Paisagens em trânsito: o caso da Estrada Parque Taguatinga

Palavras-chave: Paisagem. Cotidiano. Descrição etnográfica. Estrada-parque.

Resumo

O artigo busca investigar a experiência da paisagem no cotidiano a partir dos deslocamentos ao longo dos eixos viários, tendo como estudo de caso a Estrada Parque Taguatinga (EPTG), DF-085. A discussão irá delinear-se a partir de um componente teórico e outro empírico. O primeiro irá examinar o papel das infraestruturas viárias no reconhecimento do território e de suas paisagens, e principalmente os modos de percepção nos deslocamentos cotidianos e na experiência do próprio movimento. Já o componente empírico se desenvolverá em função do estudo de caso, iniciando-se com um breve histórico da via, suas escalas, usos e configurações; como também de análises baseadas na antropologia interpretativa, com as ferramentas de descrição etnográfica e observação participante, de modo a identificar tais paisagens, em permanente mutação. Além de situar as narrativas dos praticantes da cidade em seus percursos, atravessamentos e as experiências sensíveis que estabelecem com o território e a própria via no cotidiano. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sued Ferreira da Silva, Universidade de Brasília

Arquiteta e Urbanista graduada em 2011 pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência em Projeto de Arquitetura e Urbanismo e pesquisa/ensino em Teoria, História e Crítica da Arquitetura e Urbanismo com ênfase nos estudos sobre Arte, Arquitetura e Urbanismo da Antiguidade, Cidade Contemporânea, Teoria e Filosofia da Paisagem, além de interesse por temas como Imaginário, Arqueologia da Paisagem, Modernidade, História do Pensamento Urbanístico e Arte Contemporânea. Atualmente é pesquisadora-bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e discente do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília, com dissertação em desenvolvimento sobre a apreensão da paisagem urbana em movimento, a partir dos percursos viários e suas transformações espácio-temporais, tendo como estudo de caso a Estrada Parque Taguatinga, DF-085. É membro do Núcleo de Estética, Hermenêutica e Semiótica (NEHS/CNPQ) e do Laboratório de Estudos da Urbe (LabeUrbe), ambos no âmbito do Programa de Pesquisa e Pós-Graduação da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, UnB.

Luciana Saboia, Universidade de Brasília

Luciana Saboia Fonseca Cruz. Arquiteta e Urbanista pela UnB, Mestre e Doutora em Théorie et Histoire de l'Architeture et la Ville na Université Catholique de Louvain [Bélgica]. Professora da Faculdade de Arquitetura e do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da UnB. Brasília [DF] Brasil.

Referências

APLEYARD, D., LYNCH, K., & MYER, J. R. (1964). The view from the road. Cambridge: Massachussetts Institute of Technology.

AUGÉ, M. (2012). Não Lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade (9 ed., M. Pereira, Trad.). Campinas: Papirus.

Besse, J.-M. (2013). Estar na paisagem, habitar, caminhar. Em I. Cardoso, & I. L. Cardoso (Ed.), Paisagem Patrimônio. Porto: Dafne.

Borges, J. (1949). O Aleph (F. Cardozo, Trad.). São Paulo: Globo S.A. . Acesso em Fevereiro de 2016.

BRITO, J. D. (2009). De Plano Piloto à Metrópole: a mancha urbana de Brasília. Brasília: Universidade de Brasília.

CACCIARI, M. (2010). A cidade (J. J. Serra, Trad.). Barcelona: Gustavo Gili.

CAUQUELIN, A. (2007). A invenção da paisagem (M. Marcionilo, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

COLLOT, M. (2013). Poética e filosofia da paisagem. Rio de Janeiro: Oficina Raquel.

Dias, K. (2008). Notas sobre a paisagem, visão e invisão. Anais do VIII Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual. Goiânia: UFG. Acesso em Fevereiro de 2016, disponível em https://seminarioculturavisual.fav.ufg.br/up/778/o/2008.GT2_Karina_Dias.pdf

Dias, K. (2011). A prática do banal, uma aspiração paisagística. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas. Rio de Janeiro: ANPAP. Acesso em Fevereiro de 2016, disponível em http://www.anpap.org.br/anais/2011/pdf/cpa/karina_dias.pdf

Ficher, S. (1999). Brasília e seu Plano Piloto. Em M. Leme, Urbanismo no Brasil: 1895-1965 (pp. 230-239). São Paulo: FUPAM.

GARREAU, J. (1991). Edge City: life on the New Frontier. New York: Doubleday.

Gondim, M. F. (2014). A travessia no tempo: homens e veículos, da mitologia aos tempos modernos. Brasília: Universidade de Brasília.

HOLANDA, F. R. (2003, outubro). Brasília: da Carta de Atenas à Cidade dos Muros. Seminário DOCOMOMO Brasil, São Carlos, SP, Brasil, 5. Acesso em Setembro de 2014, disponível em http://www.docomomo.org.br/seminario%205%20pdfs/054R.pdf

JACOBS, J. (2003). Morte e vida nas grandes cidades (C. S. Rosa, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Jatobá, S. U. (2010). Brasília 50 anos: da capital a metrópole (A. Paviani, F. F. Barreto, I. C. Ferreira, L. C. Cidade, & S. U. Jatobá, Eds.). Brasília: Universidade de Brasília.

LEFEBVRE, H. (1991). The production of space (D. N. Smith, Trad.). Cambridge, Oxford: Blackwell Publishing.

Matos, A. C. (2013). Paisagem, Caminho-de-Ferro e Patrimônio. Em I. L. Cardoso, Paisagem Patrimônio. Porto: Dafne Editora.

PANERAI, P. (2006). Análise Urbana (F. Leitão, Trad.). Brasília: Universidade de Brasília.

SECCHI, B. (2006). Primeira lição de Urbanismo. São Paulo: Perspectiva.

SECCHI, B. (2009). A cidade do Século Vinte (M. Barda, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

SILVA, L. (1996). Ecologia: manejo de áreas silvestres. Santa Maria: MMA/FNMA/FATEC.

Tange, K. (1959). Discurso de Tange no CIAM de Otterloo. Acesso em Fevereiro de 2016, disponível em http://www.cronologiadourbanismo.ufba.br/apresentacao.php?idVerbete=22

Publicado
2016-09-29
Como Citar
Silva, S. F. da, & Saboia, L. (2016). Paisagens em trânsito: o caso da Estrada Parque Taguatinga. Labor E Engenho, 10(3), 302-312. https://doi.org/10.20396/lobore.v10i3.8646182
Seção
Artigos