Cidades saudáveis, movimento que integra planejamento urbano e saúde: uma análise dos principais enfrentamentos para sua implantação em Portugal e Brasil

Palavras-chave: Planejamento urbano. Saúde. Cidade saudável. Rede portuguesa de municípios saudáveis. SODA.

Resumo

Este artigo tem por objetivo contribuir com os estudos que percebem que o entendimento da saúde em sua concepção ampliada é um caminho para integrar Saúde e Planejamento Urbano, como proposto pelo Programa Cidades Saudáveis, da OMS.  Realiza uma análise comparativa entre os enfrentamentos para a implantação do programa na Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis (RPMS), estruturada há mais de 20 anos, e em experiências brasileiras. A metodologia utilizada para estruturar o problema de pesquisa foi o Problem Structuring Methods - PSM, mais especificamente a construção de mapas cognitivos orientada pelo método Strategic Options Development and Analysis (SODA).  O mapa cognitivo SODA foi desenvolvido a partir de entrevistas com atores da RPMS e o levantamento das experiências nacionais foi realizado pela revisão não sistemática da literatura, com base em artigos acadêmicos que relataram os enfrentamentos para a implantação do programa em municípios brasileiros.  Foram identificados 59 construtos chave, agrupados em três clusters: conhecimento, governança e condições socioespaciais para uma vida saudável. Os enfrentamentos para a  implantação do programa observados em Portugal foram igualmente observados no Brasil. Em Portugal, o tempo e a consolidação do programa na forma de rede propiciaram avanços na implantação da proposta. O Programa Cidades Saúdáveis pode ser utilizado como uma estratégia para integrar o Planejamento Urbano e a Saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sanmya Feitosa Tajra, Universidade do Vale do Paraíba
Doutorado em Planejamento Urbano e Regional da Universidade do Vale do Paraíba.
Paula Carnevale Vianna, Universidade do Vale do Paraíba
Doutorado em Planejamento Urbano e Regional da Universidade do Vale do Paraíba.

Referências

Adriano, J. R. et al. (2000) A construção de Cidades Saudáveis: uma estratégia viável para a melhoria da qualidade de vida? – Ciência e Saúde Coletiva. 5. p. 53-62. Rio de Janeiro.

Acselrad, H. (1999). Discursos da Sustentabilidade Urbana. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, n. 1/ maio (pp. 79-89).

Barton, H., & Grant, M. (2013). Urban Planning for Healthy Cities. Journal of Urban Health, 90(1), pp 129–141. Recuperado de: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22714703.

Bazolli, J. A. (2009). Legislação Urbanística e Ambiental Brasileira. Dimensiones Jurídicas de las Políticas de Suelo. Lincoln Institute of Land Policy.

BRASIL (1998). Constituição da República Federativa do Brasil de 1998. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Buss, P. M., & Pellegrini, A. (2007). A Saúde e seus Determinantes Sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 17 (1):77-93.

Campos, A. M. (1990). Accountability: quando poderemos traduzi-la para o português. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, RJ.

Carvalho, A. I., & Buss, P. M. (2008). Determinantes Sociais na Saúde, na doença e na intervenção. In: L. Giovanella L., S. Escorel, L.V. Lobato, A.I. Carvalho, & J.C. Noronha (orgs.). Políticas e sistema de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Eden, C. (1998). Cognitive Mapping. European Journal of Operational Research, 36, pp. 1-13.

Freire, M. S. M, Salles, R. P. S., & Sá, R. M. P. F. (2016). Mapeando iniciativas territoriais saudáveis, suas características e evidências de efetividade. Ciênc. saúde coletiva [online] 21(6), pp.1757-1766. ISSN 1413-8123. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015216.08172016.

Freitag, B. (2012). Teorias da cidade. Campinas: Papirus Editora.

Georgiou, I. (2010) Cognitive mapping and strategic options development and analysis (SODA). In: WILEY Encyclopedia of Operations Research and Management Science: John Wiley e Sons.

Gunn, P. O. M. (2002). A ascenção dos engenheiros e seus diálogos e confrontos com os médicos no urbanismo sanitário em São Paulo . Anais . Salvador: [s.n.].

Hall, P. (2013). Cidades do Amanhã: uma história intelectual do planejamento e do projeto urbanos no século XX. São Paulo: Perspectiva.

Kelly, G. A. (1955). Psychology of personal constructs: a theory of personality. New York: Norton.

