Avaliação do papel dos telhados verdes no desenho e desenvolvimento urbano de baixo impacto ambiental e no controle de enchentes na Cidade do Rio de Janeiro

Autores

  • Dayana Martins Nunes Universidade do Estado do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0003-0078-3546
  • Luciene Pimentel da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Paulo Luiz da Fonseca Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v11i3.8648820

Palavras-chave:

Rede de Pesquisa FINEP – BRUM. DDUBI. Telhados verdes. SWMM. Controle de enchentes.

Resumo

Este trabalho discute o papel dos telhados verdes no desenho e desenvolvimento urbano de baixo impacto ambiental. São aprofundadas as questões relacionadas ao manejo das águas pluviais urbanas e é avaliado o desempenho dos telhados verdes como dispositivos nos sistemas de micro e macrodrenagem. A metodologia envolveu a aplicação de modelos computacionais hidrológicos-hidráulicos através de estudo de caso em bacia hidrográfica localizada em área de paisagem peri-urbana na cidade do Rio de Janeiro. O modelo computacional adotado, SWMM da US-EPA, permite que se insira de maneira hipotética estes dispositivos em edificações pré-existentes. Através do estudo de cenários sem e com inserção de telhados verdes, pode-se avaliar virtualmente o papel destes dispositivos na redução dos volumes escoados superficialmente e da vazão instantânea máxima, assim como das condições de extravasamento da calha fluvial sob chuva intensa real observada no local em abril de 2010. Os resultados permitiram verificar que apesar de não reverter o extravasamento da calha fluvial, os telhados verdes tiveram impacto na redução dos volumes escoados superficialmente, que agravam as enchentes urbanas, e da vazão máxima instantânea em até 10% aproximadamente. A partir destes resultados e da avaliação das outras sinergias dos telhados verdes com o desenho e desenvolvimento urbano de baixo impacto ambiental recomenda-se o incentivo de políticas públicas que possam viabilizar sua adoção nas cidades Brasileiras com vistas à melhoria da qualidade de vida da população que habita os aglomerados urbanos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dayana Martins Nunes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestranda em Engenharia Ambiental - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Luciene Pimentel da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Associada do Departamento de Engenharia Sanitária e do Meio Ambiente, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Paulo Luiz da Fonseca, Universidade Federal Fluminense

Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Civil, Universidade Federal Fluminense.

Referências

Amaral, D. P. B. (2014). Aplicação do modelo hidrológico SWMM na gestão das águas pluviais urbanas: estudo de caso da bacia hidrográfica do Rio Morto. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Engenharia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

AMEC. (2001). Georgia Stormwater Management Manual, Volume 2: Technical Handbook. AMEC Earth and Environmental, Center for Watershed Protection, Atlanta – USA.

Baptista, M. et al. (2005). Técnicas compensatórias em drenagem urbana. Porto Alegre: ABRH.

Barlow, D. et. al. (1977). Research report on developing a community level natural resource inventory system: Center for Studies in Food Self-Sufficiency.

Bastos, G. A. P. (2007). Análise dos parâmetros do modelo SWMM para avaliação do escoamento em duas bacias periurbanas em Santa Maria-RS. (Dissertação de Mestrado) – Centro de Tecnologia, Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, RS, Brasil.

Berardi, U., Ghaffarianhoseini, A., & Ghaffarianhoseini, A. (2014). State-of-the-art analysis of the environmental benefits of Green roofs. Apllied Energy, (115), 411-428.

Berndtsson, J. C. (2010). Green roof performance towards management of runoff water quantity and quality: A review. Ecological Engineering, 36 (4), 351-360.

Bianchini, F., & Hewage, K. (2012). How green are the green roof? Lifecycle analysis of green roof materials. Building and Environment, (48), 57-65.

Bracey, S. et al. (2008). Lessons Applying Low-Impact Urban Design: Talbot Park. In: Stormwater Conference, Oakland.

Canero, R. F., & Redondo, P. G. (2010). Green Roof as a Habitat for Birds: A Review. Journal of Animal and Veterinary Advances, 9 (15), 2041-2052.

Carter, T., & Butler, C. (2008). Ecological impacts of replacing traditional roofs with green roofs in two urban areas. Cities and the Environment, 1 (2), 1-17.

Cerqueira, L. F. F. (2012). Redesenho Urbanístico de Assentamentos Informais com Vistas à Conservação da Água e Sustentabilidade Ambiental. (Tese de Doutorado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Cerqueira, L. F. F., & Pimentel da Silva, L. (2013). Política habitacional brasileira, proliferação de assentamentos informais, recursos hídricos e sustentabilidade urbana na cidade do Rio de Janeiro. Revista Labor & Engenho, 7 (2), 26-44.

Cerqueira, L. F. F., & Pimentel da Silva, L. (2016). Methodological Proposal for Redesigning Informal Communities – Constructing Resilience in Hydrological Stress Conditions. Ambiente & Sociedade (Online), 19 (1), 43-62.

Chatfield, P. (2005). SUDS - Benefits to be gained from a strategic approach. In SUDS - Time to Get to Grips With It, London, United Kingdom.

Coffman, L. S. (2002). Low-impact Development: An Alternative StormwaterManagement Technology. In France, R. L., (Org.). Handbook of Water Sensitive Planning and Design. Massachussets, USA: ed. Lewis Publishers, chapter. I.05, 97-124.

Fletcher, T. D. et al. (2014). SUDS, LID, BMPs, WSUD and more – The evolution and application of terminology surrounding urban drainage. Urban Water Journal, 12 (7), 525-542.

Garrido Neto, P. S. (2016). Telhados verdes como técnica compensatória em drenagem urbana na cidade do Rio de Janeiro: Estudo experimental e avaliação de sua adoção na bacia do rio Joana a partir do uso de modelagem matemática. (Dissertação de Mestrado) – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-graduação e Pesquisa de Engenharia (COPPE), Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Getter, K. L., & Rowe, D. B. (2006). The Role of Extensive Green Roofs in Sustainable Development. Horts Science, 41 (5), 1276-1285.

Hall, M. J. (1984). Urban Hydrology. Belfast: The Universities Press, Elsevier Applied Science Publishers Ltd.

Huber, W. C., & Dickinson, R. E. (1992). Storm Water Management Model, Version 4: User´s Manual. Athens, Georgia : U.S. Environmental Protection Agency.

Jato-Espino, D. et al. (2016). Rainfall–Runoff Simulations to Assess the Potential of SuDS for Mitigating Flooding in Highly Urbanized Catchments. International Journal of Environmental Research and Public Health, 13( 2), 1-13.

Krebs, G. et al. (2015). Simulation of green roof test bed runoff. Hydrological Processes, 1-13.

Krüger, C. M., & Dziedzic, M. (2010). Drenagem Urbana. Prefeitura Municipal de Curitiba, Instituto Municipal de Administração Pública/IMAP. Plano de Desenvolvimento de Competências.

Lloyd, S. (2003). Clearwater project: community acceptance of water sensitive urban design. In: Seminar of the Australian Water Association and the Stormwater Industry Association of Victoria. Managing the Changing Colours of Water, Melbourne: WIA.

Loiola, C. M. (2015). Relação chuva-vazão nos telhados verdes modulares sob chuva simulada induzida. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Engenharia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Loiola, C. M. et al. (2015). Caracterização do runoff em telhados verdes modulares sob chuva simulada induzida. In: XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Brasília, Distrito Federal.

Mary, W. et al. (2008). Telhados Verdes: ferramenta potencial para geração de renda em área de fragilidade social. In IX Encontro Nacional de Ensino de Paisagismo em Escolas de Arquitetura e Urbanismo no Brasil. Curitiba, PR, Brasil.

Mary, W. et al. (2010). Tecnologias alternativas de produção vegetal em telhados verdes em áreas de interesse social. Revista Conexão UEPG, 6 (1), 60-67.

Ministério das Cidades. (2005). Gestão do Território e Manejo Integrado das Águas Urbanas. Cooperação Brasil-Itália em Saneamento Ambiental. Brasília: Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental.

Nunes, D. M. et al. (2015). Análise dos parâmetros ajustados para o modelo hidrológico SWMM para bacias hidrográficas brasileiras. In XXI Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Brasília, Distrito Federal.

Oliveira, E. W. N. de. (2009). Telhados verdes para habitações de interesse social: retenção das águas pluviais e conforto térmico. (Dissertação de Mestrado) – Faculdade de Engenharia, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Oliveira, E. W. N. de. et al. (2009). Telhados verdes em habitações de interesse social e retenção das águas pluviais para drenagem urbana sustentável. In XVIII Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos, Campo Grande.

Pimentel da Silva, L. (2015). Hidrologia: Engenharia e Meio Ambiente, 1ª edição, Elsevier, ISBN 978-85-352-7734-0, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Pimentel da Silva, L. et al. (2008). HIDROCIDADES - Cities, Quality of Life and Water Resources: Integrated Water Resources Management and Urban Planning for Low-Land Region of Jacarepaguá, Rio de Janeiro, Brazil. In: International Congress on Urban Drainage, Edinburgh, 11th ICUD.

Poleto, C. (2011). SUDS (Sustainable Urban Drainage Systems): Uma Contextualização Histórica. Revista Thema, 8 (1), 1-12. Porto Alegre: Ed. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense.

Portal Geo-Rio. (2016). Armazém de Dados. Mapa Digital do Rio de Janeiro. Base Geoweb – Extração de Base de Dados Geográficos. Recuperado de: http://portalgeo.rio.rj.gov.br/mapa_digital_rio/?config=config/ipp/basegeoweb.xml.

Rosa, E. U. (2002). Desenvolvimento de Procedimentos Computacionais para Integração de Sistemas de Informação Geográfica com Modelo Hidrológico Chuva-Vazão em Bacias Urbanas. (Dissertação de Mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rosseti, K. A. C. et al. (2013). Abordagens sistêmicas dos efeitos da implantação de telhados vegetados. Brazilian Geographical Journal: Geosciences and Humanities research medium, 4 (1), 55-77.

Rossi, E., & Sousa, L. M. G. (2012). Ecotécnicas de drenagem urbana: urbanização de impacto ambiental reduzido. In: Simpósio de pós-graduação em engenharia urbana, Maringá. Caderno de Resumos – SIMPGEU. Maringá: UEM, (3), 97-97.

Rossman, L. A. (2015). Storm Water Management Model – User’s Manual Version 5.1. Cincinnati, OH: U. S. Environmental Protection Agency.

Rowe, D. B. (2011). Green roofs as means of pollution abatement. Environmental Pollution, (159), 2100-2110.

Van Roon, M. R. (2006). Water Localisation and Reclamation: Steps Towards Low Impact Urban Design and Development. Journal of Environmental Management, 83 (4), 437-447.

Van Roon, M. R. (2012). Wetlands in The Netherlands and New Zealand: Optimising biodiversity and carbon sequestration during urbanization. Journal of Environmental Management, 101 (30), 143-150.

Van Roon, M. R., & Van Roon, H. (2005). Low Impact Urban Design and Development Principles for Assessment of Planning, Policy and Development Outcomes. Working Paper 051. Auckland: Centre for Urban Ecosystem Sustainability and Department of Planning, University of Auckland, 1-9.

Downloads

Publicado

2017-09-23

Como Citar

NUNES, D. M.; SILVA, L. P. da; FONSECA, P. L. da. Avaliação do papel dos telhados verdes no desenho e desenvolvimento urbano de baixo impacto ambiental e no controle de enchentes na Cidade do Rio de Janeiro. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 374-393, 2017. DOI: 10.20396/labore.v11i3.8648820. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8648820. Acesso em: 26 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos