Análise morfológica comparativa: a rede das vilas de Itapeva, Apiaí e Itapetininga fundadas no território paulista sob o governo do Morgado de Mateus

Palavras-chave: Elevação de vilas. Cidade colonial. Morfologia urbana. Urbanismo.

Resumo

Este trabalho investiga o ideário urbano no processo de elevação de algumas freguesias a vila no período colonial, com estudo de caso de freguesias do termo de Sorocaba elevadas a vila no governo do Morgado de Mateus (1765-1775): Itapeva da Faxina (1769), Itapetininga (1771) e Apiaí (1771). Elas se localizavam na parte meridional da Colônia, numa rota comercial entre Sorocaba e Curitiba. O método utilizado compreende análise comparativa entre as formações urbanas quando da fundação das vilas, reconstituindo as práticas e discursos envolvidos nas elevações com os centros históricos atuais, procurando verificar as permanências e rupturas dos modelos formais idealizados de cidade, através de seus espaços construídos. Para isso foram utilizadas documentações do governo paulista do período enquanto fontes primárias, fotografias e softwares para interpretação da cartografia histórica com os recursos de imagem atual de satélite, espacializando as diversas configurações desses centros urbanos, no passado e no presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Júlio Guedes, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Mestrando em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, com o projeto de pesquisa: A Ideia de Cidade. Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Sorocaba (2015), com o Trabalho de Graduação Interdisciplinar:Mobilidade urbana frente às transformações contemporâneas na cidade de Sorocaba. Recebeu prêmio de destaque acadêmico pelo Conselho Regional de Arquitetura e Urbanismo. Sócio proprietário da Guedes e Bissoli Arquitetura e Design, atuante na cidade de Sorocaba e região; Supervisor de projetos em Eduardo Rodrigues Arquitetura de 2013 a 2015.

 
Ivone Salgado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Professora Titular da Pontifícia Universidade Católica de Campinas junto ao Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (desde 1998) e junto à Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (dese 1987). Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1978), doutorado em Urbanisme "Amenagement et Environnement" pelo Institut d´Urbanisme de Paris - Université de Paris XII (Paris-Val-de-Marne) (1985) e pós-doutorado junto ao Istituto Universitario di Architettura di Venezia (2008-2009).Coordenadora da área de Arquitetura e Urbanismo da Diretoria Científica da FAPESP, entre 2000 e 2008. É Lider do Grupo de Pesquisa História das Cidades: Ocupação Territorial e Ideários Urbanos do CEATEC PUC Campinas. Atua principalmente nos seguintes temas: história do urbanismo, história do urbanismo no Brasil, história da arquitetura, história da arquitetura no Brasil e fundamentos da arquitetura e urbanismo.

Referências

Araújo, S. A. C (2006). Arqueologia de Itapeva, SP: contribuição a formação de políticas públicas para gestão patrimonial. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Museu de Etnologia e Arqueologia. São Paulo, SP, Brasil.

Araújo, R. M. et al. (2017). Heritage of Portuguese Influence Portal. Recuperado de: http://www.hpip.org/Default/en/Homepage.

Bellotto, H. L. (2007). Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo. São Paulo: Conselho Estadual de Artes e Ciências Humanas.

Bonadio, G. (1984). O Tropeirismo e a formação do Brasil. Sorocaba: Academia Sorocabana de Letras; Fundação Ubaldino do Amaral.

Bueno, B. P. S. (2009). Dilatação dos confins: caminhos, vilas e cidades na formação da Capitania de São Paulo (1532-1822). Anais do Museu Paulista, 17 (2), São Paulo, pp. 251-294.

Derntl, M. F. (2010). Método e arte: criação urbana e organização territorial na capitania de São Paulo, 1765-1811. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, SP, Brasil.

Luz, R. C. (1996) Santo Antonio das Minas de Apiahy. Apiaí. Recuperado de: www.bibliotecadigital.gpme.org.br/bd/wp-content/uploads/eco/.../bd-gpme-0091.pdf

Marx, M. (1991). Cidade no Brasil, terra de quem? São Paulo: Nobel, 1991.

Reis, N. G. (1968). Contribuição ao estudo da evolução Urbana no Brasil (1500-1720). São Paulo: Edusp.

Reis, N. G. (2000). Imagens de Vilas e Cidades do Brasil Colonial (colaboradores Beatriz Piccolotto Siqueira Bueno, Paulo Júlio Valentim Bruna). São Paulo: Edusp; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Fapesp.

Reis, N. G. (2013). As minas de ouro e a formação das Capitanias do Sul. São Paulo: Via das Artes.

Salgado, I., & Pereira, R. B. (2014). A formação de núcleos urbanos no Brasil Colônia: procedimentos para elevar freguesias a vilas na Capitania de São Paulo na segunda metade do século XVIII. In Congresso Europeu de História Urbana, Lisboa: Anais.

Salgado, I. (2008). Fundação de freguesias, elevação de vilas e fortificação de praças na capitania de São Paulo (1765-1775): A gestão restauradora do Morgado de Mateus. Notícia Bibliográfica e Histórica, 202, pp. 15-37. PUC-Campinas.

Sampaio, T. F. (1886). Relatório apresentado ao Dr. Pedro Vicente de Azevedo, Presidente da Província de São Paulo em 1886, referente à exploração dos rios Itapetininga e Paranapanema. São Paulo: Comissão Geográfica e Geológica da Província de São Paulo, p.1.

Publicado
2017-09-23
Como Citar
Guedes, C. J., & Salgado, I. (2017). Análise morfológica comparativa: a rede das vilas de Itapeva, Apiaí e Itapetininga fundadas no território paulista sob o governo do Morgado de Mateus. Labor E Engenho, 11(3), 296-312. https://doi.org/10.20396/labore.v11i3.8648841
Seção
Artigos