-ocitocinareduz-o-consumo-de-calorias-emhomens/c1osa/550a1d9d0cf2393ebb32c486–acesso em 16 fev

.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. Nova Iorque/Londres, Routledge, 1993.

BUTLER, Judith. Corpos que Pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’. In: LOURO, Guacira Louro (org.). O Corpo Educado. Pedagogias da Sexualidade. Belo Horizonte, Autêntica, 1999, pp.151-172.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Humain, inhumain: le travail critique des normes. Entretiens. Paris, Éditions Amsterdam, 2005.

CALLEGARI, Jeanne. Amor, o início: Você perde o sono, a fome, sobe às nuvens e sente a vida virar de ponta-cabeça. Mas o que, afinal, faz com que uma pessoa se apaixone por outra? Superinteressante, edição 278, maio 2010 [http://super.abril.com.br/ciencia/amor-oinicio

– acesso em 15 fev 2016].

CALLON, Michel; LAW, John. On interests and their transformation: enrollment and counter-enrollment. Social Studies of Science, vol. 12, 1982, pp.615-625.

CALLON, Michel. Some elements of a Sociology of Translation: domestication of the scallops and the fishermen of St. Brieuc Bay. In: LAW, J. (ed.). Power, action and belief: Sociological Review Monograph (32), London, Routledge & Kegan Paul, 1985, pp.196-230.

CASTRO, Carol; VAN DEURSEN, Felipe. Amor de farmácia: como a ciência está metendo o bedelho nos relacionamentos. Superinteressante, edição 311, novembro 2012 [http://super.abril.com.br/ciencia/amorde-farmacia-como-a-ciencia-esta-metendo-o-bedelho-nosrelacionamentos – acesso em 12 fev 2016].

CIENTISTAS alemães identificam o ‘hormônio da fidelidade’. O Globo, novembro 2012 [http://oglobo.globo.com/sociedade/ciencia/cientistasalemaes-identificam-hormonio-da-fidelidade-6732567 – acesso em 16 fev 2016].

CLARKE, Adele E. et alii (eds.). Biomedicalization: Technoscience and Transformations of Health and Illness in the U.S. Durham, Duke University Press, 2010.

COMO fazer alguém se apaixonar por você. Veja, edição 2409, janeiro 2015, p.6 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx –acesso em 18 fev 2016].

CONRAD, Peter. Medicalization of society: on the transformation of human conditions into treatable disorders. Baltimore, The Johns Hopkins Univ. Press, 2007.

COSTA, Camila; GATTARONI, Bruno. Por que fazemos amigos? Superinteressante, edição 288, fevereiro 2011 [http://super.abril.com.br/comportamento/por-que-fazemos-amigos – acesso em 15 fev 2016].

COSTA, Camila. Sexo no laboratório: A surpreendente história das pesquisas científicas sobre aquilo que muita gente faz, mas poucos sabem como funciona. Superinteressante, edição 255, agosto 2008 [http://super.abril.com.br/ciencia/pocao-do-amor – acesso em 15 fev 2016].

CUMINALE, Natalia; LOPES, Adriana D. Hormônios – Eles comandam tudo, do humor ao emagrecimento. Veja, edição 2283, agosto 2012, pp.88-95 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

CUNHA, Tatiana. Você conhece a oxitocina, o hormônio do amor?Exame, maio, 2013 [http://exame.abril.com.br/estilo-devida/noticias/voce-conhece-a-oxitocina-o-hormonio-do-amor – acesso em 16 fev 2016].

DUMIT, Joseph. Drugs for life: How Pharmaceutical Companies Define Our Health. Duke University Press/Durham and London, 2012.

FAFÁ, Lorena. Oxitocina: o hormônio do amor e do sexo. Gazeta Online, dezembro, 2011

[http://gazetaonline.globo.com/_conteudo/2011/12/a_gazeta/indice/vida/1050121-oxitocina-o-hormonio-do-amor-e-do-sexo.html – acesso em 16 fev 2016].

FAUSTO-STERLING, Anne. Myths of the gender: biological theories about women and men. New York, Basic Books, 1992 [1985].

FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. cadernos pagu (17-18), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 2002, pp.9-79.

FIGUEIREDO, Paula Taciana. Ocitocina, mais que o hormônio do prazer. Saúde e Bem-estar, junho 2012 [http://drapaulafigueiredo.blogspot.com.br/2012/06/ocitocina-maisque-apenas-o-hormonio-do.html – acesso em 16 fev 2016].

FISHMAN, Jennifer. R. Manufacturing desire: the commodification of female sexual dysfunction. Social Studies of Science 34 (2), 2004, pp.187-218.

FLECK, Ludwik. Gênese e Desenvolvimento de um Fato Científico. Belo Horizonte, Fabrefactum, 2010.

FONSECA, Claudia; ROHDEN, Fabiola; MACHADO, Paula Sandrine. Ciências na vida: antropologia da ciência em perspectiva. São Paulo, Terceiro Nome, 2012.

FRIEDMAN, Richard A. The New York Times/ Traduzido por: Celso Paciornik. A infidelidade espreita dos genes. Estadão, junho 2015 [http://vida-estilo.estadao.com.br/noticias/comportamento,ainfidelidade-espreita-dos-genes,1705380– acesso em 12 fev 2016].

GASTARONI, Bruno; NOGUEIRA, Salvador. "Hormônio do amor" pode curar alcoolismo. Superinteressante, edição 312, dezembro 2012 [http://super.abril.com.br/ciencia/hormonio-do-amor-pode-curaralcoolismo – acesso em 12 fev 2016].

GRABAUSKA, Fernanda. Conheça o hormônio que determina sua capacidade de amar desde o nascimento. Zero Hora, agosto 2014 [http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e estilo/noticia/2014/08/conheca-ohormonio-que-determina-sua-cap – acesso em 16 fev 2016].

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. cadernos pagu (5), Campinas-SP, Núcleo de Estudos de Gênero-Pagu/Unicamp, 1995, pp.7-42.

HIRD, Myra J. Feminist engagements with matter. Feminist Studies 35 (2), 2009, pp.329-346.

HIRD, Myra J.; ROBERTS, Celia. Feminism theorises the nonhuman. Feminist Theory 12 (2), 2011, pp.109-117.

HORMÔNIO do amor faz homens verem suas mulheres como mais atraentes. Uol Noticias, Ciência e Saúde, novembro 2013 [http://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimasnoticias/efe/2013/11/27/hormonio-do-amor-faz-homens-verem-suasmulheres-como-mais-atraentes.htm – 16 fev 2016].

“HORMÔNIO do amor” pode ajudar a combater anorexia. Veja, março 2014 [http://veja.abril.com.br/noticia/saude/hormonio-do-amor-podeajudar-a-combater-anorexia – acesso em 18 fev 2016].

“HORMÔNIO do amor” pode ajudar na perda de peso. Veja, junho 2012 [http://veja.abril.com.br/noticia/saude/hormonio-do-amor-podeajudar-na-perda-de-peso

– acesso em 18 fev 2016

“HORMÔNIO do amor” pode despertar sentimentos negativos. Veja, agosto 2011 [http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/hormonio-doamor-pode-despertar-sentimentos-negativos – acesso em 18 fev 2016].

JASANOFF, Sheila. States of knowledge: the co-production of science and social order. New York, Routledge, 2004.

JIMENEZ, Gabriele. Filhos? Não, obrigada. Veja, edição 2323, maio 2013, pp. 114-120 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

KIRBY, Vicki; WILSON, Elizabeth A. Feminist conversations with V. Kirby and E. A. Wilson. Feminist Theory 12 (2), 2011, pp.227-234.

LATOUR, Bruno. Science in action. Cambridge, Harvard University Press, 1987.

LATOUR, Bruno. Reassembling the social: an introduction to actornetwork theory. New York, Oxford University Press, 2005.

LAW, John. Technology, closure and heterogeneous engineering: the case of the Portuguese expansion. In: BIJKER, W., PINCH, T. and HUGUES, T.P. (eds.). The social construction of technological systems. Cambridge, MIT Press, 1987, pp.111-134.

LIMA, Thiago Ferreira. Oxitocina: hormônio do amor. Visia, março 2012 [http://www.clinicavisia.com.br/noticias/oxitocina---hormonio-doamor.asp – acesso em 16 fev 2016].

LOIOLA, Rita. Quer se apaixonar (e ser correspondido)? A ciência ensina como. Veja, janeiro 2015 [http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/quer-se-apaixonar-e-sercorrespondido-a-ciencia-ensina-como– acesso em 18 fev 2016].

