Produção industrial e vazamento de demanda para o exterior

uma análise da economia brasileira

Autores

Palavras-chave:

Vazamento de demanda, Análise insumo-produto, Cadeia global de valor, Produção industrial, Economia brasileira.

Resumo

O cenário de desaceleração do crescimento econômico tem suscitado discussões a respeito do crescente vazamento de demanda da economia brasileira para o exterior, uma vez que haveria um descompasso entre produção industrial e demanda doméstica. Ao considerar as transformações na relação entre produção e comércio internacional, este artigo extrapola os indicadores tradicionalmente utilizados para mensurar a demanda doméstica por bens industriais, avançando na caracterização do vazamento de demanda. A partir de matrizes insumo-produto, propõe-se uma forma complementar de análise dos coeficientes de penetração das importações e insumos importados. Os estímulos gerados pelo aumento na importação (e produção) de um setor específico não se propagaram pela matriz produtiva brasileira com mais força, apontando para o desadensamento da matriz produtiva. Ao mesmo tempo, o multiplicador de vazamento de demanda aponta para a deterioração da capacidade produtiva doméstica acomodar acréscimos de demanda. Dessa forma, o estudo retrata o esgarçamento do tecido industrial brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília Bassetti Marcato, Universidade Estadual de Campinas

Pesquisadora associada do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas. Doutorado em Economia pela UNICAMP.

Fernanda Oliveira Ultremare, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora associada da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutora em Economia pela Universidade Paris XIII.

Referências

AMADOR, J.; MAURO, F. DI. Introduction. In: AMADOR, J.; MAURO, F. DI (Org.). The age of global value chains: maps and policy issues. London: CEPR Press, 2015. p. 13-23.

ARNDT, S.; KIERZKOWSKI, H. Fragmentation: new production patterns in the world economy. CMC Faculty Books, 2001.

ATHUKORALA, P. Product fragmentation and trade patterns in east Asia. Asian Economic Papers, v. 4, p. 1-27, 2005.

BACKER, K. de; MIROUDOT, S. Mapping global value chains. OECD Trade Policy Papers, OECD Publishing, v. 159, p. 1-46, 2013.

BALDWIN, R. Globalisation: the great unbundling(s). Economic Council of Finland, v. 20, Sept. p. 51, 2006.

BALDWIN, R. Trade and industrialization after globalization’s 2nd unbundling: how building and joining a supply chain are different and why it matters. p. 1-38, 2011.

BALDWIN, R.; VENABLES, A. J. Spiders and snakes: offshoring and agglomeration in the global economy. Journal of International Economics, v. 90, n. 2, p. 245-254, 2013.

BASTOS, C. P. et al. Rentabilidade, investimento e produtividade na indústria de transformação brasileira: 2000-2009. In: NEGRI, F. de; CAVALCANTE, L. R. (Org.). Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes. Brasília: Ipea, ABDI, 2015. v. 2. p. 209-254.

BRESSER-PEREIRA, L. C. The dutch disease and its neutralization: a Ricardian approach. Revista de Economia Política, v. 28, n. 1, p. 47-71, 2008.

CARVALHO, L. M. de; RIBEIRO, F. J. da S. P. Indicadores de consumo aparente de bens industriais: metodologia e resultados. Rio de Janeiro: [s.n.], 2015. (Texto para Discussão).

CATTANEO, O. et al. Joining, upgrading and being competitive in global value chains: a strategic framework. [S.l: s.n.], 2013. (Policy Research Working Paper, n. 6406).

DAUDIN, G.; RIFFLART, C.; DANIELLE, S. Who produces for whom in the world economy? Canadian Journal of Economics, v. 44, n. 4, p. 1403-1437, 2011.

DI GIOVANNI, J.; LEVCHENKO, A. A. Putting the parts together: trade, vertical linkages, and business cycle comovement. American Economic Journal: Macroeconomics, v. 2, n. 2, p. 95-124, 2010.

DIXON, R.; THIRLWALL, A. P. A model of regional growth-rate differences on Kaldorian lines. Oxford Economic Papers, v. 27, n. 2, p. 201-214, 1975.

FURTADO, C. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. [S.l.]: Univ of California Press, 1964.

FURTADO, C. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: [s.n.], 1967.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto a partir de dados preliminares das contas nacionais. Economia Aplicada, v. 9, n. 2, p. 277-299, 2005.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estimação da matriz insumo-produto utilizando dados preliminares das contas nacionais: aplicação e análise de indicadores econômicos para o Brasil em 2005. Economia & Tecnologia, v. 23, n. 6, p. 53-62, 2010.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Sistema de Matrizes de InsumoProduto, Brasil (1995-2013). Disponível em: http://www.usp.br/nereus/?dados=sistema-de-matrizes-de-insumo-produto-brasil-1995-2013. Acesso em: 4 fev. 2016.

HOROWITZ, J.; RIKER, D. Measuring shifts in Brazil’s trade using international input-output tables. Journal of International Commerce and Economics, p. 1-13, Apr. 2014.

HUMMELS, D.; ISHII, J.; YI, K.-M. The nature and growth of vertical specialisation in world trade. Journal of International Economics, v. 54, n. 1, p. 75- 96, 2001.

INTERNATIONAL MONETARY FUND. Trade interconnectedness: the world with global value chains. IMF Policy Paper, 2013.

JOHNSON, R. C. Five facts about value-added exports and implications for macroeconomics and trade research. Journal of Economic Perspectives, v. 28, n. 2, p. 119-142, 2014.

JOHNSON, R. C.; NOGUERA, G. Accounting for intermediates: production sharing and trade in value added. Journal of International Economics, v. 86, n. 2, p. 224- 236, 2012.

JONES, R. W.; KIERZKOWSKI, H. A framework for fragmentation. In: ARNDT, S.; KIERZKOWSKI, H. (Org.). Fragmentation: new production patterns in the world economy. New York: Oxford University Press, 2001. p. 17-34.

JONES, R. W.; KIERZKOWSKI., H. The role of services in production and international trade: a theoretical framework. In: JONES, R. W.; KRUEGER, A. (Org.). The political economy of international trade. Oxford: Basil Blackwell, 1990. p. 31-48.

KALDOR, N. Causes of the slow rate of economic growth in the United Kingdom. In: TARGETTI, F.; THIRLWALL, A. P. (Org.). The essential Kaldor. New York: Holmes & Meier Publishers, 1989.

KRUGMAN, P. Growing world trade: causes and consequences. Brookings Papers on Economic Activity, n. 1, p. 327-377, 1995.

LOS, B. et al. Factor specialisation within global value chains. In: AMADOR, J.; MAURO, F. DI (Org.). The age of global value chains: maps and policy issues. London: CEPR Press, 2015. p. 48-57.

MAURER, A.; DEGAIN, C. Globalization and trade flows: what you see is not what you get! n. 12. [S.l: s.n.], 2010.

MCCOMBIE, J. S. L.; THIRLWALL, A. P. The balance-of-payment constraint as an explanation of international growth rates differences. New York: Martin’s Press, 1994.

MEDEIROS, C. Inserção externa, crescimento e padrões de consumo na economia brasileira. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2015.

MENG, B.; FANG, Y.; YAMANO, N. Measuring global value chains and regional economic integration: an international input-output approach. IDE Discussion Paper, v. 362, Jul. 2012.

MILBERG, W.; WINKLER, D. Trade, crisis, and recovery: restructuring Global value chains. In: CATTANEO, Olivier; GEREFFI, Gary; STARITZ, Cornelia (Org.). Global value chains in a postcrisis world. Washington D.C.: The World Bank, 2010. p. 23-72.

MILLER, R. E.; BLAIR, P. D. Input-output analisys: foundations and extensions. 2 nd ed. New York: Cambridge University Press, 2009. v. 1.

MIROUDOT, S.; LANZ, R.; RAGOUSSIS, A. Trade in intermediate goods and services. OECD Trade Policy Working Paper, Paris, n. 93, 2009.

OREIRO, J. L. et al. Restrições macroeconômicas ao crescimento da economia brasileira: diagnósticos e algumas proposições de política. Rio de Janeiro: [s.n.], 2009. (Texto para Discussão, n. 1431).

PINTO, E. C. Bloco no poder e governo Lula: grupos econômicos, política econômica e novo eixo sino-americano. 2010. 265f. Tese (Doutorado)– Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

PREBISCH, R. O desenvolvimento da América Latina e alguns de seus problemas principais (1949). In: BIELSCHOWSKY, Ricardo. Cinquenta anos de pensamento da Cepal. Rio de Janeiro e São Paulo: Editora Record, Cepal, Cofecon, 2000. v. 1.

RIAD, N. et al. Changing patterns of global trade. [S.l: s.n.], 2011.

SANTOS, C. H. M. DOS et al. Por que a elasticidade-câmbio das importações é baixa no Brasil? Evidências a partir das desagregações das importações por categorias de uso. Rio de Janeiro: [s.n.], 2015. (Texto para Discussão, n. 2046).

SERRANO, F.; SUMMA, R. Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 2011 a 2014. . Washington: [s.n.], 2015.

SERRANO, F.; SUMMA, R. Macroeconomic policy, growth and income distribution in the brazilian economy in the 2000s. Investigacion Economica, v. 71, n. 282, p. 55-92, 2012.

SILVA, G. J. C. D. S. et al. A macroeconomia do crescimento puxado pela demanda agregada: teoria e aplicações ao caso brasileiro. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 35, Oct. 2015, p. 1-21, 2007.

SINGER, H. W. The distribution of gains between investing and borrowing countries. The American Economic Review, v. 40, n. 2, p. 473-485, 1950.

STEHRER, R. Accounting relations in bilateral value added trade. n. 14. Vienna: [s.n.], 2013.

THIRLWALL, A. P. A natureza do crescimento econômico: um referencial alternativo para compreender o desempenho das nações. Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2005.

THIRLWALL, A. P. Productivity and growth in manufacturing industry: a reply. Economica, New Series, v. 35, n. 140, p. 385-391, 1968.

THIRLWALL, A. P. The balance of payments constraint as an explanation of international growth rate differences. Banca Nazionale del Lavoro Quarterly Review, v. 128, p. 45-53, 1979.

TIMMER, M. P. et al. Slicing up global value chains. Journal of Economic Perspectives, v. 28, n. 2, p. 99-118, 2014.

UNCTAD. Global value chains: investment and trade for development. New York and Geneva: United Nations Publication, 2013.

Downloads

Publicado

2019-10-09

Como Citar

MARCATO, M. B.; ULTREMARE, F. O. Produção industrial e vazamento de demanda para o exterior: uma análise da economia brasileira. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 2, p. 637–662, 2019. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8657050. Acesso em: 5 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos