A resistência à apropriação chinesa de terras no Brasil desde 2008

lições e alternativas agroecológicas

Palavras-chave: Brasil, China, Estrangeirização de terras, Movimentos sociais, Redes, Narrativas.

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever e teorizar a história recente da resistência à apropriação chinesa de terras no Brasil, a fim de permitir uma discussão clara e útil das vitórias e desafios da resistência à estrangeirização de terras e o avanço do agronegócio transnacional e doméstico; e também para permitir o desenvolvimento de alternativas agroecológicas para as relações entre o Brasil e a China. Utilizando teorias de narrativas na articulação de movimentos sociais e métodos de etnografia global, baseado em 27 meses de trabalho de campo no Brasil e na China, argumento que uma aliança de conveniência entre alguns setores do agronegócio e movimentos sociais conseguiram efetivamente desmontar as maiores tentativas de aquisição de terras por agronegócios chineses no Brasil. Mas pelo outro lado, por manter enfoque nas novas aquisições diretas de terra, esta resistência não conseguiu afetar as incorporações indiretas de terras brasileiras a agronegócios chineses por via de fusões e aquisições de empresas que já estavam operando no país. Ainda mais, o papel do capital chinês no que tem se chamado “estrangeirização de terras” no Brasil tem sido relativamente pequeno. Portanto, concluo que o forte enfoque no capital chinês, assim com em aquisições diretas de propriedade fundiária, não contemplaram a principal dinâmica da estrangeirização de terras, mesmo que efetivamente desestruturaram as principais tentativas chinesas de apropriação de terras no Brasil. Porém, existem grandes oportunidades de cooperação no desenvolvimento de iniciativas agroecológicas entre Brasil e China que poderiam orientar investimentos e parcerias de solidariedade Sul-Sul, fortalecendo a soberania nacional e alimentar em ambos países contra os avanços do agronegócio transnacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo de Lima Torres Oliveira, Universidade da Califórnia

Professor Assistente de Estudos Globais e Internacionais da Universidade da California. Doutor em Geografia pela University of California.

Referências

BANCO MUNDIAL. Rising global interest in farmland: can it yield sustainable and equitable benefits? Washington, DC: World Bank, 2010.

BARRIONUEVO, A. China’s interest in farmland makes Brazil uneasy. New York Times, Nova Iorque, 26 mai. 2011. Disponível em: https://www.nytimes.com/2011/05/27/world/americas/27brazil.html. Acesso em: 30 set. 2016.

BURAWOY, M.; BLUM, J.; GEORGE, S.; GILLE, Z.; THAYER, M. Global ethnography: forces, connections, and imaginations in a post-modern world. Berkeley, Califórnia: University of California Press, 2000.

CHADE, J. China negocia terras para soja e milho no Brasil. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 27 abr. 2010. Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,china-negocia-terras-para-soja-e-milho-no-brasil,543390. Acesso em: 30 set. 2016.

DARIAN-SMITH, E.; McCARTY, P. The global turn: theories, research designs and methods for global studies. Berkeley, Califórnia: University of California Press, 2017.

DAVIES, J.E. Narratives and social movements: the power of stories. In: J.E. DAVIES (Org). Stories of change: narratives and social movements. Albany, NY: State University of New York Press, 2002, p. 3-30.

DECIMO, T. Grupo chinês vai investir R$ 4 bi em processamento de soja na Bahia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 18 mar. 2011. Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,grupo-chines-vai-investir-r-4-bi-em processamento-de-soja-na-bahia,59210e. Acesso em: 30 set. 2016.

DRUMOND, P.; WIEDMAN, G. Bambus no Brasil: da biologia à tecnologia. Rio Branco: Embrapa Acre, 2017.

FAIRBAIRN, M. Foreignization, financialization and land grab regulation. Journal of Agrarian Change, v. 15, n. 4, p. 581-591, 2015.

FALEIROS, R.; NAKATANI, P.; VARGAS, N.; GOMES, H.; TRINDADE, R.. A expansão internacional da China através da compra de terras no Brasil e no mundo. Textos & Contextos, v. 13, p. 58-73, 2014.

FERNANDES, B.M. Estrangeirização de terras na nova conjuntura da questão agraria. In: Conflitos no Campo Brasil – 2010. Goiânia: Comissão Pastoral da Terra, 2011.

GUANFENG (n.d.) 巴西项目(Projeto Brasil). Shandong Guanfeng. Disponível em: http://www.gfseed.com/about/?68.html. Acesso em: 11 ago. 2016.

GUO, J.; MYERS, M. Chinese agricultural investment in Latin America: less there than meets the eye? In: M. Myers e C. Wise (Org.). The political economy of China-Latin America relations in the new millennium: brave new world. New York: Routledge, 2017, p. 92-114.

GRAIN. Seized! The 2008 land grab for food and financial security. Relatório. Barcelona: Grain, 2008.

GREENPEACE Logging the Planet: Asian Companies Marching Across Our Last Forest Frontiers. Amsterdam: Greenpeace International, 1997.

HAGE, F.; PEIXOTO, M.; VIEIRA FILHO, J. Aquisição de terras por estrangeiros no Brasil: uma avaliação jurídica e econômica. Textos para Discussão 114. Brasília: Centro para Estudos e Pesquisa do Senado Federal, 2012.

HART, G. Denaturalizing dispossession: critical ethnography in the age of resurgent imperialism. Antipode, v. 38, n. 5, p. 977-1004, 2006.

HOFMAN, I; HO, P. China’s “Developmental Outsourcing”: a critical examination of Chinese global ‘land grabs’ discourse. Journal of Peasant Studies, v. 39, n. 1, p. 1-48, 2012.

HONG, X.; LI, H.T. 银行添薪巴西淘金冠丰海外建起5万公顷生产基地 (Bancos pagam pela busca de ouro da Guanfeng que está construindo uma base de produção com 50 mil hectares no Brasil). Sohu.com, Pequim, 13, ago. 2015. Disponível em: http://www.sohu.com/a/27153667_118787. Acesso em: 2 mar. 2017.

LUCENA, A.; BENNETT, I. China in Brazil: the quest for economic power meets Brazilian strategizing. Carta Internacional, v. 8, n. 2, p. 38-57, 2013.

LUNDSTRÖM, M. The making of resistance: Brazil’s landless movement and narrative enactment. Cham, Suíça: Springer, 2017.

MACHADO, L. Exportação de jumentos: venda do Brasil para a China vira caso de polícia. BBC Brasil, Rio de Janeiro, 19 de fevereiro, 2019. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-47229667. Acesso em: 20 fev. 2019.

McKAY, B. Control grabbing and value-chain agriculture: BRICS, MICs and Bolivia’s soy complex. Globalizations, v. 15, n. 1, p. 74-91, 2018.

O ESTADO DE S. PAULO. Editorial: China compra terras no Brasil. O Estado de S. Paulo. São Paulo, 3 ago. 2010. Disponível em: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,china-compra-terras-no-brasil-imp-,589697. Acesso em: 30 set. 2016.

O REPÓRTER. Acordo entre Goiás e China prevê investimentos de US$ 7 bilhões e incremento na produção de soja. Jornal O Repórter. Goiânia, 5 mai. 2011. Disponível em: http://www.jornaloreporter.com.br/post/676/empresas-negocios/acordo-entre-goias-e-china-preve-investimentos-de-us-7-bilhoes-e-incremento-na-producao-de-soja. Acesso em: 30 set. 2016.

OLIVEIRA, A.U. A questão da aquisição de terras por estrangeiros no Brasil: um retorno aos dossiês. Agrária, v. 12, n. 1, p. 3-113, 2010.

OLIVEIRA, G. de L. T. Boosters, brokers, bureaucrats, and businessmen: assembling chinese capital with brazilian agribusiness. Territory, Politics, Governance, v. 7, n. 1, p. 22-41, 2019.

OLIVEIRA, G. de L. T. Chinese land grabs in Brazil? Sinophobia and foreign investments in Brazilian soybean agribusiness. Globalizations, v. 15, n. 1, p. 114-133, 2018a.

OLIVEIRA, G. de L. T. The battle of the beans: how direct Brazil-China soybean trade was stillborn in 2004. Journal of Latin American Geography, v. 17, n. 2, p. 113-139, 2018b.

OLIVEIRA, G. de L. T. The south-south question: transforming Brazil-China agroindustrial partnerships. 2017. Tese (doutorado) – Universidade da Califórnia Berkeley, Departamento de Geografia, Berkeley, 2017.

OLIVEIRA, G. de L. T. Regularização fundiária no Brasil e a “corrida mundial por terras”. Revista Campo/Território, v. 11, n. 22 p. 43-75, 2016.

OLIVEIRA, G. de L. T. Land regularization in Brazil and the global land grab. Development and Change, v. 44, n. 2, p. 261-283, 2013.

OLIVEIRA, G. de L. T. Prescrições agroecológicas para a crise. Revista NERA (Núcleo de Estudos de Reforma Agrária), v. 13, n. 16, p. 33-47, 2010.

OLIVEIRA, G. de L. T. Uma descrição agroecológica da crise atual. Revista NERA (Núcleo de Estudos de Reforma Agrária), v. 12, n. 15, p. 66-87, 2009.

OLIVEIRA, G. de L. T.; HECHT, S. Sacred groves, sacrifice zones, and soy production: globalization, intensification and neo nature in South America. Journal of Peasant Studies, v. 43, n. 2, p. 251-285, 2016.

OLIVEIRA, G. de L. T.; SCHNEIDER, M. The politics of flexing soybeans: China, Brazil, and global agroindustrial restructuring. Journal of Peasant Studies, v. 43, n. 1, p. 167-194, 2016.

PAHNKE, A.; TARLAU, R.; WOLFORD, W. Understanding rural resistance: contemporary mobilization in the brazilian countryside. Journal of Peasant Studies, v .42, n. 6, p. 1069-1085, 2015.

PEREIRA, L.; PAULI, L. O processo de estrangeirização da terra e expansão do agronegócio na região do MATOPIBA. Revista Campo-Território, v. 11, n. 23, p. 196-224, 2016.

PERRONE, N. Restrictions to foreign acquisitions of agricultural land in Argentina and Brazil. Globalizations, v. 10, n. 1, p. 205-209, 2013.

PITTA, F.; MENDONÇA, M. O capital financeiro e a especulação com terras no Brasil. Mural Internacional, v. 5, n. 1, p. 46-55, 2014.

POWELL, D. China-Brazil economic relations: too big to fail? In: M. MYERS; C. WISE (Org.). The political economy of China-Latin America relations in the new millennium: brave new world. New York: Routledge, 2017, p. 243-265.

REDE SOCIAL DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS. A empresa Radar S/A e a especulação com terras no Brasil. São Paulo: Editora Outras Expressões, 2015.

SAN MARTIN, P.; PELEGRINI, B. Cerrados: uma ocupação Japonesa no campo. Rio de Janeiro: Editora Codecri, 1984.

SANT’ANNA, L. Chineses desistem de plantar e agora financiam e exportam soja brasileira. O Estado de São Paulo, São Paulo, 2 jan. 2014, p. B1.

SAUER, S. Demanda mundial por terras: ‘land grabbing’ ou oportunidade de negócios no Brasil? Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v. 4, n. 1, p. 72-88, 2010.

SAUER, S.; BORRAS Jr., S. ‘Land grabbing’ e ‘green grabbing’: uma leitura da ‘corrida na produção acadêmica’ sobre a apropriação global de terras. Revista Campo-Território, v. 11, n. 23, p. 6-42, 2016.

SCOTON, L.; TRENTINI, F. A limitação à aquisição de propriedades rurais por pessoas jurídicas de capital estrangeiro: grupos de interesse e efeitos socioeconômicos. Anais do Primeiro Debate Acadêmico: Congresso sobre Desenvolvimento. Brasília: IPEA, 2011, p. 1-19.

SHANDONG Federation of Industry and Commerce. 山东冠丰种业科技有限公司 (Shandong Guanfeng Seed Industry Technology Co., Ltd.). 2009. Disponível em: http://www.sdfic.com.cn/hyfc.asp?id=1801. Acesso em: 2 mar. 2017.

SILVA, E.; MAGALHÃES, S.; FARIAS, A. Monocultivo de dendezeiros, capital transnacional e concentração de terras na Amazônia paraense. Revista Campo-Território v. 11, n. 23, p. 165-195, 2016.

STAUFFER, C. Big Chinese soy project in Brazil: so far, just an empty field. Reuters/Chicago Tribune, Chicago, 4 abr. 2014. Disponível em: www.chicagotribune.com/business/sns-rt-us-brazil-china-soybeans-20140404,0,929120.story. Acesso em: 10 abr. 2015.

TODESCHINI, M.; RYDLEWSKI, C. A invasão chinesa. Exame: Negócios, v. 6, n. 62, p. 70-85, 2012.

VALOR ECONÔMICO. Chineses querem mais terras no Brasil. São Paulo, 27 abr. 2010. Disponível em: http://farmlandgrab.org/post/view/15504. Acesso em: 30 set. 2016.

VIANA, G. Relatório da comissão externa da Câmara dos Deputados destinada a averiguar a aquisição de madeireiras, serrarias e extensas porções de terras brasileiras por grupos asiáticos. 12 ago. 1998. Brasília: Congresso Nacional, 1998.

VITAL, N. Chineses fecham acordo de US$7.5 bilhoes com Goiás. Exame, Rio de Janeiro, 11 nov. 2010. Disponível em: http://exame.abril.com.br/blogs/aqui-no-brasil/2010/11/11/chineses-fecham-acordo-de-us-75-bilhoes-com-goias-3/. Acesso em: 30 set. 2016.

WELCH, C. Resistindo a estrangeirização de terras na América Latina durante a Guerra Fria e a Era da Globalizaçao. Revista Campo-Território, v. 11, n. 23, p. 285-332, 2016.

WILKINSON, J.; REYDON, B.; DI SABBATO, A. Concentration and foreign ownership of land in Brazil in the context of global land grabbing. Canadian Journal of Development Studies, v. 33, n. 4, p. 417-438, 2012.

WILKINSON, J.; WESZ JR., V. Underlying issues in the emergence of China and Brazil as major global players in the new South-South trade and investment axis. International Journal of Technology Management & Sustainable Development, v. 12, n. 3, p. 245-260, 2013.

ZHOU H.; LIU Y.; GUO J. 外商投资发展中国家土地的分析及对我国的启示 (Análise do investimento direto em terras em países em desenvolvimento e seus desdobramentos) Zhongguo Ruankexue (China Soft Science), v. 9, n. 41-54, 2011.

ZOU J.; LONG H.L.; HU Z. 国际土地资源开发利用战略初探 (Estudo preliminar das estratégias para participação da China na exploração de recursos fundiários no exterior) Ziyuan Kexue (Resource Science), v. 32, p. 1006-1013, 2010.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Oliveira, G. de L. T. (2018). A resistência à apropriação chinesa de terras no Brasil desde 2008. Idéias, 9(2), 99-132. https://doi.org/10.20396/ideias.v9i2.8655285