Infâncias do Semiárido lançando olhares

  • Marcelo Silva de Souza Ribeiro Universidade Federal do Vale do São Francisco
Palavras-chave: Infância, Semiárido, Subjetividade

Resumo

Deflagrando alguns flashes, que laçam olhares para o universo infantil, este ensaio traz discussões, a partir de um panorama cultural, sócio-histórico e ambiental do lugar/tempo chamado, hoje, de Semiárido nordestino brasileiro. Essas discussões, por meio de problematizações, visam provocar reflexões sobre as construções de infâncias. Assim, o Semiárido nordestino e toda sua diversidade redescoberta, apesar das contradições e enormes ameaças ambientais, deve ser encarada também sob o ponto de vista da subjetividade. Seria possível, então, falar de uma subjetividade infantil do semiárido? De maneira mais específica, como pensar e abordar suas infâncias? Estas perguntas nortearam o ensaio, que se pautou em analisar literaturas de cordéis, registros fotográficos e conteúdos oriundos da interação direta com as crianças em contextos diversos. As idiossincrasias do semiárido, suas carências históricas e as inúmeras construções sociais desse lugar/tempo forjaram o humano também de maneira diversa, apesar de algumas possíveis apreensões comuns. As infâncias, que já somadas aos legados do mundo ocidental, acompanharam, fizeram parte, criaram e feneceram no próprio movimento do vir-a-ser do semiárido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Silva de Souza Ribeiro, Universidade Federal do Vale do São Francisco

Professor do Colegiado de Psicologia da Universidade Federal do Vale do São Francisco [Univasf]. Doutor em Educação pela UQAC/UQAM/Québec [Canadá].

Referências

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz. A invenção do Nordeste e outras artes. 2ª Ed. Recife; FJN, Ed Massangana; São Paulo; Cortez, 2001.

ANDRE, Marli. Pesquisa em educação : buscando rigor e qualidade. Cadernos de Pesquisa, n. 113, p. 51-64, julho/2001.

BORGES, Carolina de Campos e MAGALHÃES, Andrea Seixas. Laços intergeracionais no contexto contemporâneo. Estudos de Psicologia, 16 (2), p.171-177, maio-agosto/2011.

BRONFENBRENNER, Urie. A Ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

CIAMPA, A. da C.. A estória do Severino e a história da Severina: um ensaio de psicologia social. São Paulo: Brasilense, 1998.

CORSARO, W. Sociologia da infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

FERREIRA, Manuela e SARMENTO, Manuel Jacinto. Subjectividade e bem-estar das crianças: (In)Visibilidade e voz. Revista Eletrônica de Educação, v. 2, n. 2, nov. 2008.

FONSECA, A. Bosquejos de Categorias em Psicologia Ambiental Fenomenológico Existencial. Disponível em <https://sites.google.com/site/eksistenciaescola/eksistencia/bosquejos-de-categorias-em-psicologia-ambiental-fenomenologico-existencial>. Acessado em 25 de março de 2014.

FONSECA, A. Psicologia Ambiental Fenomenológico Existencial. Rogeriana. Gestáltica. Disponível em <https://sites.google.com/site/eksistenciaescola/eksistencia/psicologia-ambiental-fenomenologico-existencial>. Acessado em 25 de março de 2014.

FRANCA, Celso Sales. A imagem do Vale : reestruturação agrícola e mudança social no Vale do São Francisco. Petrolina : Editora Franciscana, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1970.

LIMA, Maria Batista. Identidades étnico-raciais, infância afro-brasileira e práticas escolares. In. Rocha e Kramer (orgs.). Educação infantil. Enfoques em diálogos. Campinas, SP: Papirus, 2011, p. 139-156.

MACEDO, Roberto Sidnei e GALEFFI, Dante. Um rigor outro sobre a qualidade na pesquisa qualitativa : educação e ciências humanas. Salvador: EDUFBA, 2009.

MARQUES, Juracy (org.). Ecologias de homens e mulheres do semiárido. Paulo Afonso: Fonte Viva, 2005.

MARQUES, Juracy (org.). Ecologias do São Francisco. Paulo Afonso: Fonte Viva, 2006.

PEREIRA, Rita Marisa Ribes; SOUZA, Solange Jobim. Infância, Conhecimento e Contemporaneidade. In: Infância e produção cultural. Campinas, SP, Papirus, 1998, p.37-48.

PINTO, Manuel; SARMENTO, Manuel. As crianças: contextos e identidades. Portugal: Ed. Universidade do Minho, 1997.

POSTMAN, Neil. O Desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Grafhia Editorial, 1999.

SILVA, Cristiane Irinéa. Acesso de crianças negras à educação infantil. In. Rocha e Kramer (orgs). Educação infantil. Enfoques em diálogos. Campinas, SP: Papirus, 2011, p. 121 – 138.

UNGER, Nacy Mangabeira. Da foz à nascente: o recado do rio. São Paulo: Cortez Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001.

REFERÊNCIAS DO CORDÉIS (produções independentes e muitas sem referências):

BORGES, José Francisco. A história de Dom Bosco em cordel. Petrolina [PE], 2009.

CALHEIROS, Jorge Maloqueiro Zé Catraca. Maceió [AL], 2003.

CALHEIROS, Jorge. Vida de boca de ponche. Maceió [AL], 2007.

SOARES, José. O rapaz que casou com uma porca. Bezerros [PE], 2004.

SOBRINHO, Joaquim Luiz. História dos bodinhos e a princesa interesseira. Bezerros [PE], 2005.

TEIXEIRA, Davi. O filho de Januário. Recife [PE], 2008.

VIEIRA, Cícero (Mecó). A filha de um pirata. Entre a espada e a sorte.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Ribeiro, M. S. de S. (2015). Infâncias do Semiárido lançando olhares. Labor E Engenho, 9(2), 93-100. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i2.8635581
Seção
Artigos