LOIOLA, Rita. A matemática do amor. Veja, edição 2426, maio 2015, pp. 88-91 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 18 fev 2016].

LOPES, Adriana Dias. O segredo da paz e do amor: Os estudos com a oxitocina, a substância que rege os vínculos afetivos, comprovam a grande influência dos hormônios sobre o comportamento humano. Veja, edição 2243, novembro 2011, pp.108-114

[http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

LOPES, Reinaldo José. Poção do amor: Macumbeiros e cartomantes na fila do desemprego? Pode apostar, dizem alguns neurobiólogos. Superinteressante, edição 265a, maio 2009

[http://super.abril.com.br/ciencia/pocao-do-amor – acesso em 15 fev 2016].

LUCÍRIO, Ivonete D. Farmácia do prazer. Superinteressante, edição 132, setembro 1998 [http://super.abril.com.br/ciencia/farmacia-do-prazer –acesso em 15 fev 2016].

MAGALHÃES, Naiara. A substância do amor: Como funciona a oxitocina, responsável por estabelecer e reforçar os vínculos afetivos entre mãe e filho – e entre amigos, namorados, amantes.... Veja, edição 2164, maio 2010, pp.134-136 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

MAGALHÃES, Naiara. O ABC dos sentimentos: As descobertas da neurociência sobre a química das emoções mostram como elas são fundamentais também para as decisões movidas pela razão. Veja, edição 2184, setembro 2010, pp.128-136 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

MARSHALL, Barbara. Science, medicine and virility surveillance: “sexy seniors” in the pharmaceutical imagination. Sociology of Health & Illness 32 (2), 2010, pp.211-224.

MARTIN, Emily. The Pharmaceutical Person. BioSocieties, vol. 1, 2006, pp. 273-287.

MARTIN, Emily. Bipolar Expeditions: mania and depression in American culture. Princeton, Princeton University Press, 2007.

MENDES, Aline. Oxitocina: a química do amor. Papo Feminino, setembro, 2010 [http://papofeminino.uol.com.br/mulher/amor-esexo/oxitocina-a-quimica-do-amor/ - acesso em 16 fev 2016].

MURAYAMA, Bárbara. Entenda como a ocitocina sintética é usada no parto normal. Minha vida, janeiro 2014 [http://www.minhavida.com.br/familia/materias/17193-entenda-como-a-ocitocina-sintetica-e-usada-no-parto-normal – acesso em 16 fev 2016].

O BARATO total: O amor romântico existe, causa deliciosas reações químicas e pode até criar dependência. Veja, edição 1291, junho 1993, pp. 78-81 [http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx – acesso em 16 fev 2016].

O PODER da ocitocina. Me cuidando, fevereiro, 2012 [http://mecuidando.blogspot.com.br/2012/02/o-poder-da-ocitocina.html – acesso em 16 fev 2016].

OCITOCINA, a verdadeira droga do amor. Apotheka, s/d http://www.farmapotheka.com.br/noticias/ocitocina_a_verdadeira_droga_do_amor_4e2d – acesso em 16 fev 2016].

OCITOCINA – mais que apenas o hormônio do prazer. Musculação total, dezembro 2012

[http://www.musculacaototal.com.br/forum/viewtopic.php?f=23&t=9175&mobile=on – acesso em 16 fev 2016].

OCITOCINA: muito além do hormônio do amor. Labchecap, s/d [http://m.mdemulher.abril.com.br/saude/saude/ocitocina-muito-alemde-hormonio-do-amor – acesso em 16 fev 2016].

OCITOCINA, o “hormônio do amor”, tem propriedades antienvelhecimento. Zero Hora, abril 2014 [http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/vida/bemestar/noticia/2014/06/ocitocina-o-hormonio-do-amor-tempropriedades-de-antienvelhecimento-4527108.html – acesso em 16 fev 2016].

OLIVEIRA, Lúcia Helena de; PAPAROUNIS, Demetrius. O curto-circuito do orgasmo: como funciona o prazer humano. Superinteressante, edição 74, novembro, 1993 [http://super.abril.com.br/ciencia/o-curto-circuitodo-orgasmo-como-funciona-o-prazer –humano – acesso em 15 fev 2016].

OUDSHOORN, Nelly. Beyond the natural body: an archeology of sex hormones. London, Routledge, 1994.

OUDSHOORN, Nelly. The male pill: a biography of technology in the making. Durham, Duke University Press, 2003.

OUDSHOORN, Nelly. Astronauts in the sperm world: the renegociation of masculine identities in discourses on male contraceptives. Men and masculinity 6 (4), 2004, pp.349-367.

OUDSHOORN, Nelly; PINCH, Trevor (ed.). How Users Matter: The CoConstruction of Users and Technology. Cambridge, MA, MIT Press, 2003.

OXYTOCIN Factor 7.5 ml. Sublingual Drops (Mint) - from ABC Nutriceuticals, Inc. [http://www.amazon.com/Oxytocin-FactorSublingual-Drops-Mint/dp/B006X4M9AG - acesso em 19 fev 2016].

OXYTOCIN Factor. [https://www.oxytocinfactor.co/ - acesso em 19 fev 2016].

OXITOCINA e o amor? Glamour, março, 2013 [http://esquentandooclima.blogspot.com.br/2013/03/a-oxitocina-e-oamor.html – acesso em 16 fev 2016].

OXITOCINA, o hormônio do amor tem duas caras. Diário da Saúde, agosto 2013 [http://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=oxitocinahormonio-do-amor&id=9083 – acesso 16 fev 2016].

OXITOCINA diminui vontade de petiscar. Mente e Cérebro, junho 2014 [http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/oxitocina_diminui_vontade_de_petiscar.html –acesso em 20 fev 2016].

OXITOCINA pode melhorar habilidades sociais de crianças autistas. Veja, dezembro 2013 [http://veja.abril.com.br/noticia/saude/oxitocina-podemelhorar-habilidades-sociais-de -criancas-autistas – acesso em 18 fev 2016].

OXICITOCINA sublingual, Oxytocin Factor, 7.5ml. [http://querotudonatural.com.br/Produto-Alimentos-FuncionaisDepressao--Ansiedade-Oxicitocina-Sublingual-Oxytocin-Factor -75mlversao-1157-1158.aspx – acesso em 19 fev 2016].

PADALINO, Luiz Fernando. Ocitocina – a fantástica molécula (vídeo 40 minutos de duração). Youtube, fevereiro 2015 - Canal de Luiz Fernando Padalino, [https://www.youtube.com/watch?v=gDEeoNcqCNo – acesso em 16 fev 2016].

PENCHEL, Lucas. Spray nasal de ocitocina reduz o consumo de calorias? Dicas do Dr. Fashion Blogger, maio 2015 [http://viviribeiro.com.br/novo/spray-nasal-de-ocitocina-reduz-oconsumo-de-carorias-dicas-do-dr/ – acesso em 16 fev 2016].

PESQUISA usa 'hormônio do amor' para atacar os sintomas da depressão. Veja, fevereiro 2012 [http://veja.abril.com.br/noticia/saude/pesquisausa-hormonio-do-amor-para-atacar-sintomas-da-depressao– acesso em 18 fev 2016]

PETTA, Rosângela. Ciência do desejo. Superinteressante, edição 105, junho 1996 [http://super.abril.com.br/ciencia/ciencia-do-desejo – acesso em 15 fev 2016].

PORTNER, Martin. Explosões de prazer. Mente e Cérebro, junho 2007 [http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/explosoes_de_prazer.htm – acesso em 20 fev 2016].

ROBERTS, Celia. Messengers of Sex: Hormones, biomedicine and feminism. New York, Cambridge University Press, 2007.

ROCHEDO, Aline. A química da paixão. Superinteressante, maio 2015 [http://super.abril.com.br/comportamento/a-quimica-da-paixao – acesso em 15 fev 2016].

ROHDEN, Fabíola. O império dos hormônios e a constituição da diferença entre os sexos. História, ciências, saúde – Manguinhos. Rio de Janeiro, vol.15, 2008, pp.133-152.

ROHDEN, Fabíola. Uma ciência da diferença: sexo e gênero na medicina da mulher. 2ª. Ed., Rio de Janeiro, FIOCRUZ, 2009.

ROHDEN, Fabíola. Diferenças de gênero e medicalização da sexualidade na criação do diagnóstico das disfunções sexuais. Revista Estudos Feministas 17 (1), 2009, pp.89-109.

