O papel do Poder Público Municipal na gestão dos recursos hídricos

  • Gustavo Carneiro de Noronha Universidade Federal Fluminense
  • Mônica Aquino Galeano Massera da Hora Universidade Federal Fluminense
  • Elza Maria Neffa Vieira de Castro Universidade do Estado do Rio de Janeiro [UERJ]
Palavras-chave: Políticas públicas. Meio ambiente. Recursos hídricos. Município.

Resumo

O presente artigo analisa a proposta de descentralização da gestão dos recursos hídricos no âmbito das microbacias hidrográficas, local onde se delimitam os problemas de âmbito municipal. Da análise do histórico da gestão das águas no país entende-se que os marcos legais estão inseridos em um processo de descentralização. A Constituição Federal de 1988 define que as águas são bens da União e Estados e, posteriormente, a Política Nacional de Recursos Hídricos institui as bacias hidrográficas como as unidades territoriais de gestão. Entretanto a fiscalização e a administração das bacias permanecem centralizadas e sem apresentar uma interconexão entre a utilização da água e os demais bens ambientais. Das atribuições municipais destacam-se a fiscalização do meio ambiente, a implantação da política agrícola, a criação de unidades de conservação e a gestão do território urbano. A incorporação dessas políticas em um zoneamento ambiental que insira a gestão das águas permite o melhor aproveitamento da disponibilidade hídrica e a participação da população local nas decisões administrativas das bacias hidrográficas através do governo municipal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Carneiro de Noronha, Universidade Federal Fluminense
Doutor em Meio Ambiente (UERJ), Professor Assistente da Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói [RJ], Brasil.
Mônica Aquino Galeano Massera da Hora, Universidade Federal Fluminense
Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói [RJ], Brasil.
Elza Maria Neffa Vieira de Castro, Universidade do Estado do Rio de Janeiro [UERJ]
Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de Janeiro [RJ], Brasil.

Referências

BRAGAGNOLO, N.; PAN, W. A Experiência de Programas de Manejo e Conservação dos Recursos Naturais em Microbacias Hidrográficas: uma contribuição para o gerenciamento dos recursos hídricos, in MUÑOZ, H.R. (org.). Interfaces da gestão de recursos hídricos: desafios da Lei de Águas de 1997. 2. ed. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos, 2000.

BRASIL. Decreto nº 94.076, de 05 de março de 1987. Institui o Programa Nacional de Microbacias Hidrográficas e dá outras providências. Diário Oficial da União. Seção 1 – 6/3/1987, Página 3159 Disponível em: http://www6.senado.gov.br/legislacao/ListaPublicacoes.action?id=131009. Acesso em: 15 mai. 2013.

CARVALHO, P.F. Águas nas cidades: reflexões sobre usos e abusos para aprender novos usos, in BRAGA, R.; CARVALHO, P.F. Recursos Hídricos e Planejamento Urbano e Regional, LPM/Deplan/IGCE-Unesp, Rio Claro. 2003. p.09-35.

CARVALHO, P.F.; e BRAGA, R. Zoneamento ambiental urbano por micro-bacias hidrográficas: estudo de viabilidade em cidade média no estado de São Paulo – Grupo de Pesquisa Análise e Planejamento Territorial – GPAPT. (2003) Disponível em: http://www.rc.unesp.br/igce/planejamento/gpapt/gpapt.htm. Acesso em: 20 mai. 2013.

CIRILO, J.A. Políticas públicas de recursos hídricos para o semi-árido. Estudos Avançados. v. 22, n.63, 2008. Disponível em http://www.scielo.br/ pdf/ea/v22n63/v22n63a05.pdf. Acesso em: 20 mai.

INEA. Instituto Estadual do Ambiente. Faixa Marginal de Proteção: conceitos, legislação e dificuldades de aplicação. 2013. Disponível em: http://crmvrj.org.br/forum%20de%20saude%20publica/delimitacao%20de%20faixas%20marginais%20de%20protecao%20do%20estado%20do%20rj.pdf. Acesso em: 14 mai. 2013.

IORIS, A.A.R. Passado e Presente da Política de Gestão dos Recursos Hídricos no Brasil. Finisterra. Revista Portuguesa de Geografia. XLI, 82, p.87-99, 2006.

JACOBI, P. Dilemas Socioambientais na Gestão Metropolitana: Do Risco à Busca da Sustentabilidade Urbana. Revista de Ciências Sociais. ISSN 0104-8015. n. 25 Outubro de 2006, p.115-134.

LUBITZ, E. Avaliação da Aplicação do Modelo Hidrológico SWAT à Bacia Do Ribeirão Concórdia – Lontras, SC. 2009, 125p. Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2009.

OLIVEIRA, E. C. A. Gestão dos Recursos Hídricos sob a Perspectiva da Descentralização. Revista ANAP Brasil. Ano 1, nº 1. Julho de 2008. ISSN 1984-8240.

RESENDE, R. U. As regras do jogo: Legislação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável no Vale do Ribeira. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2002.

SANTILLI, J. Aspectos Jurídicos da Política Nacional de Recursos Hídricos. Série Grandes Eventos – Meio Ambiente. 2007. Disponível em: http://www.estig.ipbeja.pt/~ac_direito/Santilli.pdf. Acesso em: 05 mai. 2013.

SEIFFERT, N. F. O Desafio da Pesquisa Ambiental. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.15, n.3, p.103-122, set./dez. 1998.

SILVA, E. R. O Curso da Água na História: Simbologia, Moralidade e a Gestão de Recursos Hídricos. 1998. 166p. Tese (Doutorado em Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz / Escola Nacional de Saúde Pública / PPG em Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1998.

SOUZA, E.F.; SILVA, F.M.; COSTA, A.M.B. Avaliação do uso e conservação do solo na comunidade de Gangorra, Tibau/RN. Sociedade e Território, Natal, v. 21, nº 1 – 2 (Edição Especial), p.55-67, jan./dez., 2009.

THOMAS, P.T. Proposta de uma Metodologia de Cobrança pelo Uso da Água vinculada à Escassez. 2002. 153 p. Dissertação de Mestrado – COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro, 2002.

TINÔCO, L.B.M. Legislação ambiental e regularização fundiária: um diálogo possível em Planos Diretores na Região Metropolitana de Natal. Instituto Brasisileirode Direito Urbanístico – IBDU. 2007. Disponível em: http://ibdu.com.br/imagens/Legislacaoambientaleregularizacaofundiaria.pdf. Acesso em: 07 mai. 2013.

TUCCI,C. E.M.; HESPANHOL, I.; CORDEIRO, F.O. A gestão da água no Brasil. Brasília: UNESCO, 2001. 191p.

YASSUDA, E.R. Gestão de recursos hídricos: fundamentos e aspectos institucionais. Revista Administração Pública, v.27, n.2, p.5-18, 1993.

ZHOURI, A. A Insustentável Leveza da Política Ambiental – Desenvolvimento e Conflitos Socioambientais / Organizado por Andréa Zhouri, KlemensLaschefski, Doralice Barros Pereira – Belo Horizonte: Autêncica, 2005.

Publicado
2013-04-01
Como Citar
Noronha, G. C. de, Hora, M. A. G. M. da, & Castro, E. M. N. V. de. (2013). O papel do Poder Público Municipal na gestão dos recursos hídricos. Labor E Engenho, 7(2), 94-107. https://doi.org/10.20396/lobore.v7i2.177
Seção
Artigos