Globalização e processo de informalidade

  • Maria Cristina Cacciamali Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Processo de informalidade. Economia informal. Brasil – Mercado de trabalho. América Latina – Mercado de trabalho. Emprego e renda. Empregados sem registro

Resumo

Este artigo tem três objetivos. O primeiro é definir o conceito de Processo de Informalidade. O segundo é reinserir o conceito de Setor Informal na condição de um entre outros fenômeno derivados do Processo de Informalidade. E, finalmente, o terceiro, é analisar as diferentes determinações do emprego e da renda dos grupos de trabalhadores mais significativos que são revelados pelo Processo de Informalidade –assalariados sem registro e trabalhadores por conta própria. A construção do conceito de Processo de Informalidade é efetivada a partir dos elementos singulares da contemporaneidade capitalista – globalização; enquanto o conceito de Setor Informal é definido mantendo-se as características básicas estabelecidas pela literatura especializada desenvolvida nos anos 80. Os resultados deste estudo indicam que a categoria analítica Processo de Informalidade pode constituir-se em um instrumento relevante para analisar as mudanças nas relações de produção e nas formas de inserção do trabalho no capitalismo contemporâneo, bem como para apreender a necessidade e os requerimentos para transformar as instituições.

Abstract

This paper has three main purposes. The first one is present the Informal Process concept; the second one is reinsert the concept of Informal Sector as one of the phenomena derived from the Informal Process. Finally, the third one is analyze the elements that define the levels of employment and income for the main worker’s categories revealed by the Informal Process: unregistered employees and independent workers. The economic and social development singular elements of the contemporary capitalism in the last 30 years, especially in the last decade (globalization), are the base to construct the concept of the Informal Process. The Informal Sector concept, otherwise, is established sustaining the characteristics and principles developed in the specialized literature during the 80’s. The results of this study point out the Informal Process as an useful analytical category in order to analyze the changes in the relations of production and in the modes of laboral insertion in the capitalism contemporary, as well as to understand new institutions requirements and their construction.

Key words: Informal process. Informal economy. Brazilian labor market. Latin American labor market. Employment and income. Unregistred work

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Cacciamali, Universidade de São Paulo
Maria Cristina Cacciamali is PhD in Economics from the Faculty of Economics, Management and Accounting (FEA) of the University of São Paulo (USP), postgraduate at the Massachusetts Institute of Technology (MIT/USA), University of New Mexico (UNM/USA), Universidade do Porto (UP/Pr), Instituto Politécnico Nacional (IPN/Me) e Institute des Hautes Ètude de l'Àmerique Latine (IHEAL/Fr) and first level researcher of CNPq (Brazilian National Council for Scientific and Technological Development). Currently she teaches and does research at the University of São Paulo (Graduate and Undergraduate Programs); leads the Group of International Studies and Comparative Policies (Nespi-USP/CNPq); and is visiting professor at the Universidad de la República (UDELAR - Graduate Program on International Relations) in Uruguay

Referências

BALTAR, P.E., PRONI, M. W. Sobre o regime de trabalho no Brasil: rotatividade de mão-de-obra, emprego formal e estrutura salarial. In: MATTOSO, J. E. (Org). Crise e trabalho no Brasil: modernidade ou volta ao passado. São Paulo: Scritta, 1996.

CACCIAMALI, M. C. O setor informal urbano e formas de participação na produção. São Paulo: Ed. IPE, 1983.

________. Expansão do mercado de trabalho não regulamentado e setor informal no Brasil. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 19, número especial, 1989.

________. As economias informal e submersa: conceito e distribuição de renda. In: CAMARGO, J. M., GIAMBAGI, F. (Org.). Distribuição de renda no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1991.

________. Globalización y relaciones con el mercado de trabajo. Quadernos Americanos, Universidad Nacional, Autonóma de México, v. X, n. 6, p. 106-118, 1996.

________. Assalariamento ilegal no mercado de trabalho urbano da Grande São Paulo: características e evolução, 1985-1992. In: FIGUEREDO, J. B. (Comp.). Las instituciones laborales frente a los cambios en America Latina. Genebra: Instituto Internacional de Estudios Laborales, 1996. p. 219-233.

________. Desgaste da legislação laboral e ajustamento do mercado de trabalho no Brasil nos anos 90. In: POSTHUMA, A. (Org.). Brasil. Abertura e ajuste do mercado de trabalho no Brasil. Políticas para conciliar os desafios do emprego e competitividade. São Paulo: Ed. 34, 1999. p. 207-232.

________ et al. Desafios da modernização e setor informal urbano: o caso do Brasil. Lima, Peru: Oficina Internacional de la OIT para America Latina y Caribe, 1998. (Documento de Trabajo, n. 72).

________, LIMA BEZERRA, L. Produtividade e emprego industrial no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 51, n. 1, p. 77-91, 1997.

________, PIRES, J. M. As mudanças recentes na economia mundial e brasileira e as perspectivas para as micro e pequenas empresas. Estudos Econômicos, São Paulo, número especial, 1997.

CASTIGLIA et al. Sector informal: una aproximacion a su aporte al producto. Santiago: Equipo Tecnico Multidisciplinario, OIT, 1995. (Texto para Discussão, n. 10).

CEPAL. Panorama social en America Latina. Santiago de Chile: CEPAl/Naciones Unidas, 1997.

DOERINGER, P., PIORE, M. Internal labor markets and manpower analysis. Lexington, Massachusetts, DC: Heath and Company, 1971.

DUARTE, R., CAVALCANTI, C. O setor informal em Salvador: dimensões, natureza e significação. Recife: SUDENE/FUNDAJ, 1980a.

________,.________. A procura de espaço na economia urbana: o setor informal de Fortaleza, Recife: SUDENE/FUNDAJ, 1980b FIBGE. Economia informal urbana. Rio de Janeiro, 1993. (Mimeogr.). (Relatório da Pesquisa Piloto).

GERRY, C. Petty production and capitalist production in Dakar: the crisis of the self employed. World Development, n. 6, 1978.

HUSSMANS, R. Informal sector: statistical definition and survey methods. Genebra: OIT, Dec. 1997.

MERRICK, T. Employment and earnings in the informal sector in Brazil: the case of Belo Horizonte. Journal of Developing Areas, v. 10, n. 3, 1976.

MOSER, C. O. N. The informal sector re-worked: viability and vulnerability in urban development. Regional Development Dialogue, v. 5, n. 2, 1984.

________. Informal sector or petty commodity production: dualism or dependence in urban development? World Development, n. 6, 1978.

OIT. Employment, income and equality: a strategy for increasing employment in Kenya. Genebra, 1972.

________. 15a Conferência de estatísticas do trabalho. Genebra, Jan. 1993.

________. El empleo en el mundo – 1996-97. Las políticas nacionales en la era de la mundialização. Genebra: OIT, 1997.

ORELLANO, V. Um estudo dos determinantes da rotatividade de mão-de-obra na Região Metropolitana de São Paulo. São Paulo: USP. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, 1997. (Dissertação, Mestrado).

PORTES, A. et al. (Ed.). The informal economy. Studies in advanced and less developmente countries. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1989.

PREALC. La politica de empleo en America Latina. El Trimestre Economico, v. 41, n. 164, 1974.

________. Sector informal: funcionamento y politicas. Santiago, 1978.

RAKOWSKY, C. (Ed.). Contrapunto. The informal sector debate in Latin America. State University of New York Press, 1994.

SETHURAMAN, S. V. El sector urbano no formal: definicion, medicion y politicas, Revista Internacional del Trabajo, v. 94, n. 1, 1976.

SOUZA, A. V., ARAÚJO, P. T. Apoio às microempresas: o limite do possível. Massangana, Recife: SUDENE, 1983.

SOUZA, P. R. A determinação da taxa de salários em economia atrasadas. Campinas: UNICAMP. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 1980. (Tese, Doutorado)/ Salário e emprego em economias atrasadas. Campinas: UNICAMP. IE, 1999. (Coleção Teses).

TOKMAN, V. E. An exploration into the nature of informal-formal sector relationships World Development, v. 6, n. 9/10, 1978.

________. El sector informal 15 años después. El Trimestre Economico, jul./set. 1987.

TOKMAN, V. E., SOUZA, P. R. El sector informal urbano en America Latina. Revista Internacional del Trabajo, v. 94, n. 3, 1976.

________, ________. Distribución del ingresso, pobreza y empleo en areas urbanas. El Trimestre Economico, jan./abr. 1978.

Publicado
2016-01-28
Como Citar
Cacciamali, M. C. (2016). Globalização e processo de informalidade. Economia E Sociedade, 9(1), 153-174. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643124
Seção
Artigos