Desenvolvimento e estabilização sob finanças globalizadas

Autores

  • Luciano G. Coutinho Universidade Estadual de Campinas
  • Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Globalização. Política macroeconômica. Desenvolvimento econômico. Autonomia nacional

Resumo

As transformações nos mercados financeiros ocorridas nas últimas duas décadas estão submetendo as políticas macroeconômicas nacionais à tirania de expectativas volúveis. Países fortemente deficitários em conta corrente, dependentes do ingresso de capitais, tornam-se vulneráveis. Os superavitários e credores têm mais liberdade para praticar expansionismo fiscal e juros baixos, sem atrair a desconfiança dos especuladores. O objetivo do presente texto é de demonstrar que nem o desenvolvimento nem a estabilização estão automaticamente assegurados pela globalização. Esta, ao contrário, tende a submeter as economias em desenvolvimento – particularmente as deficitárias como as da América Latina – a novas armadilhas que poderão custar longos anos de sacrifício. Essa é a lição que nos oferece a decantada globalização: os países que buscaram preservar um espaço autônomo para as suas política macroeconômicas são capazes de sustentar taxas reais de juros baixas, administrar taxas de câmbio estimulantes, promover o avanço industrial e tecnológico, garantindo o robustecimento de seus grupos nacionais privados. A globalização, ao contrário do que predica o paradigma liberal, exige maior capacitação e maior poder de coordenação dos estados nacionais para engendrar condições favoráveis à competitividade, ao financiamento e à sustentabilidade dos processos de acumulação de capital com inovação tecnológica.

Abstract

The major transformations in financial markets over the last two decades are submitting national macroeconomic policies to the tyranny of fickle expectations. Countries which incur large current account deficits became vulnerable to reversals of capital inflows. Surplus and creditor countries enjoy greater freedom to practice fiscal expansionism and low interest rates without arousing the suspicion of speculators. The objective of this article is to point out that neither development more stabilization are automatically assured by stabilization. On the contrary, globalization may submit vulnerable economies – particularly the ones of Latin America – to new traps. This is the lesson to be learned from the much-vaunted globalization process: countries that have striven hard to preserve a degree of autonomy in which to conduct macroeconomic policy are capable of sustaining low real interest rates, managing attractive exchange rates, promoting industrial and technological progress, and thereby guaranteeing the fortification of local private enterprise. Contrary to the preaching of the liberal paradigm, globalization would require of nation-states greater capability and powers of coordination to engender conditions under which capital accumulation with technological innovation can be financed, sustained and made competitive.

Key-words: Globalization. Macroeconomic policy. Economic development. National autonomy

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano G. Coutinho, Universidade Estadual de Campinas

PhD em Economia pela Universidade Cornell (EUA), foi professor visitante nas Universidades de Paris XIII, do Texas e da USP, além de professor titular na Unicamp. Formou-se em Economia pela USP e, durante o curso, recebeu o prêmio Gastão Vidigal como melhor aluno de Economia de São Paulo.

Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo, Universidade de São Paulo

Formou-se em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 1965, e também estudou Ciências Sociais na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP. Ingressou no curso de pós-graduação em Desenvolvimento Econômico, promovido pela CEPAL/ILPES e graduou-se em 1969. Foi professor colaborador na Universidade Estadual de Campinas, onde doutorou-se em 1975 e tornou-se professor-titular em 1986. Entre 1974 e 1992, foi assessor econômico e secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda (1985-1987), durante o governo de José Sarney. De 1988 a 1990, foi secretário de Ciência e Tecnologia do estado de São Paulo, durante a gestão do falecido ex-governador Orestes Quércia.

Referências

AGLIETTA, M. Macroeconomie financière. Paris: La Decouverte, 1995.

DAVIS, E. P. Debt, financial fragility and systemic risk. rev. ed. Oxford: Clarendon Press, 1995.

DRUCKER, P. F. The frontier of management. New York: Trunan Talhy Books, 1989.

FREEMANN, C.; PEREZ, C. Structural crisis of adjustment, business cycles and investment behavior. In: DOSI, G. et al., ed. Technical change and economic theory London: Pinter Publishers, 1988.

INTERNATIONAL MONETARY FUND – IMF. International capital markets.

Development, Prospects and Key Policy Issues. Sept. 1996.

KREGEL, J.A. Global portfolio allocation, hedging and September 1992 in the European Monetary System. In: DAVIDSON, P.; KREGEL, J.A., ed. Employment growth and finance. Aldershot: Edward Elgar, 1994.

ORLEAN, A. Antecipations et conventions en situation d’incertitude. Cahiers d’Economie Politique, Paris, 1987.

PORTER, M. E. The competitive advantage of nations. New York: Free Press, 1992.

TYSON, L. D’A. Who’s bashing whom? Washington: Institute for International Economics, 1992.

Downloads

Publicado

2016-02-02

Como Citar

COUTINHO, L. G.; BELLUZZO, L. G. de M. Desenvolvimento e estabilização sob finanças globalizadas. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 129–154, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8643183. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos