A gestão dos recursos hídricos e da estiagem no Oeste Catarinense: contribuição para uma análise sistêmica complexa

  • Mário Jorge Cardoso Coelho Freitas Universidade do Estado de Santa Catarina / Universidade do Minho (aposentado)
  • Patrícia Taeko Kaetsu Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: Abordagem sistêmica, Diagramas de ciclos causais, Gestão de recursos hídricos, Estiagem

Resumo

A abordagem sistêmica surgiu, essencialmente, a partir da dificuldade em utilizar a abordagem analítica para explicar fenômenos complexos que eram influenciados pelo contexto e pelas inter-relações. Os sistemas complexos são caracterizados por situações dinâmicas nas quais os problemas mudam ao interagir com outros problemas. Representam uma situação problemática para a qual é difícil formular as causas e consequências, uma vez que apresentam características de interdependência e multi-causalidades contínuas, circulares. Certos aspectos, vistos como causas, viram efeitos e vice-versa. Os sintomas são confundidos com o problema e as soluções produzem consequências inesperadas. Essas características se aplicam à problemática da estiagem e da gestão de recursos hídricos. O artigo, assim, objetiva apresentar os primeiros esboços conceituais de uma análise sistêmica do problema da estiagem em Santa Catarina. Foram utilizados os dados coletados durante a pesquisa intitulada “Estiagem no Oeste Catarinense: Diagnóstico e Resiliência” como a base para este estudo sistêmico preliminar. Especificamente, são apresentados três exemplos de arquétipos, ou seja, “histórias clássicas dos sistemas” aplicados ao entendimento de uma situação e à identificação dos ciclos de reforço e equilíbrio no contexto de pesquisa; dois esboços de diagramas causais gerais e um diagrama de ciclo causal consolidado que representa o resultado inicial da análise. O estudo teve o desafio de atender aos limites inerentes às teorias sistêmicas, ao mesmo tempo em que foi limitado em seu acesso às informações. Como um sistema de aprendizado, cada análise traz novas informações e possibilita diferente interpretações dos problemas e soluções da estiagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mário Jorge Cardoso Coelho Freitas, Universidade do Estado de Santa Catarina / Universidade do Minho (aposentado)
Biólogo, Doutor e Pós-doutor em Educação, Professor aposentado da Universidade do Minho [Portugal]. Pesquisador em Redução de Risco de Desastres, Gestão Ambiental e Educação Ambiental, Laboratório de Estudos de Riscos e Desastres. Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental (professor voluntário permanente). Universidade do Estado de Santa Catarina.
Patrícia Taeko Kaetsu, Universidade do Estado de Santa Catarina

Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental. Universidade do Estado de Santa Catarina.

Referências

BAKEWELL, Oliver; GARBUTT, Anne. The use and abuse of the logical framework approach. Estocolmo: Swedish International Development Cooperation Agency, 2005. Disponível em: http://www.intrac.org/data/files/resources/518/The-Use-and-Abuse-of-the-Logical-Framework-Approach.pdf. Acesso em: 28 out. 2012.

BARCELLOS, Paulo Fernando Pinto; ANDRADE, Aurélio de Leão; NÓBREGA FILHO, Antonio. Construção do futuro com grupos sociais complexos: utilizando o pensamento sistêmico no planejamento de longo prazo com a participação de comunidades de aprendizagem. Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 40, n. 4, p. 321-329, out./nov./dez. 2005.

BECK, Ulrich. A Reinvenção da Política. Em: Giddens, A., Beck, U. & Lash, S. Modernização Reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. pp.45-69. São Paulo: UNESP. 1997.

BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria geral dos sistemas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1977. 351 p.

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação: A Ciência, a Sociedade e a Cultura emergente. 23ª ed. Trad. Álvaro Cabral. São Paulo, SP: Editora Pensamento-Cultrix Ltda, 2002.

CAPRA, Fritjof. O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 1982. 447 p.

CASTRO, Antônio Luiz Coimbra de. Glossário de Defesa Civil estudos de risco e medicina de desastres. Ministério do Planejamento e Orçamento, Secretaria Especial de Políticas Regionais. 2 ed. Brasília: MPO, 1998.

CASTRO, Antônio Luiz de. Manual de Desastres. Brasília: Ministério da Integração Nacional. 2003. 174 p.

CHECKLAND, Peter. Soft systems methodology: a thirty year retrospective. Systems Research and Behavioral Science, Chichester, v. 17, p. S11–S58, 2000. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.395.556&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 11 abr. 2013.

CHECKLAND, Peter. Systems thinking, systems practice. West Sussex: John Wiley & Sons, 1999. 330 p.

CRESWELL, John W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. Poto Alegre: Artmed, 2010. 296 p.

ELSAWAH, Sondoss. The use of integrated modelling for learning and communicating about water Issues in the Australian Capital Territory. 2010. Tese (Doutorado) - University of New South Wales, Austrália, 2010. Disponível em: http://oatd.org/oatd/record?record=unsw%5C:unsworks_8981. Acesso em: 10 dez. 2014.

FORRESTER, Jay W. Policies, decisions and information sources for modeling. European Journal of Operational Research, North-Holland , v. 59, p. 42-63, 1992.

FORRESTER, Jay W. Urban dynamics. Journal of Dynamic Systems, Measurement, and Control 93, n. 2, p. 128, 1971.

FREITAS, Mário. Formação inicial e contínua de professores de Biologia e Geologia. O caso particular da Licenciatura em Ensino da Biologia e Geologia da Universidade do Minho. Tese de Doutorado em Educação - Universidade do Minho, Braga, Portugal. 1999.

FREITAS, Mário. Complejidad, cultura y sostenibilidad. Implicaciones educativas. In: Mira, Ricardo; Marcote, Pedro. Sostenibilidad, valores y cultura ambiental, Madrid: Ediciones Pirámide, 2009, p. 105-146.

FREITAS, Mário; ANNUNCIATO, Drauzio; NARDI, Ivanete; SILVA, Bruno. A Mediação como Prática Discursiva Transformadora. Um estudo de caso com comunidades piscatórias ribeirinhas de Botucatu (SP, Brasil). In: BRITO, Brígida (coord.); ALARCÃO, Nuno e MARQUES, Joana (Org.). Desenvolvimento Comunitário: das teorias às práticas Turismo, Ambiente e Práticas Educativas em São Tomé e Príncipe. Lisboa: CEA-ISCTE & GERPRESS, 2009, p.191-203.

GASPER, Des. Evaluating the ‘logical framework approach’ towards learning-oriented development evaluation. Public Administration and Development, [S.l.], v. 20, n. 1, p. 17-28, fev. 2000.

GUIVANT, Julia S. A teoria da sociedade de risco de Ulrich Beck: entre o diagnóstico e a profÍcia. Revista Estudos, Sociedade e Agricultura. n.16, pp. 95-112. abr. 2001.

HUMMELBRUNNER, Richard, ROGERS , Patricia; WILLIAMS, Bob. Beyond logframe; using systems concepts in evaluation. Tóquio, Kanto-Ken: Foundation for Advanced Studies on International Development - FASID, 2010.

HUMMELBRUNNER, Richard. Systems thinking and evaluation. Sage Journals: Evaluation, [S.l.], v. 17, n. 4, out. 2011.

JAY, Jason. Creating a sustainable society: dynamics of renewable resources. [S.l.]: [S.n.], [2013]. Disponível em: http://mitsept2013.weebly.com/uploads/9/8/2/1/9821966/2013_fishbanks_debrief_slides.pptx. Acesso em: 10 jan. 2015.

KAETSU, Patricia Taeko. A abordagem sistêmica na gestão integrada de recursos hídricos: limites e possibilidades de atuação do Comitê Cubatão. 2015. Dissertação (mestrado) - Universidade do Estado de Santa Catarina, Mestrado Profissional em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socioambiental, Florianópolis, 2015.

MEADOWS, Donella H. Thinking in systems: a primer. [S.l.]: Chelsea Green Publishing, 2008.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2005.

MORIN, Edgar. O método: a natureza da natureza. Tradução de Maria Gabriela de Bragança. Portugal: Europa-América Ltda, 1997.

SIMONOVIĆ, Slobodan. Managing water resources: methods and tools for a systems approach. London: Earthscan, 2009.

STERMAN, John. System dynamics: systems thinking and modeling for a complex world. Cambridge: Working Paper Series, 2002.

UNISDR - United Nations Office for Disaster Risk Reduction. Global Assessment Report on Disaster Risk Reduction (GAR). Disponível em: https://www.unisdr.org/we/inform/publications/42809. 2015. 316 p.

VALIENTE, Marcos O. Sequía: definiciones, tipologías y métodos de cuantificación. Investigaciones Geográficas. Alicante, n. 26, pp. 59-80. 2001.

Publicado
2015-12-24
Como Citar
Freitas, M. J. C. C., & Kaetsu, P. T. (2015). A gestão dos recursos hídricos e da estiagem no Oeste Catarinense: contribuição para uma análise sistêmica complexa. Labor E Engenho, 9(4), 34-50. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i4.8642497
Seção
Artigos