Sindicalismo e trabalho ferroviário em São Paulo

a Companhia Paulista de Estradas de Ferro entre o início do século XX e sua estatização

  • Guilherme Grandi Universidade de São Paulo
  • Ivanil Nunes Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Sindicalismo, Trabalho ferroviário, Estatização, Companhia paulista, Ferrovias.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar historicamente a expansão da atividade sindical dos ferroviários no processo que culminou na estatização da Companhia Paulista de Estradas de Ferro. Ao longo dos anos 1950, o sistema ferroviário brasileiro passou por uma profunda mudança de cunho estatizante que se estendeu até a década de 1990. Todas as grandes companhias nacionais já haviam sido estatizadas, exceto a Paulista, que seguiu privada até 1961. Em um contexto de liberdade sindical (de 1946 a 1964), os trabalhadores retomaram sua histórica luta por melhores condições de trabalho e aumentos salariais, ao mesmo tempo em que a Paulista enfrentava a acirrada concorrência intermodal e a inexorável redução do seu saldo operacional. Será que a exacerbação do conflito entre capital e trabalho teria contribuído, em termos decisivos, para a estatização da Paulista? Os argumentos que apresentamos sugerem que a inflação e a luta por equiparação salarial foram os principais elementos que levaram à sublevação dos ferroviários e, portanto, contribuíram para o processo de estatização da Companhia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Grandi, Universidade de São Paulo

Professor doutor do Departamento de Economia da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da
Universidade de São Paulo (FEA/USP), São Paulo, SP, Brasil.

Ivanil Nunes, Universidade Federal de São Paulo

Professor da Escola Paulista de Política, Economia e Negócios da Universidade Federal de São Paulo
(EPPEN/Unifesp), Osasco, SP, Brasil.

Referências

BIONDI, L. Classe e nação: trabalhadores e socialistas italianos em São Paulo, 1890-1920. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2011.

BOITO JR., A. O sindicalismo de estado no Brasil: uma análise da estrutura sindical. Campinas: Ed. da Unicamp; São Paulo: Hucitec, 1991.

BRUSANTIN, B. M. Na boca do sertão: o perigo político no interior do Estado de São Paulo (1930-1945). São Paulo: Arquivo do Estado/Imprensa Oficial do Estado, 2003.

CARDOSO, H. H. P. A política salarial e os trabalhadores em Minas Gerais nos anos 50. História Econômica & História de Empresas, v. 7, n. 2, p. 113-131, 2004.

COLLIER, R. B.; COLLIER, D. Shaping the political arena: critical junctures, the labor movement, and regime dynamics in Latin America. Notre Dame, Ind., University of Notre Dame Press, 2002.

COSTA, S. A. Estado e controle sindical no Brasil. São Paulo: T.A. Queiroz, 1986.

DECCA, E. S. 1930, o silêncio dos vencidos: memória, história e revolução. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 1992.

FORTES, A. O Estado Novo e os trabalhadores: a construção de um corporativismo latino-americano. Locus: Revista de História, v. 13, p. 61-86, 2007.

GARCIA, M. E.; CIPOLLARI, P.; CARMO, H. C. E. Emprego, salários e produtividade nas ferrovias brasileiras. Brasília: Ministério do Trabalho, 1978.

GIAMBIAGI, F. et al. (Org.). Economia brasileira contemporânea: 1945-2010. 2. ed. Rio de Janeiro, Elsevier/Campus, 2011.

GOMES, A. C. Burguesia e trabalho: política e legislação social no Brasil (1917-1937). 2. ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2014.

GRANDI, G. Estado e capital ferroviário em São Paulo: a Companhia Paulista de Estradas de Ferro entre 1930 e 1961. São Paulo: Alameda, 2013.

GRANDI, G. The first great railway strike: rereading the early labour movement in São Paulo. International Review of Social History, v. 59, Special Issue 22, p. 161-183, 2014.

LAMOUNIER, M. L. The “labour question” in nineteenth-century Brazil: railways, export agriculture, and labour scarcity. London: London School of Economics, 2000. (Working Papers in Economic History, n. 59/00).

LAMOUNIER, M. L. Ferrovias e mercado de trabalho no Brasil do século XIX. São Paulo: Edusp, 2012.

LANNA, A. L. D. Trabalhadores das ferrovias: a Companhia Paulista de Estradas de Ferro, 1870-1920. Varia História, v. 32, n. 59, p. 505-545, 2016.

LEAL, M. A reinvenção da classe trabalhadora (1953-1964). Campinas, SP: Ed. da Unicamp, 2011.

MATTOS, M. B. Trabalhadores e sindicatos no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2009.

RODRIGUES, L. M. Trabalhadores, sindicatos e industrialização. São Paulo: Brasiliense, 1974.

SILVA, M. M. F. Primeiro centenário das ferrovias brasileiras. Rio de Janeiro: IBGE, 1954.

SIMÃO, A. O sindicato na vida política do Brasil. In: SIMÃO, A. Sindicato e Estado: suas relações na formação do proletariado de São Paulo. 3a ed. São Paulo: Hucitec, 2012.

VERSIANI, F. R. Imigrantes, trabalho qualificado e industrialização: Rio e São Paulo no início do século. Revista de Economia Política, v. 13. n. 4 (52), p. 77-96, 1993.

FONTES PRIMÁRIAS:

AVANTI! 24 maio 1907.

A TERRA Livre, 11 nov. 1906.

A VOZ do Trabalhador, 1 jun. 1909.

BRASIL, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Estatísticas do século XX. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

BRASIL. Ministério da Viação e Obras Públicas. Estatísticas das estradas de ferro do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional (anos diversos).

BRASIL. Ministério da Viação e Obras Públicas (MVOP). Estatísticas das Estradas de Ferro da União e das Fiscalizadas pela União Relativa ao anno de 1906. Rio de Janeiro: Typographia do Jornal do Commercio, 1908.

BRASIL. Ministério da Viação e Obras Públicas (MVOP). Estatísticas das Estradas de Ferro da União e das Fiscalizadas pela União Relativa ao anno de 1916. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1922.

CORREIO Paulistano, 15 abr. 1959.

COMPANHIA PAULISTA DE ESTRADAS DE FERRO. RCP (Relatórios da Companhia Paulista). Relatórios da Diretoria da Companhia Paulista de Vias Férreas e Fluviais apresentados à Assembleia Geral dos Acionistas. São Paulo, 1951, 1955, 1956, 1957, 1960, 1961.

SÃO PAULO. Departamento Estadual de Ordem Política e Social (DEOPS), Prontuário n. 1066 - Companhia Paulista de Estradas de Ferro.

SÃO PAULO. DEOPS. Prontuário n. 2345 - Nuncio Soares da Silva.

SÃO PAULO. DEOPS. Prontuário n. 2432. v. 1 - Ferroviários.

SÃO PAULO. DEOPS. Prontuário n. 5176 - Sindicato dos Ferroviários da Companhia Paulista de Estrada de Ferro.
Publicado
2019-12-15
Como Citar
Grandi, G., & Nunes, I. (2019). Sindicalismo e trabalho ferroviário em São Paulo . Economia E Sociedade, 28(3), 937-961. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8658163
Seção
Artigos