ROHDEN, Fabíola. “O homem é mesmo a sua testosterona”: promoção da andropausa e representações sobre sexualidade e envelhecimento no cenário brasileiro. Horizontes Antropológicos 17 (35), 2011, pp.161-196.

ROHDEN, Fabíola. Prescrições de gênero via autoajuda científica: manual para usar a natureza? In: FONSECA, Claudia; ROHDEN, Fabíola; MACHADO, Paula Sandrine. Ciências na vida: antropologia da ciência em perspectiva. São Paulo, Terceiro Nome, 2012, pp.229-251.

ROSE, Nicolas. The politics of life itself: biomedicine, power, subjectivity in the twenty-first century. Princeton, Princeton University Press, 2007.

ROSENBERG, Charles E. The tyranny of diagnosis: specific entities and individual experience. The Milbank Quartely. 80 (2), 2002, pp.237-259.

RUSSO, Jane et alii. Clinical sexology in contemporary Brazil: the professional dispute among divergent medical views on gender and sexuality. International Journal of Sexual Health, vol.25, 2013, pp.59-74.

SEIDICIAS, Sheila. Ocitocina. Tua Saúde, s/d [http://www.tuasaude.com/ocitocina/ - acesso em 16 fev 2016].

SEMELHANÇAS entre a ocitocina e o álcool. Mente e Cérebro, novembro 2015 [http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/semelhancas_entre_a_ocitocina_e_o_alcool.html – acesso em 20 fev 2016].

SOALHEIRO, Bárbara. Amor no laboratório: Eles já mapearam parte do estrago que ele causa ao nosso cérebro e até encontraram um hormônio que seria um verdadeiro elixir do amor. Superinteressante, edição 193, outubro 2003 [http://super.abril.com.br/ciencia/amor-nolaboratorio – acesso em 16 fev 2016].

SPINK, Mary J. P. Cérebro, self e sociedade: uma conversa com Nikolas Rose. Physis 20 (1), 2010, pp.301-324.

STAR, S. L.; GRIESEMER, J. R. Institutional ecology, “translations” and boundary objects: amateurs and professionals in Berkeley’s Museum of Vertebrate Zoology, 1907-39. Social Studies of Science 19 (3), London, 1989, pp.387-420.

VERSIGNASSI, Alexandre. Paixão é cocaína, sexo é rivotril. Superinteressante, maio 2013

[http://super.abril.com.br/blogs/crash/parece-amor-mas-e-so-rivotril/ – acesso em 15 fev 2016].

VERSIGNASSI, Alexandre. Ter filhos deixa as mulheres mais inteligentes Superinteressante, janeiro 2016 [http://super.abril.com.br/ciencia/terfilhos-deixa-as-mulheres-mais-inteligentes - acesso em 15 fev 2016].

VÍNCULO com a mãe influi nas escolhas e no humor. Mente e Cérebro, novembro 2010 [http://www2.uol.com.br/vivermente/noticias/vinculo_com_a_mae_influi_nas_escolhas_e_no_humor.html – acesso em 20 fev 2016].

WILLIAMS, Simon J.; MARTIN, Paul; GABE, Jonathan. The pharmaceuticalisation of society? A framework for analysis. Sociology of Health & Illness 33 (5), 2011, pp.710-725.

WILSON, Elizabeth A. Psychosomatic: feminism and the neurological body. Durham, Duke University Press, 2004.

YARAK, Aretha. Oxitocina, a molécula da moral. Veja, junho 2012 [http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/oxitocina-a-molecula-da-moral – acesso em 18 fev 2016].

YARAK, Aretha; ROSA, Guilherme. A química do amor. Veja, junho 2013 [http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/a-quimica-do-amor – acesso em 16 fev 2016].

ZAK, Paul J. A neurobiologia da confiança. Mente e Cérebro, setembro 2009 [http://www2.uol.com.br/sciam/reportagens/a_neurobiologia_da_confianca.html – acesso em 20 fev 2016].

Publicado

2016-11-18

Como Citar

ROHDEN, F.; ALZUGUIR, F. V. Desvendando sexos, produzindo gêneros e medicamentos: a promoção das descobertas científicas em torno da ocitocina. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 48, p. 39–83, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8647580. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê