Banner Portal
Mensurar o trabalho não pago no Brasil
PDF

Palavras-chave

Divisão sexual do trabalho, PIB, Contas Satélites, Macroeconomia de gênero

Como Citar

PEREIRA DE MELO, Hildete; MORANDI, Lucilene. Mensurar o trabalho não pago no Brasil: uma proposta metodológica. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 1, p. 187–210, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8665614. Acesso em: 17 abr. 2024.

Resumo

As estatísticas mostram que, em todo o mundo, as mulheres são as maiores responsáveis pelo trabalho de reprodução da
vida humana, que envolve as tarefas domésticas e de cuidados, definido como trabalho não pago. É preciso que se reconheça
seu valor e importância para a sociedade. Uma forma de fazer isso é mostrar o volume de riqueza, na forma de bens e
serviços, gerados por esse trabalho invisível, através de sua mensuração/valoração. Para isso, é necessária a criação de uma
Conta Satélite do trabalho não-pago, cumprindo um dos objetivos propostos pela ONU na lista de Metas para o Milênio.
Desta forma, este estudo propõe a discussão de um indicador social do trabalho não pago para o Brasil a ser incorporado às
Contas Nacionais. Este trabalho discute o significado das Contas Satélites para as estatísticas de gênero, realçando a
importância econômica dos afazeres domésticos e cuidados, não apenas para as famílias mas para a sociedade como um
todo, destacando as dificuldades em conciliar trabalho e família para as pessoas responsáveis pelo trabalho não pago. Por
fim, o texto desenvolve uma proposta metodológica para estimar o trabalho não-pago no Brasil compatível com a
metodologia das contas nacionais.

PDF

Referências

AGUIAR, Neuma (Coord.). Mulheres na força de trabalho na América Latina: análises qualitativas.

Petrópolis, RJ: Vozes, 1984.

AGUIAR, Neuma. Metodologias para o levantamento do uso do tempo na vida cotidiana no Brasil.

Revista Econômica, v. 12, n. 1, p. 64-82, 2010.

AGUIRRE, Rosario; FERRARI, Fernanda. Las encuestas sobre uso del tempo y trabajo no

remunerado en América Latina y Caribe: caminos recorridos y desafíos hacia el futuro. Santiago de

Chile: Naciones Unidas, Feb. 2014. (Serie Asuntos de Género, n. 12).

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980, 2v. 1ª. ed.

francesa 1949.

BANDEIRA, Lourdes. Importância e motivações do Estado brasileiro para pesquisas de uso do tempo

no campo de gênero. Revista Econômica, v. 12, n. 1, p. 47-63, 2010.

BIYANI, Neeti. Think taxis gender neutral? Think again: why countries need to put women at the

heart of their tax regimes. International Politics and Society, Oct. 5, 2017. Available at:

http://www.ips-jopurnal.eu/about/human-rights/article/show/lets-not-lose-our-thread-2155/.

CARRASCO, Cristina. Estatísticas suspeitas: proposta de novos indicadores com base na experiência

das mulheres. São Paulo: SOF Sempreviva, Organização Feminista, 2012.

CARRASCO, Cristina. Hacia una nueva metodología para el estudio del tiempo y del trabajo. In:

METODOLOGÍAS para la medición del uso del tiempo con perspectiva de género. Buenos Aires:

Consejo Nacional de la Mujer, Embajada de España en Argentina, Agencia Española de Cooperación

Internacional, Oficina Técnica de Cooperación, 2006.

CARRASCO, Cristina (Org.). Mujeres y economía: nuevas perspectivas para viejos y nuevos

problemas. Barcelona: Icaria, 1999.

CEBOTAREV, E. A. A organização do tempo de atividades domésticas não-domésticas de mulheres

camponesas na América Latina. In: AGUIAR, Neuma (Coord.). Mulheres na força de trabalho na

América Latina: análises qualitativas. Petrópolis, RJ: Vozes, 1984.

COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE – CEPAL. La distribución

del tempo: una dimensión clave em el análisis de la desigualdad. In: PANORAMA Social de la

América Latina, 2016. Cap. IV.

DEDECCA, C. S. Uso do tempo e gênero. Uma dimensão da desigualdade socioeconômica brasileira.

In: ARILHA, M.; CAETANO, A. J.; GUEDES, M.; MARCONDES, G. S. (Org.). Diálogos transversais em gênero e fecundidade: articulações contemporâneas. Campinas: Librum, Associação

Brasileira de Estudos Populacionais, 2012, p. 119-130.

DURÁN HERAS, María-Ángeles. Panorama Social de América Latina. Bilbao: Fundación BBVA,

DURÁN HERAS, María-Ángeles (Org.). La cuenta satélite del trabajo no remunerado en la

Comunidad de Madrid. 2. ed. Madrid: Comunidad de Madrid, 2006.

EUROPEAN COMMISSION – EUROSTAT. Household production and consumption. Proposal for

a Methodology of Household Satellite Accounts, 2003.

EUROPEAN COMMISSION – EUROSTAT. Gender pay gap statistics. 2018 Available at:

http://ec.europa.eu/eurostat/ statistics-explained/index.php/Gender_pay_gap_statistics.

FEIJÓ, Carmem A.; RAMOS, Roberto L. Olinto (Org.). Contabilidade social: a nova referência das

Contas Nacionais do Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 2008.

FOLBRE, Nancy. Valuing non-market work. Human Development Report Office. UNDP, Think

Piece, 2015.

FONTOURA, N.; PINHEIRO, L.; GALIZA, M.; VASCONCELOS, M. Pesquisas de uso do tempo

no Brasil: contribuições para a formulação de políticas de conciliação entre trabalho, família e vida

pessoal. Econômica, Universidade Federal Fluminense, v. 12, n. 1, p. 11-46, 2010.

FRIEDAN, Betty. A mística feminina. 1. ed. em português. Petrópolis: Ed. Vozes, 1971.

GEE, Kar-Fai. Development of estimates for household production of non-market services in OECD

countries for the index of economic well-being. CSLS, Aug. 2015. (Research Report, 2015-09).

GÓMEZ LUNA, María Eugenia. Satellite account for unpaid household services: an approximation

for Mexico. In: THE INVISIBLE economy and gender inequalities: the importance of measuring and

valuing unpaid work. Washington D. C.: PAHO, chap. 3.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Conta Satélite de

Saúde: Brasil, 2005-2007. Rio de Janeiro: IBGE, 2009. Disponível em:

https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv43010.pdf.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. As famílias no

Sistema de Contas Nacionais. Sistema de Contas Nacionais – Brasil, referência 2010.

Nov. 2015. (Nota Metodológica, n. 07, Versão 2). Disponível em:

ftp://ftpibge.gov.br/Contas_Nacionais/Sistema_de_Contas_Nacionais/Notas_Metodologicas_2010/0

_familias_20151110.pdf.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Outras formas de

trabalho 2016. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Continua, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Estatísticas de gênero:

indicadores sociais das mulheres no Brasil. 2018. (Estudos e Pesquisas – Informações Demográficas

e Socioeconômicas, n. 38).

INSTITUTO NACIONAL DE ESTADÍSTICA Y GEOGRAFÍA – INEG. Sistema de

Cuentas Nacionales de México: fuentes y metodologías, cuenta satélite de trabajo no

remunerado de los hogares. Año base 2013. Disponível em:

http://www.inegi.org.mx/est/contenidos/Proyectos/cn/tnrh/doc/SCNM_Metodo_TNRH_B2013.PDF.

JAIN-CHANDRA, S.; KOCHHAR, K.; NEWIAK, M.; YANG, Y.; ZOLI, E. Gender equality: which

policies have the biggest bang for the buck? IMF, May 2018. (Working Paper, WP/18/105).

JESUS, Jordana Cristina de. Trabalho doméstico não-remunerado no Brasil: uma análise de

produção, consumo e transferência. Tese (Doutorado)–CEDEPLAR/UFMG, jun. 2018.

LIETS, Arne. Let’s not lose our thread: only legislation at EU level will ensure fair treatment for

garment workers. International Politics and Society, 10 Jul. 2017.

MELO, Hildete Pereira de; THOMÉ, Debora. Mulheres e poder: história, ideias, indicadores. Rio de

Janeiro: Fundação Getúlio Vargas (FGV), 2018.

MELO, Hildete Pereira de; CONSIDERA, Claudio M.; Alberto di SABBATO. Dez anos de

mensuração dos afazeres domésticos no Brasil. In: FONTOURA, N.; & C. ARAUJO (Orgs.). Uso do

tempo e gênero. Rio de Janeiro: UERJ/SPM/IPEA, 2016.

MELO, Hildete Pereira de; Claudio M. CONSIDERA; SABBATO, Alberto di. Os afazeres

domésticos contam. Economia e Sociedade, v. 31, dez. 2007.

MELO, Hildete Pereira de; SERRANO, Franklin. A mulher como objeto da teoria econômica. In:

AGUIAR, N. (Org.). Gênero e ciências humanas: desafio às ciências desde a perspectiva das

mulheres. Rio de Janeiro: Record, Rosa dos Tempos, 1997.

MICHEL, Andrée. Femmes, sexisme et societés. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.

MORANDI, Lucilene; MELO, Hildete Pereira de; DWECK, Ruth H. PIB per capita

na ótica de gênero: Brasil, 1991-2015. Faculdade de Economia, Universidade Federal

Fluminense, jan. 2018. (Texto para Discussão, n. 335). Disponível em:

http://www.proac.uff.br/econ/sites/default/files/uff_td335.pdf.

OAKLEY, Ann (1974). Housewife. London: Penguim, 1990.

PERUGINI, Ana. Economia do cuidado: PIB da vassoura. Brasília: Câmara Federal, Comissão de

Defesa dos Direitos da Mulher, 2018.

PICCHIO, Antonella. Visibilidad analítica y política del trabajo de reproducción social. In:

CARRASCO, C. (Org.). Mujeres y economía: nuevas perspectivas para viejos y nuevos problemas.

Barcelona: Icaria, 1999.

SABOIA, A. L.; C. SOARES. Tempo, trabalho e afazeres domésticos: um estudo com base nos dados

da pesquisa nacional por amostra de domicílios de 2001 a 2005. Rio de Janeiro: IBGE. Diretoria de

Pesquisas, 2007. 47p. (Textos para Discussão, n. 21).

SCHEELE, Alexandra. Gender payback in Europe. Social Europe Dossie. 2017. Available at:

https://www.socialeurope.eu/focus/inequality-in-europe.

SANTOS, C.; A. SIMÕES. Estatísticas de uso do tempo: classificações e experiências nacionais e

internacionais. In: SIMÕES, A.; ATHIAS, L.; BOTELHO, L. (Org.). Panorama nacional e

internacional da produção de indicadores sociais. IBGE, 2018.

SOARES, Cristiane. Os desafios (para as mulheres do trabalho reprodutivo no Brasil) com o processo

de envelhecimento populacional. In: ITABORAI, Nathalie Reis; RICOLDI, Arlene Martinez (Org.).

Até onde caminhou a revolução de gênero no Brasil: implicações demográficas e questões sociais.

Belo Horizonte, MG: ABET, 2016.

SOARES, Cristiane. A distribuição do tempo dedicado aos afazeres domésticos entre homens e

mulheres no âmbito da família. Revista Gênero, v. 9, n. 1, 2º semestre 2008.

SPONGENBERG, Helena. Only one fifth of tech workers in Europe are women – and the number is

declining in Europe’s fastest growing industry. IT Girls. International Politics and Society, 10 April

Available at: http://www.ips-journal.eu/storage/regions/europe/article/show/it-girls-1958/.

TEIXEIRA, Marilane Oliveira. Sistema de indicadores de gênero: instrumento para conhecer e

reconhecer a experiência das mulheres. In: CARRASCO, Cristina. Estatísticas sob suspeita:

proposta de novos indicadores com base na experiência das mulheres. São Paulo: Sempreviva

Organização Feminista, 2012, p. 13-30. Disponível em: http://www.ips-journal.eu/about/humanrights/

article/show/lets-not-lose-our-thread-2155/.

TRONCOSO, Eugenia Leone. A desigualdade de gênero no mercado de trabalho. In: ARILHA, M.;

CAETANO, A. J.; GUEDES, M.; MARCONDES, G. S. (Org.). Diálogos transversais em gênero e

fecundidade: articulações contemporâneas. Campinas: Librum, Associação Brasileira de Estudos

Populacionais, 2012, p. 79-88.

UNITED NATIONS. The world’s women 2015: trends and statistics. United Nations Statistics

Division, 2016. Available at: https://unstats.un.org/unsd/gender/worldswomen.html.

UNITED NATIONS. Transforming our world: the 2030 Agenda for sustainable

development. General Assembly, 21 Oct. 2015. Available at:

https://sustainabledevelopment.un.org/post2015/transformingourworld/publication.

UNITED NATIONS. Declaração e Plataforma de Ação da Mulher da IV Conferência das Nações

Unidas sobre a Mulher. Pequim, 1995.

VELAZCO, Jackeline; VELAZCO, Julia. Estimativa do valor econômico do trabalho não

remunerado: uma aplicação para o caso do Peru. In: FONTOURA, N.; ARAUJO, C. (Org.). Uso do

tempo e gênero. Rio de Janeiro: UERJ/SPM/IPEA, 2016.

WALKER, Kathryn E. Pour la reconnaissance sociale des tâches domestiques des femmes. In:

MICHEL, Andrée. Femmes, sexisme et societés. Paris: Presses Universitaires de France, 1977.

WARING, Marilyn. If women counted: a new feminist economics. New York: Harper San Francisco,

WERNER, Marion; VOSKO, Leah F.; DEVEAU, Angie; PIMENTEL, Giordana; WALSH, Deatra.

Conceptual guide to the unpaid work module. Gender & Work Database, 2007. Available at:

http://www.genderwork.ca/gwd/modules/unpaid-work/.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Economia e Sociedade

Downloads

Não há dados estatísticos.