Banner Portal
O papel da concorrência na determinação dos preços dos medicamentos genéricos no Brasil
PDF

Palavras-chave

Concorrência
Mercado relevante
Preços
Medicamentos

Como Citar

SOUZA, Caroline Miranda Alves de; HASENCLEVER, Lia; PARANHOS, Julia. O papel da concorrência na determinação dos preços dos medicamentos genéricos no Brasil. Economia e Sociedade, Campinas, SP, v. 32, n. 1, p. 163–184, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ecos/article/view/8673230. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o papel da concorrência nos mercados relevantes (MR) selecionados e sua influência no diferencial de preços entre medicamentos genéricos e de referência. Trata-se de um estudo de caso sobre 268 apresentações comerciais de medicamentos, classificados em MR em 2001 e 2016. Os dados para obtenção do grau de concentração foram provenientes da base de dados utilizada por Hasenclever (2002) e do Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico de 2016. Os preços praticados em 2019 foram retirados de dez sites de farmácias e drogarias. Os resultados indicam que a margem de 35% sob o preço do medicamento de referência imposta ao preço-fábrica para a entrada do genérico no mercado é baixa em relação ao diferencial de preços médios praticados no varejo. Além disso, notou-se que, quanto maior o número de fornecedores, maior tendia a ser o diferencial de preços entre medicamentos genéricos e de referência.

PDF

Referências

ABRAFARMA – Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias. Disponível em: https://www.abrafarma.com.br/. Acesso em: jan. 2019.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico 2016 Brasília: Anvisa, 2017.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico 2017 Brasília: Anvisa, 2018.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico 2018 Brasília: Anvisa, 2019.

BERNARDO, P. J. B. Regulação econômica do mercado farmacêutico Brasília: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, fev. 2003.

BRASIL. Lei n. 9.787, de 10 de fevereiro de 1999. Altera a Lei n. 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e dá outras providências. Diário Oficial da União, 11 fev.1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9787.htm Acesso em: 10 ago. 2019.

CADE – Conselho Administrativo de Defesa Econômica. Guia para análise de atos de concentração horizontal Jul. 2016.

CGEE – Centro de Gestão e Estudos Estratégicos. Competências para inovar na indústria farmacêutica brasileira Rio de Janeiro: CGEE/BNDES, 2017.

CMED – Câmara de Regulação de Medicamentos. Resolução n. 2, de 5 de março de 2004. Aprova os critérios para definição de preços de produtos novos e novas apresentações de que trata o art. 7º da Lei nº 10.742, de 6 de outubro de 2003. Diário Oficial da União, 5 maio 2004.

DANZON, P. M. Price comparisons for pharmaceuticals: a review of U.S. and cross-national studies. The Wharton School. University of Pennsylvania, Apr. 1999.

DIAS, L. L. dos S.; SANTOS, M. A. B. dos; PINTO, C. Du B. S. Regulação contemporânea de preços de medicamentos no Brasil – uma análise crítica. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. 121, p. 543-558, abr./jun. 2019.

GODOY, M. R.; ROBSON, A.; NASCIMENTO, S. P. do; CAMARA, M. R. G. Efeito da entrada do medicamento genéricos nos preços do medicamento de referência e similar. In: ENCONTRO DA ANPAD, jan. 2004.

GOMES, R. P.; PIMENTEL, V. P.; LOUSADA, M.; PIERONI, J. P. O novo cenário de concorrência na indústria farmacêutica brasileira. Complexo industrial da saúde. BNDES Setorial, v. 39, p. 97-134, 2014.

HASENCLEVER, L. (Coord.). Diagnóstico da Indústria Farmacêutica Brasileira Brasília/Rio de Janeiro: Unesco/FUJB/IE-UFRJ, 2002.

HASENCLEVER, L.; FIALHO, B.; KLEIN, H.; ZAIRE, C. Economia Industrial de Empresas Farmacêuticas Rio de Janeiro: E-papers, 2010.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Conta-satélite de saúde: Brasil 2010-2017. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/index.php/biblioteca-catalogo?view=detalhes&id=2101690.

KAPLAN, W.; WIRTZ, V.; NGUYEN, A.; EWEN, M.; VOGLER, S.; LAING, R. Policy options for promoting the use of generic medicines in low- and middle-income countries. Health Action International, Mar. 2016.

KORNIS, G. E. M.; BRAGA, M. H.; FAGUNDES, M.; DE PAULA, P. A. B. A regulação em saúde no Brasil: um breve exame das décadas de 1999 a 2008. Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 1077-1101, 2011.

MELLO, M. T. L. Defesa da concorrência. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2020.

MIRANDA, C. A regulação do preço dos medicamentos genéricos no Brasil 2020. Dissertação (Mestrado em Economia da Indústria e da Tecnologia)–Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2020.

MIRANDA, C. Dezesseis anos de política de genéricos no Brasil: desafios e perspectivas. 63f. Trabalho de Conclusão de Curso – Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MIRANDA, C.; PARANHOS, J.; HASENCLEVER, L. Comparativo entre preço máximo ao consumidor de medicamentos e preços praticados na internet no Brasil: desalinhamentos e distorções regulatórias. Ciência & Saúde Coletiva, v. 26, n. 11, p. 5463-5480, 2021.

MONTELLA, M. Economia: passo a passo 2. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007. p. 38-40.

NISHIJIMA, M.; BIASOTO JR., G.; LAGROTERIA, E. A competição no mercado farmacêutico brasileiro após uma década de medicamentos genéricos: uma análise de rivalidade em um mercado regulado. Economia e Sociedade, v. 23, n. 1 (50), p. 155-186, abr. 2014.

NÓBREGA, O. T.; MARQUES, A. R.; ARAÚJO, A. C. G.; KARNIKOWSKI, M. G. O.; NAVES, J. O. S.; SILVER, L. D. Retail prices of essential drugs in Brazil: an international comparision. Rev Panam Salud Publica, v. 22, n. 2, p. 118-123, 2007.

PALMEIRA FILHO, P. L. Catch up da indústria farmacêutica nacional e financiamento à inovação: o caso da atuação do BNDES através do Profarma. Tese (Doutorado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos)–Escola de Química, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

PARANHOS, J.; PERIN, F.; VAZ, M.; FALCÃO, D.; HASENCLEVER, L. Articulação de políticas e instrumentos de produção e inovação para o Complexo Industrial da Saúde no Brasil, 2003-2017: os casos do Inova Saúde e do Profarma. Relatório de pesquisa em andamento – convênio UFRJ/IE/OSF. Rio de Janeiro: GEI/IE/UFRJ, 2020.

POSSAS, M. Concorrência schumpeteriana. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2020.

PRÓGENÉRICOS – Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos. Acesso a medicamentos. Disponível em: https://www.progenericos.org.br/acesso Acesso em: mar. 2021.

ROSENBERG, G.; FONSECA, M. da G. D.; D’AVILA, L. A. Análise comparativa da concentração industrial e de turnover da indústria farmacêutica no Brasil para os segmentos de medicamentos de marca e genéricos. Economia e Sociedade, v. 19, n. 1 (38), p. 107-134, abr. 2010.

SECEX/ME – Secretaria de Comércio Exterior/Ministério da Economia. Balança comercial 2003-2019 Disponível em: http://comexstat.mdic.gov.br/ Acesso em: set. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Economia e Sociedade

Downloads

Não há dados estatísticos.