A rebeldia do cinema de mulheres no Brasil

os desafios de Maria do Rosário Nascimento e Silva, em anos de ditadura civil-militar

Autores

Palavras-chave:

Cinema de mulheres, Cinema-Menor, Lesbianidade, Ditadura

Resumo

No artigo aborda-se o longa-metragem, de ficção, “Marcados para viver”, da cineasta brasileira Maria do Rosário Nascimento e Silva (1949-2010), lançado em 1976. Este filme inova, entre outros aspectos, ao ser protagonizado por uma personagem cujas identidades, sexual e de gênero, não se fixam na lógica binária masculino/feminino. Parte-se da perspectiva de Alison Butler sobre o que considera o cinema de mulheres como “cinema menor” e, em que a condição de marginal, de periférico ou de minoritário lhe engendra a potência criativa de inventar outros espaços, outras consciências e sensibilidades. Complementa-se, em outra chave, com os apontamentos de Patrícia White sobre o “cinema menor lesbiano”. A denominação “cinema de mulheres”, muito utilizada nos anos 1970, inclusive no Brasil, para se referir a filmes realizados por mulheres, constitui, na teoria feminista, designação eminentemente política para demarcar o campo e determinados sujeitos, não configurando qualquer defesa essencialista da categoria “mulheres”. Neste artigo, analisa-se o primeiro filme ficcional brasileiro, realizado por uma mulher, a levar para as telas uma personagem lésbica, destacando sua recepção na imprensa brasileira e na censura à época do lançamento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcilene Cavalcante de Oliveira, Universidade Federal de Goiás

Professora da Faculdade de História e colaboradora do PPGH da Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Referências

Bell hooks. Choosing the margin as a space of radical openness. Framework: The Journal of Cinema and Media, n. 36, 1989, pp.15- 23.

BESSA, Karla. “Como cheguei a ser o que sou”? Uma estética da torção em filmes das décadas de 60 e 70. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 25(1), janeiro-abril/2017, pp.291-315.

BUTLER, Alison. Women's cinema: the contested screen. London, Wallflower press, 2002.

CAVALCANTE, Alcilene. Cineastas brasileiras (feministas) durante a ditadura civil-militar. In: HOLANDA, Karla; TEDESCO, Marina (Org.). Feminino e plural: mulheres no cinema brasileiro. Campinas, Papirus, 2017, pp.59-76.

CAVALCANTE, Alcilene; HOLANDA, Karla. Feminino Plural: história, gênero e cinema no Brasil dos anos 1970. In: BRAGANÇA, Maurício; TEDESCO. Marina. (Orgs.) Corpos em projeção: gênero e sexualidade no cinema latino-americano. Rio de Janeiro, 7 Letras, 2013, pp.134-152.

CAVALCANTE, Alcilene. A lesbianidade nas telas brasileiras da transição democrática: o protagonismo de Amor maldito, de Adélia Sampaio. Mato Grosso, Revista eletrônica Documento/monumento. vol. 18, n. 1, 2016, pp.142-155 [https://www.ufmt.br/ndihr/revista/revistasanteriores/revista-dm-18.pdf – acesso em 20 de dezembro de 2018].

COLLING, Ana. A resistência da mulher à Ditadura Militar no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997.

COWAN, Benjamin. Homossexualidade, ideologia e “subversão” no regime militar. In: GREEN, James; QUINALHA, Renan. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos, EDUFSCAR, 2014, pp.27-52.

DCDP/MJ/NA/DF. Pareceres de técnicos de censura, fevereiro de 1976.

ESTEVES, Flávia. Sob os sentidos do político: história, gênero e poder no cinema de Ana Carolina (Mar de rosas, Das tripas coração e Sonho de valsa, 1977-1986). Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História da UFF, Niterói, 2007.

FERNANDES, Marisa. Lésbicas e a ditadura militar: uma luta contra a opressão e por liberdade. In: GREEN, James; QUINALHA, Renan. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos, EDUFSCAR, 2014, pp.125-148.

HEILBORN, Maria Luiza e SORJ, Bila. Estudos de gênero no Brasil, in: MICELI, Sérgio (Org.). O que ler na ciência social brasileira (1970- 1995), ANPOCS/CAPES. São Paulo, Editora Sumaré, 1999, pp.183- 221.

HOLANDA, Karla; TEDESCO, Marina (Org.) Feminino e plural: mulheres no cinema brasileiro. Campinas, Papirus, 2017.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/70. Rio de Janeiro, Aeroplano, 2004.

______. Os estudos sobre a mulher e literatura no Brasil: uma primeira avaliação. In: COSTA, Albertina; BRUSCHINI (Org.) Uma questão de gênero. Rio de Janeiro/São Paulo, Rosa dos Tempos/Fundação Carlos Chagas, 1992.

______ (Org.). Pensamento feminista brasileiro: formação e contexto. Rio de Janeiro, Bazar do tempo, 2019. JOHNSTON. Claire. Women‟s Cinema as Counter-Cinema. In: KAPLAN, Ann. Feminism and Film. New York, Oxford University Press, 2000, pp.22-33.

JOFFILY, Mariana. Os Nunca más no Cone Sul: gênero e repressão política. In: PEDRO, Joana; WOLFF, Cristina; VEIGA, Ana (Org.). Resistência, gênero e feminismos contra as ditaduras no Cone Sul. Florianópolis: Editora Mulheres, 2011, pp.213-232.

LAURETIS, Teresa de. Repensando el cine de mujeres. Teoría estética y feminista. Debate feminista, vol. 5, Ciudad de Mexico, 1992.

______. Diferencias: etapas de um caminho a través del feminismo. Cuadernos Inacabados, 35. Madrid, horas y Horas, 2000.

LESSA, Patrícia. Lesbianas em movimento: a criação de subjetividades – Brasil, 1979-2006. Tese de doutorado, Departamento de História da UNB, Brasília, 2007.

MARCELINO, Douglas Attila. Subversivos e pornográficos: censura de livros e diversões públicas nos anos 1970. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2011.

MERLINO, Tatiana; OJEDA, Igor. Direito à memória e à verdade: Luta, substantivo feminino. São Paulo, Editora Caros Amigos, 2010.

MILLÁN, Márgara. Derivas de un cinefemenino. México, UNAM-PUEG, 1999. MORENO, Antonio Nascimento. A personagem homossexual no cinema brasileiro. Dissertação de mestrado em artes, IA/UNICAMP, 1995.

MUNERATO, Elice; OLIVEIRA, Maria Helena Darcy. As musas da matinê. Rio de Janeiro, Edições Rioarte, 1982. NAVARRO SWAIN, Tânia. Lesbianismos, cartografia de uma interrogação revista Esboços, v. 23, n. 35, Florianópolis, 2016, pp.11- 24.

NOGUEIRA, Gilmaro; COLLING, Leandro. Homofobia, heterossexismo, heterossexualidade compulsório, heteronormatividade. In: COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro (Org.) Dicionário Crítico de Gênero. Dourados, Ed. UFGD, 2015.

OCANHA, Rafael. As rondas policiais de combate à homossexualidade na cidade de São Paulo (1976-1982). In: GREEN, James; QUINALHA, Renan. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos, EDUFSCAR, 2014, pp.149-176.

PEDRO, Joana; WOLFF, Cristina (Org.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis, Editora Mulheres, 2010.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: Feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas, Editora da Unicamp, 2013.

RICH, Adrienne. Compulsory Heterosexuality and Lesbian Existence. In: JACKSON, Stevi e SCOTT, Sue (ors.). Feminism and Sexuality, a Reader. New York, Columbia University Press, 1996.

RODRIGUES, Rita. De Denner a Chrisóstomo, a repressão invibilizada: as homossexualidades na ditadura. In: GREEN, James; QUINALHA, Renan. Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos, EDUFSCAR, 2014, pp.201-244.

ROSA, Susel Oliveira da. Da coragem feminista à coragem lésbica. Labrys, estudos feministas, janeiro /junho, 2011, pp.11-15. _

_____. Mulheres, ditaduras e memórias: “Não imagine que precise ser triste para ser militante”. São Paulo, Intermeios, 2013.

RUBIN, Gayle; BUTLER, Judith. Tráfico sexual – entrevista. cadernos pagu (21) 2003, pp.157-209.

SETEMY, Adrianna. Entre a revolução dos costumes e a ditadura militar: as dores e as cores de um país em convulsão. São Paulo, Letra e Voz, 2019.

SOARES, Gilberta; COSTA, Jussara. Movimento lésbico e Movimento feminista no Brasil: recuperando encontros e desencontros. Labrys, estudos feministas, julho /dezembro 2011 - janeiro /junho 2012, pp.1- 41.

SOIHET, Rachel. Feminismos e cultura política: uma questão no Rio de Janeiro dos anos 1970-1980. In: ABREU, Marta; SOIHET, Rachel; GONTIJO, Rebeca (Org.) Cultura política e leituras do passado: historiografia e ensino de história. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2007, pp.411-436.

______. Feminismos e antifeminismos: mulheres e suas lutas pela conquista da cidadania plena. Rio de Janeiro, 7 Letras, 2013.

TEGA, Danielle. Tempos de dizer, tempos de escutar: testemunhos de mulheres no Brasil e na Argentina. São Paulo, Intermeios, 2019.

VEIGA, Ana. Cineastas brasileiras em tempos de ditadura: cruzamentos, fugas, especificidades. Tese de doutorado, Programa de Pós- Graduação em História da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

WHITE, Patricia. UnInvited: classical hollywood cinema and lesbian representability. Bloomington, Indiana University Press, 1999.

______. Lesbian minor cinema. Screen, 49 (4), 2008, pp.410-425. WITTIG, Monique. O pensamento straight. In: PEDROSA, Adriano; REBOUÇAS, André (Orgs.) Histórias da sexualidade: antologia. São Paulo, Masp, 2017, pp.54-60.

Downloads

Publicado

2021-02-19

Como Citar

OLIVEIRA, A. C. de . A rebeldia do cinema de mulheres no Brasil: os desafios de Maria do Rosário Nascimento e Silva, em anos de ditadura civil-militar. Cadernos Pagu, Campinas, SP, n. 60, p. e206001, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8664557. Acesso em: 11 maio. 2021.

Edição

Seção

Dossiê