Peões: Lula e a Nostalgia da Classe Operária

  • Marina Jorge Soler Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Luiz Inacio Lula da Silva. Classe operária.

Resumo

Consuelo Lins, no livro O Documentário de Eduardo Coutinho, considera Peões (Eduardo Coutinho, 2004) seu filme mais melancólico (Lins, 2004: 185). O próprio documentarista, no encarte do DVD de Peões, ao ser questionado se seu filme é melancólico, responde: “Existe ali, claramente, um tempo que terminou (...). Mas eu não tinha a intenção de fazer um filme melancólico”. Efetivamente, penso que Coutinho está correto: seu filme, ao contrário do que considera Lins, não é melancólico. Não há uma idéia de tristeza pelo tempo que terminou ou de uma falta de entusiasmo que surgiria pela lembrança do passado. Peões é, na verdade, um filme nostálgico, no sentido de que nos passa antes a sensação da saudade do tempo que terminou do que de tristeza ou desânimo em relação a este.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marina Jorge Soler, Universidade Federal de São Paulo
Professora do Departamento de História da Arte – EFLCH/Unifesp.

Referências

BERNARDET, Jean-Claude. Cineastas e imagens do povo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

LINS, Consuelo. O Documentário de Eduardo Coutinho. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

RIDENTI, Marcelo. Em Busca do Povo Brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Publicado
2013-09-19
Como Citar
Soler, M. J. (2013). Peões: Lula e a Nostalgia da Classe Operária. Idéias, 2(2), 11-25. https://doi.org/10.20396/ideias.v2i2.8649313