Educação Ambiental e a pequena propriedade rural: uma perspectiva de agricultura sustentável para a mulher campesina

Autores

  • Marialice Antão de Oliveira Dias Faculdade de Rondônia
  • Antonio Augusto Souza Dias Faculdade de Rondônia

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v12i2.8652756

Palavras-chave:

Educação Ambiental. Mulher do Campo. Sustentabilidade. Qualidade de Vida.

Resumo

Este artigo traz uma breve reflexão sobre a educação levando em conta a mulher do campo num contexto de desenvolvimento sustentável, trazemos algumas considerações sobre a educação brasileira, a educação do campo e a educação ambiental objetivando absorver da mulher campesina uma consciência crítica de seus direitos como cidadã e de seus deveres como agente de produção, incutindo nesta mulher uma preocupação com uma produção economicamente viável e ecologicamente sustentável que lhe permita
viver no campo e do campo em harmonia com a biodiversidade. A violência constitui-se o maior desafio enfrentado pela mulher nas atividades campesinas. O problema da degradação ambiental afeta primeiro as crianças, que nascerão hoje, que futuramente herdarão a terra e seu futuro está em nossas mãos. As
mulheres produzem 60 a 80% dos alimentos na maioria dos países em desenvolvimento e respondem por metade da produção mundial de alimentos. No entanto, apenas recentemente o seu papel fundamental como produtores e fornecedores de alimentos e a sua contribuição vital para a segurança alimentar das famílias receberam a atenção que merecem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marialice Antão de Oliveira Dias, Faculdade de Rondônia

Doutora em Direito Ambiental pela Université de Limoges/França. Professora da Faculdade de Rondônia.
Porto Velho [RO] Brasil.

Antonio Augusto Souza Dias, Faculdade de Rondônia

Mestre em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal Fluminense. Professor da Faculdade de
Rondônia. Porto Velho [RO] Brasil.

Referências

Agência Brasil. Recuperado de: www.agênciabrasil.ebc.com.br

Alves, R.. A (2001). A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. Campinas: Papirus.

Brandão, C. R. (1995) O que é Educação. 33 ed. São Paulo: Brasiliense.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil 1988. Recuperado de:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Brasil (1996). Lei nº 9394/1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de: http://

www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm

Brasil (1998). Lei nº 9605/1998. Lei dos Crimes Ambientais. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9605.htm

Brasil (1999). Lei nº 9795/1999. Lei da Política Nacional de Educação Ambiental. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm

Carvalho, I.C.M. (2004) Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez.

Dias, G. F.(1998). Educação Ambiental: princípios e práticas (5a ed.). São Paulo: Gaia.

Dias, G. F. (2004). Fundamentos de Educação Ambiental (3a ed., rev. e atual). Taguatinga [DF]: Universa.

Fiorillo, C. A.P. (2014). Curso de Direito Ambiental Brasileiro (14a ed.). São Paulo: Saraiva.

Freire, P. (2007). Pedagogia da autonomia (5a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Greenme. N. de S. (n.d.) A Nicinha, líder do MAB assassinada. Recuperado de:https://www.greenme.com.br./viver/costume-e-sociedade/3625-nilce-de-souza-a-nicinha-lider-domab-

assassinada

Jacob, P. (2009). Educação Ambiental, Cidadania e Sustentabilidade. In: I.V. Koch & L.C. Travaglia (2009). A Coerência Textual. São Paulo: Contexto.

Leite, S.C. (1996) Urbanização do processo escolar rural. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Machado, P. A. L. (2018). Direito Ambiental Brasileiro (26a ed.). São Paulo: Malheiros.

MMA. (2006). Desenvolvimento sustentável. Recuperado de: http://www.mma.gov.br.

Morin. E. (2005) Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez.

Reigota, M.(2002). A Floresta e a Escola: por uma educação ambiental pós-moderna (3a. ed.). São Paulo: Cortez.

Santos A. S. R. (1999). Base legal da Educação Ambiental no Brasil: programa Ambiental: a Última Arca de Noé.

Secco, M. F. F. V. (2007) O Conceito de Bacia HidrográHica como Instrumento de Educação Ambiental — uma

experiência na Escola Bosque de Belém/PA. Museu Paraense Emílio Goeldi. Recuperado de: http://educar.sc.usp.br/biologia/principal.html

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

DIAS, M. A. de O.; DIAS, A. A. S. Educação Ambiental e a pequena propriedade rural: uma perspectiva de agricultura sustentável para a mulher campesina. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 217-229, 2018. DOI: 10.20396/labore.v12i2.8652756. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8652756. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos