Migração individual e conjunta

uma análise da composição dos domicílios dos imigrantes recentes em São Paulo com origem no Nordeste – 1991, 2000 E 2010

Palavras-chave: Migração, São Paulo, Nordeste, Arranjos domiciliares, Censos

Resumo

O reconhecimento de que a migração é, em muitos casos, uma ação realizada em conjunto é consolidado, já sua análise não é tão presente na literatura, muito por conta da falta de dados. O objetivo deste artigo é a criação de uma proxy da condição do migrante no momento do deslocamento para trazer esclarecimentos sobre quão conjunto ou individual a migração pode ser. Foram utilizados os dados dos Censos de 1991, 2000 e 2010 e o fluxo analisado foi Nordeste-São Paulo. Verificou-se que a maior parte dos imigrantes recentes se encontravam em domicílios em que também residiam imigrantes antigos, em 1991 e em 2000, porém, em 2010, foram os domicílios inteiramente compostos por imigrantes recentes a maioria. Tais resultados, aliados a informação sobre a relação dos imigrantes recentes com o responsável pelo domicílio, demonstram que a migração conjunta envolve, em sua maioria, relações familiares e é predominante como forma de deslocamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Schneider, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutoranda em Demografia no CEDEPLAR/UFMG.

Fausto Reynaldo Alves de Brito, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Associado IV, Departamento de Demografia e CEDEPLAR - Universidade Federal de Minas Gerais. Doutorado em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ALVES, J. E. D.; CORRÊA, S. Igualdade e desigualdade de gênero no Brasil: um panorama preliminar, 15 anos depois do Cairo. In: Seminário Brasil, 15 anos após a conferência do Cairo. Associação Brasileira de Estudos Populacionais (ABEP). Belo Horizonte, ago. 2009, 111 p.

ASSIS, G. de O. Mulheres migrantes no passado e no presente: gênero, redes sociais e migração internacional. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 3, n. 15, p. 745-772, set./dez. 2007.

BAENINGER, R. Rotatividade Migratória: um novo olhar para as migrações internas no Brasil. Rev. Inter. Mob. Hum. Brasília, Ano XX, n. 39, p. 77-100, jul./dez. 2012.

BILSBORROW, R. E. Concepts, definitions and data collection approaches. In: WHITE, M. J. (Ed.). International handbook of migration and population distribution. New York: Springer, p. 109-156, 2016.

BOYD, M.; GRIECO, E. Women and migration: Incorporating gender into international migration theory.

Migration information source, v. 1, n. 35, p. 28, 2003.

BRITO, F. Brasil, final de século: a transição para um novo padrão migratório? Anais: XII Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu – MG, p. 1-44, 2000.

BRITO, F.; GARCIA, R. A.; SAUZA, R. G. V. DE. As tendências recentes das migrações interestaduais e o padrão migratório. Anais: XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu – MG, p. 1-14, 2004.

BURCH, T. K. Household and family demography: a bibliographic essay. Population Index, v. 45, n. 2, p. 173-195, abr. 1979.

CAMPOS, M. B. de. Ciclo de vida, estrutura domiciliar e migração no início do século XXI: o caso da Região Metropolitana de São Paulo. Cad. Metrop., São Paulo, v. 20, n. 41, p. 191-208, jan./abr. 2018.

COOKE, T. J. Migration in a family way. Population, Space and Place, v. 14, p. 255–265, 2008.

CUNHA, J. M. P da; BAENINGER, R. Las migraciones internas en el Brasil contemporâneo. Notas de Población. n. 82, Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe – CEPAL, 2006.

DA VANZO, J. Microeconomic approaches to studying migration decisions. In: DE JONG, G. F.; GARDNER, R. W. (Ed.). Migration decision making: multidisciplinary approaches to microlevel studies in developed and developing countries. New York: Pergamon Press, p. 90-129, 1981.

DE JONG, G.; GRAEFE, D. R. Family life course transitions and the economic consequences of internal migration. Population, Space and Place, v. 14, p. 267-282, 2008.

GUERRA, M. de F. L. Trabalhadoras domésticas no Brasil: coortes, formas de contratação e famílias contratantes. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 2017, 150 p.

HARBISON, S. F. Family structure and family strategy in migration decision making. In: DE JONG, G. F.; GARDNER, R. W. (Ed.). Migration decision making: Multidisciplinary approaches to microlevel studies in developed and developing countries. Pergamon Press, p. 225-251, 1981.

HONDAGNEU-SOTELO, P. Feminism and migration. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, v. 571, n. 1, p. 107-120, 2000.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Disponível em http://www,ibge,gov,br. Acessado em: 28 fev. 2020.

LICHTER, D. T. Household migration and the labor market position of married women. Social Science Research, v. 9, p. 83-89, 1980.

MARINUCCI, R. Feminization of migration? Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana – REMHU, v. 15, n. 29, p. 5-22, 2007.

MASSEY, D. S.; ARANGO, J.; HUGO, G.; KOUAOUCI, A.; PELLEGRINO, A.; TAYLOR, J. E. Theories of international migration: A review and appraisal. Population and Development Review, v. 19, n. 3, p. 431-466, set. 1993.

MCGOLDRICK, M.; CARTER, B.; GARCIA-PRETO, N. The expanded family life cycle: individual, family, social perspectives. Pearson New International Edition, ed. 4, 2013, 496 p.

MINCER, J. Family migration decisions. Journal of Political Economy. v. 86, p. 749-773, 1978.

OLIVEIRA, A. T. R. de; ERVATTI, L. R.; O’NEILL M. M. V. C. O panorama dos deslocamentos populacionais no Brasil: PNADs e Censos Demográficos. In: OLIVEIRA, L. A. P. de; OLIVEIRA, A. T. R. de (Org.). Reflexões sobre os deslocamentos populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, p. 28-48, 2011.

O’RAND, A. M.; KRECKER, M. L. Concepts of the life cycle: Their history, meanings, and uses in the Social Sciences. Annual Review of Sociology, v. 16, p. 241-262, 1990.

PFEIFFER, L.; RICHTER, S.; FLETCHER, P.; TAYLOR, E. Gender in economic research on international migration and its impacts: a critical review. In: MORRISON, A. R.; SCHIFF, M.; SJÖBLOM, M. (Ed.). The international migration of women. Washington, DC: World Bank and Palgrave Macmillan, p. 11-49, 2007.

RIBEIRO, J.T.L.; CARVALHO, J.A.M.; WONG, L.R. Migração de retorno: algumas possibilidades de mensuração. In: Encontro Nacional de Estudos Populacioanis. Anais: X Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Caxambu – MG, p. 955-972, 1996.

RIGOTTI, J. I. R. Técnicas de mensuração das migrações, a partir de dados censitários: aplicação aos casos de Minas Gerais e São Paulo. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 1999, 142 p.

SANDELL, S. H. Women and the Economics of Family Migration. The Review of Economics and Statistics, v. 59, n. 4, p. 406-414, nov. 1977.

SHRYOCK, H. S.; SIEGEL, J. S. The methods and materials of demography. Washington: New York: Academic Press, 1980, 566 p.

STARK, O. The migration of labor. Massachusetts: Basil Blackwell, 1991, 406 p.

WAJNMAN, S. Demografia das famílias e dos domicílios brasileiros. Tese (Professor Titular de Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais, 2012, 158 p.

Publicado
2020-04-21
Como Citar
Schneider, R., & Brito, F. R. A. de. (2020). Migração individual e conjunta. Ideias, 11, e020001. https://doi.org/10.20396/ideias.v11i0.8658541