Políticas e práticas de gestão de pessoas e suas relações com o absenteísmo na área de produção

  • Marlette Cassia Oliveira Ferreira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Caraguatatuba
  • Jussara Goulart da Silva Universidade Federal de Uberlândia
  • Flavio Santino Bizarrias Universidade Nove de Julho
  • Juliana Barros Carvalho Universidade Nove de Julho
  • Fernanda Maria S. Souza Universidade Nove de Julho
  • Mauricio Hirata França Universidade Nove de Julho
  • Marli de Sousa Gonçalves Universidade Nove de Julho
Palavras-chave: Gestão de pessoas, Senso de justiça, absenteísmo, Produção

Resumo

Pessoas são recursos-chave nas organizações que buscam mais competitividade e valor de mercado. O objetivo deste trabalho é analisar as relações entre as políticas e práticas de gestão de pessoas, o senso de justiça e o absenteísmo na área da produção, em um cenário de constante busca de maior qualidade de vida. O método abrangeu o levantamento de dados primários através de survey aplicados a 90 colaboradores da área de produção numa empresa de médio porte na cidade de São Paulo e foram analisados por meio de modelagem de equações estruturais. Os resultados mostraram que as políticas de gestão de pessoas aplicadas na organização estudada, como cargos e salários, benefícios e treinamento não tiveram influência significativa sobre a redução do absenteísmo na organização. Conclui-se que a redução do absenteísmo é mais influenciada pelo senso de justiça e demonstra que elogios por parte do superior e valorização do profissional bem como feedback positivo são fundamentais para os colaboradores desejarem permanecer na organização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlette Cassia Oliveira Ferreira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Caraguatatuba
Mestre Interdisciplinar em Administração, Comunicação e Educação. Doutoranda em Administração. Possui MBA em Marketing; Licenciatura em Administração; Especialização em Gestão Estratégica de Empresas. Possui Graduação em Comunicação Social Habilitação em Publicidade e, Graduação em Administração Geral; Graduação em Pedagogia. Professora efetiva no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - Campus Caraguatatuba.
Jussara Goulart da Silva, Universidade Federal de Uberlândia
Mestre em Administração (UFPR). Doutoranda em Administração. Bacharel em Administração Geral de Empresas pelo Instituto Educacional de Assis, Especialista em Administração de Marketing pela Fundação Eurípides Soares da Rocha. Professora efetiva da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Professora da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal (FACIP). Integra o banco de avaliadores do INEP/MEC.
Flavio Santino Bizarrias, Universidade Nove de Julho
Mestre em Administração. Doutorando em Administração. Professor de Administração, nos cursos de graduação, tecnologia e pós-graduação da Universidade Nove de Julho. Profissional em Análise Quantitativa com SPSS e PLS.
Juliana Barros Carvalho, Universidade Nove de Julho
Oficial Administrativo na Secretaria da Administração Penitenciária de São Paulo. Graduanda em Administração (Uninove).
Fernanda Maria S. Souza, Universidade Nove de Julho
Auxiliar Administrativo na Mouette Confecções Ind. e Com. Ltda., Graduanda em Administração (Uninove).
Mauricio Hirata França, Universidade Nove de Julho
Analista de crédito na Cooperativa de Economia e Crédito Mutuo dos Policiais Militares e Servidores da Secretaria dos Negócios da Segurança Pública do Estado de São Paulo. Graduando em Administração (Uninove).
Marli de Sousa Gonçalves, Universidade Nove de Julho
Funcionária do setor de Gestão de Cartão de Crédito Próprio no Ourinhos Hipermercado. Graduanda em Administração (Uninove).

Referências

ADAMI, Rafaela R.L. O Absenteísmo e a rotatividade de pessoal em empresas de construção civil. Disponível em http://www4.ifes.com.br/biblioteca/repbib/0/0C1.pdf Acesso em 14 de fevereiro de 2014.

ALVES, M. Causas do Absenteísmo na Enfermagem: uma dimensão do sofrimento no trabalho, 1996. 165f. Dissertação (Mestrado em Sistemas de Gestão). Escola de Enfermagem, USP, São Paulo, 1996.

ARMSTRONG, M. Armstrong’s handbook of human resource management practice.11. ed. London: Kogan Page, 2009.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisa Survey. Tradução de Guilherme Cezarino. Editora UFMG, BH, 1999, 519 p. (Coleção Aprender).

BARINI, Filho Ulrico. Manual de gestão de pessoas e equipes 29. Ed. São Paulo Gente, 2002.

CASCIO, Wayne; BOUDREUAU John. Investimento em Pessoas:Como medir oimpacto financeiro das iniciativas em Recursos Humanos. São Paulo: Bookman, 2008.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos na Empresa. Ed. Compacta. 3 Ed. São Paulo: Atlas, 1994.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos: o capital humano das organizações. 8 ed. São Paulo: Atlas, 2004.

CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. 7ª ed. Compacta. São Paulo: Atlas, 2002.

CHIN, W. W. The Partial Least Squares approach to structural equation modeling. In: MARCOULIDES, G. A. (Ed.) Modern methods for business research. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., p.295-336, 1998

DEMO, G. Políticas de gestão de pessoas nas organizações: papel dos valores pessoais e da justiça organizacional. São Paulo: Atlas, 2005.

DEMO, G. Desenvolvimento e validação da escala de percepção de políticas de gestão pessoas (EPPGP). Revista de Administração Mackenzie. São Paulo, v. 9, n. 6, 77- 101, set./out., 2008.

FIDELIS, T. P.;BANOV, M. R. Gestão de recursos humanos. Tradicional e estratégico. São Paulo: Érica, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. Ed. São Paulo: Atlas, 1991.

HAIR JR, et al.A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). SAGE Publications, 2014

LEGGE, K. Human resource management: rhetoric’s and realities. London: Macmillian, 1995.

LEE, J.B.; ERICKSEN, L.R.TheEffectsof a policychangeonThreetypesofabsence. J. Nurs.Adm, Billerica, v.20, n.7/8, p. 37-40, jul./aug.1990.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de Recursos Humanos, do Operacional ao Estratégico. São Paulo: Atlas 2002.

MATTAR, Fauze Nagib. Pesquisa de marketing. São Paulo: Atlas, 1996.

NOGUEIRA, D. Pupo, AZEVEDO, C. A. B. Absentismo-doença em mulheres, 1982. São Paulo. Fundacentro 1996.

PENATTI, I.;ZAGO, J.S.; QUELHAS, O. Absenteísmo: As consequências na gestão de pessoas. III SEGeT – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 2004

QUEIRÓZ, I.L.;BATISTA, S.D.F.; PANHA, V.W.O.; BIANCHI,J.R. O impacto do absenteísmo nas organizações. Revista EPeQ/Fafibe on-line, 5ª edição, 2013

SANCINETTI, T.R.;SOARES, A.V.N.; LIMA, A.F.C.L.; SANTOS, C.N.; MELLEIRO, M.M.; FUGULINO; F.M.T.; GAIDZINSKI, R.R. Taxa de absenteísmo da equipe de enfermagem como indicador de gestão de pessoas. Rev Esc Enfermagem USP 2011; 45(4):1007-12.

SILVA, M.M. Absenteísmo: Consequências e Impactos na Gestão de Pessoas. Revista On Line IPOG Especialize, julho, 2014.

RINGLE, C.M./WENDE, S./Will, S.: SmartPLS 2.0 (M3) Beta, Hamburg, http://www.smartpls.de, 2005

TOLEDO, FLÁVIO DE. ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL: DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS. 7ª ED. SÃO PAULO: ATLAS, 1989.

VASQUES-MENEZES, I. Por onde passa a categoria trabalho na prática terapêutica? In: CODO, W. (Org.). O trabalho enlouquece? Um encontro entre a clínica e o trabalho. Petropolis: Vozes, 2004.

Publicado
2015-09-16
Como Citar
Ferreira, M. C. O., Silva, J. G. da, Bizarrias, F. S., Carvalho, J. B., Souza, F. M. S., França, M. H., & Gonçalves, M. de S. (2015). Políticas e práticas de gestão de pessoas e suas relações com o absenteísmo na área de produção. Labor E Engenho, 9(3), 87-97. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i3.8634453
Seção
Artigos