Alternativas para o gerenciamento de lodo de sistemas descentralizados de tratamento de esgotos de áreas rurais

  • Adriano Luiz Tonetti Universidade Estadual de Campinas http://orcid.org/0000-0003-0910-401X
  • Natália Cangussu Duarte Universidade Estadual de Campinas
  • Isabel Campos Salles Figueiredo Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Lúcia Brasil Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Tratamento de esgoto. Tratamento de esgoto descentralizado. Lodo. Lodo. Gerenciamento. Tanque séptico.

Resumo

A inexistência de coleta e tratamento de águas residuais ainda é um problema comum no Brasil. Normalmente a solução adotada nas áreas rurais envolve o lançamento do esgoto em buracos escavados no solo, denominados de fossas negras ou rudimentares. As normas brasileiras (NBR 7229, 1993 e NBR 13969, 1997) apontam que o sistema mais apropriado a ser implantado nestes casos seria o tanque séptico associado a um sistema de pós-tratamento. No entanto, esse sistema produz um lodo que deve ser adequadamente gerenciado. Desse modo, este trabalho discute três opções de gerenciamento do lodo gerado nos tanques sépticos instalados em uma área rural do município de Campinas (São Paulo, Brasil): 1) Remoção do lodo por empresa terceirizada; 2) Gerenciamento do lodo pela empresa de saneamento do município; 3) Gerenciamento de lodo pela comunidade. Levando em conta somente fatores econômicos foi encontrado que a forma mais vantajosa seria o gerenciamento do lodo pela empresa de saneamento do município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Luiz Tonetti, Universidade Estadual de Campinas
Universidade Estadual de Campinas / Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo.
Natália Cangussu Duarte, Universidade Estadual de Campinas

Engenheira Civil. Mestranda da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas [SP] Brasil.

Isabel Campos Salles Figueiredo, Universidade Estadual de Campinas

Bióloga. Doutoranda da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo. Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas [SP] Brasil.

Ana Lúcia Brasil, Universidade Estadual de Campinas

Engenheira Sanitarista. Coordenadora da Câmara Técnica de Saneamento e Saúde em Comunidades Isoladas da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES, Seção São Paulo). São Paulo [SP] Brasil.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 7229: Projeto, construção e operação de sistemas de tanques sépticos. Rio de Janeiro: ABNT, 1993. 15 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12209: Elaboração de projetos hidráulico-sanitários de estações de tratamento de esgotos sanitários. Rio de Janeiro: ABNT, 2011. 53 p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 13969: Tanques sépticos - Unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos - Projeto, construção e operação. Rio de Janeiro: ABNT, 1997. 60 p.

CARVALHO, E. H.; ANDREOLI, C. V. Lodos de fossa e tanque séptico: Orientações para Definição de Alternativas de Gestão e Destinação. 1. ed. , 2015. 450p.

CONAMA - CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE. Resolução número 375, de 29 de agosto de 2006. Define critérios e procedimentos, para o uso agrícola de lodos de esgoto gerados em estações de tratamento de esgoto sanitário e seus produtos derivados, e dá outras providências. Ministério do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente. 2006.

FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS. Tabela FIPE. Disponível em: http://veiculos.fipe.org.br/#caminhao. Acesso em: 31 maio 2016.

GABRIELLI, Giuliano et al. Ambiance rose production and nutrient supply in soil irrigated with treated sewage. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 19, n. 8, p. 755-759, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 21 out. 2016.

MARINHO, L. E. O.; TONETTI, A. L.; STEFANUTTI, R.; CORAUCCI FILHO, B. Application of reclaimed wastewater in the irrigation of rosebushes. Water, Air and Soil Pollution, v.224, p.1669-1676, 2013.

METCALF & EDDY. Wastewater engineering treatment disposal reuse. 3. ed. New York: McGraw-Hill, 1995.

NEWNAN, D. G.; ESCHENBACH, T. G.; LAVELLE, J. P. Engineering Economic Analysis. 10. ed. Oxford: Oxford University Press, 2009. 567 p.

PAIXÃO FILHO, J. L.; GABRIELLI, G.; CORAUCCI FILHO, B.; TONETTI, A. L. Use of stabilization pond sludge in cultivation of roses. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 18, n. 1, p. 85-89, 2014.

RLV SOLUÇÕES EMPRESARIAIS. Planilhas de Custos Operacionais. 2014. Disponível em: www.guiadotrc.com.br/truckinfo/caminhoes_pesados.xls. Acesso em: 17 mar. 2016.

U.S. EPA (2002) Onsite Wastewater Treatment Systems Manual, EPA-625/R-00/008, February, 2002.

VAN HAANDEL, A. C.; LETTINGA, G. Anaerobic sewage treatment: a practical guide for regions with a hot climate. John Wiley and Sons, 1994. 222 p.

WEF. 1996 Operation of municipal wastewater treatment plants. Manual os Practice. 5a Edição.

Publicado
2018-03-31
Como Citar
Tonetti, A. L., Duarte, N. C., Figueiredo, I. C. S., & Brasil, A. L. (2018). Alternativas para o gerenciamento de lodo de sistemas descentralizados de tratamento de esgotos de áreas rurais. Labor E Engenho, 12(1), 145-152. https://doi.org/10.20396/labore.v12i1.8649680
Seção
Artigos