Tudo é água… e participação social

  • Sérgio Portella Fundação Oswaldo Cruz
  • Simone Santos Oliveira Fundação Oswaldo Cruz
  • Roberta Dutra INTER-CEPT
Palavras-chave: Desastres com água, Cidades serranas do Rio de Janeiro, Participação social, Redução de desastres, Planos de emergência

Resumo

As questões sociais foram agudizadas pela generalização dos problemas ambientais resultantes das próprias ações humanas e que podem ser discutidas a partir de uma palavra catalizadora de todas essas incertezas: água. E que apontam para a necessidade de participação social para seu enfrentamento. No entanto, debaixo da expressão participação social se abrigam as mais variadas ações, formas e concepções do que seria uma mobilização popular, comunitária ou social na sua relação com poderes e conhecimentos constituídos. Muito já se fez em busca de padrões e na produção de métricas capazes de medir a qualidade de uma ação para que ela pudesse ser incluida debaixo do enorme “sombrero” participação social. No entanto, é justamente na busca da medida, da métrica e da matematização da participação que se perde o essencial da sua qualidade, que relativiza a sua quantidade, que é a inovação social realizada. Por isso, defendemos neste artigo que toda participação social é situada, e assim deve se registrada e estudada, e apoiada. Nesse sentido, o objetivo deste ensaio foi registrar e discutir a partir do estudo de caso da reconstrução das cidades serranas do Estado do Rio de Janeiro (Brasil) depois de 11 de janeiro de 2011, e uma determinada experiência de produção coletiva de plano de emergência, que mobilizou toda o território e toda a populaçao da cidade e a incapacidade dos governantes e pesquisadores de absorvê-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Portella, Fundação Oswaldo Cruz
Doutorando do Programa de Doutoramento “Território, Riscos e Políticas Públicas”, oferecido pela Universidade de Coimbra, Universidade de Lisboa e Universidade de Aveiro, Portugal (conclusão: dezembro/2015). Mestre em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (RJ). Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente é assessor da presidência da Fundação Oswaldo Cruz. Integrante do Grupo de Pesquisa do Centro de Estudos e Pesquisas de Desastres em Saúde (CEPEDES/FIOCRUZ). Secretário executivo da Rede Nacional de Pesquisadores em Desastres
Simone Santos Oliveira, Fundação Oswaldo Cruz
Pós-doutorado em Psicologia do Trabalho pela Faculdade de Psicologia e das Ciências da Educação da Universidade do Porto - Portugal (2012); Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (2007); Mestre em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz (1995) e graduada em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (1985). 
Roberta Dutra, INTER-CEPT

Graduada em Psicologia (IBMR), Especialista em Redução de Risco de Desastres e Mudanças Climáticas em bases comunitárias e governamentais (INTER-CEPT). Rio de Janeiro [RJ] Brasil.

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BAUMAN, Z. Vidas Desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

KLEIN, N. The Shock Doctrine: The Rise of Disaster Capitalism. Toronto: Knopf Canada, 2007.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos. Ensaio de Antropologia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LAVELL, A. Anotações da Palestra pública proferida na Assembleia Legislativa de Santa Catarina, Florianóplis 18 de abril de 2015.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o Cozido. Mitológicas I. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

MIGNOLO, W. Desobediencia Epistémica: retórica de la modernidad, lógica de la colonialidad y gramática de la descolonialidad. 2 ed. Buenos Aires: Del Signo, 2014.

MILETI, D.; GAILUS, J. Sustainable Development and Hazards Mitigation. The United States: Disasters. Mitigation and Adaptation Strategies for Global Change. Springer, 10: 491-504, 2005.

NOVA FRIGURGO (NF). Relatório Plano de Emergência da Sociedade Civil – PESC. Nova Friburgo: ONG Diálogo e Care, 2012.

NUNES, J.A. Governação, e Conhecimento e Participação Pública. Relatório para Provas de Agregação. Coimbra: Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2007. 111p.

PORTELLA,S.; NUNES, J.A. Populações serranas excluídas, cidades insustentáveis: o enigma da participação pública. Rev Ciência & Saúde Coletiva, 19(10):4223-4228, 2014.

SANTOS, B. S. Um Discurso sobre as Ciências. 5 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, B.S. Para além do Pensamento Abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais, 78: 3-46, 2007.

UNISDR. Sendai framework for disaster risk reduction 2015-2030. 2015, 18 March 2015.

VALENCIO, N. 2011. Desastre: um termo em disputa. Textos geradores – II Seminário Nacional de Psicologia em Emergências e Desastres/Conselho Federal de Psicologia. Anais… Brasília: CFP, 2011. 76 p. Disponivel em: http//:www.emergenciasedesastres.cfp.org.br/wp-content/…/10/normavalencio.pdf. Acesso em: 15 fev. 2015.

Publicado
2015-12-24
Como Citar
Portella, S., Oliveira, S. S., & Dutra, R. (2015). Tudo é água… e participação social. Labor E Engenho, 9(4), 66-75. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i4.8642027
Seção
Artigos