Lacerda, N. (2013). O campo do Planejamento Urbano e Regional – da multidisciplinaridade à transdisciplinaridade. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 15(1), pp 77-93.

Leeuw, E. (2012). Do Healthy Cities Work? A Logic of Method for Assessing Impact and Outcome of Healthy Cities. Journal of Urban Health [1099-3460] Leeuw, Evelyne, 89(2). pp. 217-231.

Leite, C. (2012). Cidades Sustentáveis, Cidades Inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre: Bookman.

Lima, N. T.; Hochman, G. (1996). Condenado pela ração, absolvido pela medicina: o Brasil descoberto pelo movimento sanitarista da primeira república. In: M.C. Maio, & R.V. Santos. Raça, Ciência e Sociedade. Rio de Janeiro: Fiocruz, CCBB.

Mendes R. (2000). Cidades Saudáveis no Brasil e os processos participativos: os casos de Jundiaí e Maceió. Tese de doutorado, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Mendes, R., Bógus, C. M., & Akerman, M. (2004). Agendas urbanas intersetoriais em quatro cidades de São Paulo. Saúde e Sociedade, 13(1) São Paulo, jan./abr.

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulinas.

OMS, Organização Mundial de Saúde (1995). Relatório “Veinte passos para desarrolar um proyecto ciudades saludables”. 2ª. Ed. Oficina Nacional para a Europa. Recuperado de: http://www.redconsalud.info/img/cnt/File/Otros%20documentos/PASOS%20PROYECTO%20CIUDAD%20SALUDABLE.pdf. Acesso 08.ago 2016.

Rede Portuguesa de Municípios Saudáveis. Recuperado de: http://redemunicipiossaudaveis.com/index.php/pt. Acesso: 08.out.2018.

Santana, P. (2014). Introdução à Geografia da Saúde – Território, Saúde e Bem-Estar. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Santana, P. (2007). A cidade e a saúde. Coimbra: Edições Almedina.

Santos, M.H.C. (1997). Governabilidade, Governança e Democracia: Criação da Capacidade Governativa e Relações Executivo-Legislativo no Brasil Pós-Constituinte. DADOS – Revista de Ciências Sociais 1997; 40(3):335-376. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52581997000300003.

Sperandio, A. M. G., Correa, C. R. S., Serrano, M. M., & Rangel, H. A. (2004). Caminho para a construção coletiva de ambientes Saudáveis – São Paulo, Brasil. Rev. Ciênc. Saúde Coletiva, 9(3), pp. 643-654.

Sperandio, A. M. G., Veríssimo, L. C. G., & Palácios, A. R. O. P. (2011). Processo de desenvolvimento de políticas públicas saudáveis integradas em Rede: a Experiência de Maringá-PR. Revista Intellectus 7(15).

Westphal, M. F. (2000). Movimento Cidades/Municípios Saudáveis: um compromisso com a qualidade de vida. Ciênc. saúde coletiva [online]. 5(1), pp. 39-51 Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php script=sci_arttext&pid=S1413-81232000000100005&lng=en&nrm=iso.

Westphal, M. F., & Oliveira, S. C. (2015). Cidades Saudáveis: uma forma de abordagem ou uma estratégia de saúde urbana? Revista USP, São Paulo, 107, pp. 91-102.

WHO, World Health Organization (1986). Carta de Ottawa, pp. 11-18. In: Ministério da Saúde/Fiocruz. Promoção da Saúde: Cartas de Ottawa, Adelaide, Sundsvall e Santa Fé de Bogotá. Ministérios da Saúde/ IEC, Brasília.

WHO, World Health Organization (1998). Health promotion glossary. Health Promotion International (Vol. 1). Geneve: WHO Recuperado de: http://www.who.int/healthy_settings/types/cities/en/.

WHO, World Health Organization. (2015). National Healthy Cities Network in the WHO European Region. Recuperado de: http://www.euro.who.int/en/health-topics/environment-and-health/urban-health/publications/2015/national-healthy-cities-networks-in-the-who-european-region.-promoting-health-and-well-being-throughout-europe-2015.

Publicado
2018-12-30
Como Citar
Tajra, S. F., & Vianna, P. C. (2018). Cidades saudáveis, movimento que integra planejamento urbano e saúde: uma análise dos principais enfrentamentos para sua implantação em Portugal e Brasil. Labor E Engenho, 12(4), 495-508. https://doi.org/10.20396/labore.v12i4.8653765
Seção
Artigos